O artigo visa esclarecer algumas questões relacionadas aos contratos de locação elaborados para fins comerciais e o direito ao ponto comercial, tocando em assuntos como prazos de locação e o direito à indenização em caso de desocupação forçada.

Matéria bastante procurada em consultas jurídicas e de relevância nas relações locatícias comerciais são os contratos de locação que envolvem o direito de indenização pelo ponto comercial.

Um sem-número de equívocos são cometidos nessa esfera de negociação quando da elaboração dos contratos e quando de seu término.

Não raro, vemos empresários ou suas sociedades adentrarem o judiciário em busca de indenização pelo ponto comercial para contratos que vigoravam por prazo indeterminado, cuja busca desesperada, salvo raríssimas exceções, restam em ações temerárias.

A repetida questão nesses casos é sempre saber quando há direito à indenização pelo Ponto Comercial.

Neste pequeno estudo detalharemos os pontos principais acerca do tema, no intuito de sanar as principais duvidas e evitar erros que revertam em prejuízos às sociedades empresarias e empresários.

Antes de adentrarmos o assunto ponto comercial e direito de indenização, temos que delimitar o que se faz de fato Ponto Comercial e quando é formado tal instituto, sendo então necessário caminharmos pelo Direito de Empresa para então após, enveredar pela Lei de Locações braço estreito do Direito Imobiliário.

O ponto comercial é elemento imaterial do estabelecimento, ou seja, é o requisito que integra a propriedade intangível da sociedade. Todavia de importante papel, pois, determina o sucesso da atividade comercial

Uma sociedade empresária quando se estabelece num local (ponto) traz consigo tudo aquilo que necessitará para exercer suas atividades, transformando o local antes vazio e sem utilidade em um ponto comercial. Essa base, local ou ponto, passa a ser propriedade comercial da empresa, pois determinará naquele local referencia para as pessoas chamadas de clientela.

Sendo a fixação do ponto comercial de extrema importância, o direito brasileiro passou a tutelar o direito de inerência ao ponto comercial.

Começou com a Lei de luvas (Decreto 24.150 de 20 de abril de 1934), cuja sistemática era a de proteção ao local onde o empresário estabelecia seu comercio.

 Referida Lei determinava que locado o imóvel com fins comerciais por prazo determinado de no mínimo 5 anos exercendo nos últimos 3  anos o mesmo ramo de atividade podia o empresário ou a sociedade pleitear a renovação compulsória do vinculo empregatício. Assim presentes os pressupostos a locação era renovada independente da vontade do locador

Nossa atual Lei de Locação (Lei 8.245/1991), em seu artigo 51 ratificou o instituto aprimorando as relações empresariais locatícias em vários aspectos.

De extrema importância saber que o direito a renovação compulsória respeita alguns taxativos requisitos para se fazer valer, são eles: a) contrato escrito com prazo determinado, é o que se chama de requisito formal; b) mínimo de 5 anos de relação locatícia, é o requisito temporal; c) exploração do mesmo ramo de atividade por pelo menos 3 anos, requisito material.

Com relação ao requisito tempo permite-se que se some outras locações feitas no mesmo imóvel por escrito e com prazos determinados no intuito de formar os 5 anos garantidores da renovação compulsória, é o que a doutrina chama de accessio temporis.

Assim poderá então requerer a renovação locatícia aquele que dela precisar somando as locações anteriores se os contratos anteriores respeitaram os mandamentos do citado artigo 51 e seus incisos.

Ocorrência corriqueira na renovação dos contratos é aquele lapso de tempo entre as tratativas do novo aluguel e clausulas a serem inseridas no novo termo.

É que para ter-se o direito da soma dos prazos de locação e assim adquirir o direito à ação renovatória os prazos precisam ser ininterruptos, fato que cai por terra quando há o lapso citado acima.

Verifique-se que por vezes as locações tornam-se por contrato indeterminado por conta das tratativas que entremeiam os contratos, ou seja, a locação permanece, todavia, com um lapso temporal em branco cujo contrato torna-se desrespeitador do requisito principal que é o prazo determinado.

Como referencia devemos consignar que para esses casos a antiga Lei de luvas quedou-se inerte, não havia previsão para essa situação. A asseccio temporis, não encontrava agasalho legislativo para salvaguardar o lapso de tempo entre contratos.

O Jurista Nascimento Franco nos direciona com base em decisões jurisprudenciais admitindo sim o direito à renovação fundamentando sua tese no dever de coibir eventual tentativa do locador de frustrar os direitos do locatário.

Verifique-se que o empresário ou a sociedade deve requerer por ação própria, denominada ação renovatória o direito à renovação do contrato de locação, cujo prazo, chamado de decadencial é de 6 meses e 1 ano antes do término do contrato que se espera renovar.

Não respeitado tal prazo nem tampouco elaborado outro contrato, a locação perde a característica de empresarial, retirando assim do locatário o direito de pleitear a indenização pelo ponto comercial, e mais, poderá o locador solicitar retomada do imóvel por simples notificação com 30 dias de antecedência.

Noutro foco, terá obrigatoriamente de haver indenização pelo ponto comercial quando houver por parte do locatário o estrito cumprimento dos requisitos de locação comercial, qual seja: a) característica da locação como empresarial e assim o atendimento aos requisitos de formalidade, tempo e materialidade; b) ajuizamento da ação renovatória dentro do prazo; c) acolhimento de exceção de retomada.

Todavia devemos nos atentar para o fato de que o locador é na grande maioria das vezes proprietário do imóvel, e assim tem como seu aliado o amparo da Constituição Federal, que em seu artigo 5º inciso XXII tutela o direito de propriedade. É que não se pode relativizar – no assunto ora tratado – o direito de propriedade, não pode a ação renovatória esvaziar o direito real titularizado pelo proprietário.

Vigorando então o contrato de locação e presentes os requisitos ensejadores da ação renovatória, supra consignados, o proprietário eximir-se-á da indenização do ponto só e somente só se houver impedimento do exercício do direito de propriedade do locador.

Há também um rol meramente exemplificativo no artigo 52 e 72 da Lei de Locações que oferece ao locador vantagem na não renovação do contrato.

Por outro lado se o locador alegar na contestação da ação renovatória, proposta melhor de terceiros, ou se o locador demorar mais de três meses, contados da entrega do imóvel a dar a destinação que disse lhe ia dar, se passar a explorar o ponto na mesma atividade ou mentir na intenção de uso do imóvel, devera nessas hipóteses indenizar a sociedade empresária ou o empresário pelo ponto comercial.

Nos cabe dizer que caminhamos no entendimento de que estando o contrato de locação dentro do prazo válido e cumpridor dos requisitos de validade para locação empresarial e  havendo discordância quanto a renovação por parte do locador, deverá o este indenizar o empresário ou a sociedade empresária que ali exercia suas atividades independentemente de qualquer alegação que o locador possa se lançar.

Assim nos posicionamos porque ali foi depositado pelo locatário valores para elevar o local à ponto comercial, e assim tolher o locatário de indenização caracterizaria enriquecimento ilícito do locador àquele que ali estabelece-se suas atividades, além de ferir o núcleo norteador da boa fé, base direcionadora do novo Direito Civil Brasileiro.


bibliografia:

Lei 8245 de outubro de 1991

curso de Direito Comercial - 12ª ed. Fabio Ulhoa Coelho, pg 110

Direito Imobiliário Teoria e Pratica - Luiz Antonio Scavone Junior


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria