Constituição e Execução Penal

3.2 Violação de Direitos dos Detentos

Ao descortinar o tema, de forma sucinta, apresentar-se-á alguns dos principais direitos do apenado, e apresentando-os ficará evidente que inúmeras vezes os mesmos não são proporcionados de forma efetiva aos apenados.

Em tempos não muito distantes, a condenação trazia ao apenado a perda de todos os seus direitos, bem como o seu afastamento do âmbito familiar. Hoje, teoricamente, impossível se dá esta sanção, averiguando que o apenado é igual a qualquer pessoa.

Sobre o tema, discorre ROSA[1] :

Em outros tempos a mera condição de preso importava na perda de todos os direitos. O preso perdia todos os seus bens, sua família, toda e qualquer proteção da lei, e, como

condenado, passava a não ter direito algum. Hoje o preso deixou de ser objeto do Direito Penal para ser pessoa do Direito, num sentido amplo.

O condenado continua a ter os mesmos direitos e deveres frente às pessoas privadas, e passa a ter direitos e deveres frente ao Estado. Daí o preceito taxativo do Código Pena: O preso conserva todos os direitos não atingidos pela perda da liberdade, impondo-se a todas as autoridades o respeito à sua integridade física e moral (art. 38)

Sabe-se que a assistência ao apenado é obrigação do Estado que, por meio de seu poder de sanção limita e por vezes cerceia o direito de liberdade do apenado. Desta forma, estando o mesmo impossibilitado de sanar suas necessidades básicas, torna-se obrigação do Estado provê-las.

A obrigação do Estado de prover os recursos necessários ao apenado, está contida no Art. 10 da LEP,.estipulando que assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade.

Neste diasapão ROSA[2] afirma:

O Estado, que se arroga no direito de impor a pena ao condenado, investe-se, por outro lado, no dever de fazer com que no cumprimento dessa pena sejam respeitados direitos humanos e a dignidade pessoal do condenado.

Sabendo-se que é o Estado o responsável em prover as necessidades do apenado, respeitando desta forma a sua integridade física e moral, apresenta-se no Artigo 11 da LEP a assistência devida:

Art. 11. A assistência será:

I - material;

II - à saúde;

III -jurídica;

IV - educacional;

V - social;

VI - religiosa.

A assistência deve ser oferecida de forma conjunta, sendo impossível a sua divisão, tão pouco sua inobservância, sendo reprovável o seu não fornecimento. Contudo diante da realidade do sistema prisional, verifica-se que de forma falha é o oferecimento de tais direitos, sendo que por vezes inexistente o seu oferecimento.

3.2.1 Assistência Material

Em observância a prestação dos direitos ao apenado, a LEP contempla inúmeras garantias que devem ser prestadas. Desta forma, mister se faz a verificação de quais direitos são apontados pela Lei como integrantes da Assistência Material

Conforme o exposto no Artigo 12 da LEP, constituirá Assistência material ao preso e ao internado o fornecimento de alimentação, vestuário e instalações higiênicas. Tal previsão contempla o rol dos direitos previstos em nossa Constituição como garantias fundamentais.

Como salienta MiIRANETE[3]:

A assistência material, segundo a lei, consiste no fornecimento de alimentação, vestuário e instalações higiênicas aos presos e internados. Um dos direitos do preso, aliás, é a alimentação suficiente e vestuário, que corre a cargo do Estado (art. 41, I,

da LEP), ainda que se permita às vezes, o envio de pacotes de comida do exterior, principalmente em ocasiões especiais ou nos dias reservados às visitas.

De acordo com os horários usuais, deverá ser fornecido ao apenado alimentação adequada e de acordo com as necessidades básicas humanas. Salienta-se que o apenado não possui a capacidade de prover a sua própria alimentação, observado o estado de cárcere, desta forma, nada mais correto que o Estado que é responsável pelo apenado , se encarregue de prover a sua alimentação.

MATTOS[4] ressalta:

Todo preso deverá receber da Administração, nas horas usuais, uma alimentação de boa qualidade, bem preparada e servida, cujo valor seja suficiente para a manutenção de sua

saúde e de suas forças. O tema de alimentação nas prisões é de grande importância, não só porque o interno tem direito a uma alimentação sã e suficiente para sua subsistência normal, podendo ressentir-se sua saúde de sua insuficiência ou baixa qualidade, mas porque é esse um poderoso fator que pode incidir positiva ou negativamente, no regime disciplinar do estabelecimento.

Doravante, em observância recíproca a alimentação, deve ser verificada a prestação de vestuário adequado, inclusive, de acordo com as estações do ano.

Fator natural é a existência de períodos de calor e períodos de frio, não podendo assim o apenado estar sujeito a ter sua saúde prejudicada em relação à falta de vestuário pertinente a temperatura em que se encontra o período do ano.

Para provocar um estado de equidade, certo se faz, a utilização de uniformes que padronizam o vestuário e evitam a discriminação entre os apenados, que por vezes não possuem condições de prover o vestuário adequado.

A boa alimentação e o adequado vestuário, devem ser prestados em conjunto com condições de higiene nas celas dos apenados. Para um ambiente ser sadio é necessário que o mesmo esteja limpo, apresentando as condições básicas de permanência.

MESQUITA JUNIOR[5] preleciona:

A higiene da cela ou alojamento, por sua vez, é dever do condenado, o qual deverá, também, conservar os objetos de uso pessoal. No entanto, o Estado deve fornecer os meios adequado para sua higiene pessoal e de local em que estiver

Recolhido

Contudo é visível a falência do sistema prisional, sendo constatada a inexistência do fornecimento de alimentação adequada, estando sujeito o apenado a alimentar-se com mantimentos insuficientes e mal manipulados.

Tão pouco é a capacidade do fornecimento de vestuário, sendo o mesmo insuficiente ou inexistente, estando o apenado sujeito a prover pelos seus próprios meios as roupas que deve vestir. Como forma de solução os apenados utilizam em conjunto as mesmas roupas, que não condizem com o ambiente que estão vivendo.

A higiene que deveria permear o ambiente prisional é quase que nula, sendo precária a situação das celas, tornando-se um castigo aos apenados conviver em um ambiente mal cheiroso, sujo, e por que não dizer insalubre.

3.2.2 Assistência à Saúde

A saúde é direito e garantia Constitucional, assegurado para todas as pessoas, e ao apenado também deve ser aplicado tal previsão. Conforme o Artigo 14 da LEP é assegurado ao preso o atendimento medico, farmacêutico e odontológico.

Estando cumprindo uma sanção, e tendo o seu direito de ir e vir cerceado, ao preso deve ser preservado os direitos mínimos que embasam a dignidade humana. Desta forma, o acesso à saúde constituem uma obrigação e não faculdade do Estado.

Para que a manutenção da saúde e atendimentos emergenciais sejam prestados, é necessário que o estabelecimento penal esteja equipado com os instrumentos devidos, bem como a medicação necessária.

Como bem diz MIRABETE[6]:

Para a prestação da assistência à saúde é evidentemente indispensável que os estabelecimentos penitenciários estejam providos de convenientes instalações médico-sanitárias a fim de que os médicos e demais profissionais executem os seus serviços preventivos e curativos, vigiando o cumprimento das normas sanitárias e de higiene nas prisões, bem como mantenham um corpo de pessoal adequado para o desenvolvimento desses serviços.

Enfatiza-se a questão da necessidade do atendimento especializado, sendo que por vezes o apenado precisa de um cardiologista ou a apenada de um ginecologista, tornando a assistência oferecida por um clinico insuficiente.

Por sua vez, ROSA[7] esclarece:

O serviço médico também não pode compreender apenas clínicos gerais, mas deve contar também com especialistas – psiquiatras, oftalmologista, cardiologista, otorrinolaringologista, dentista. São previstos, aliás, exames específicos a doenças

pulmonares, cardíacas e venéreas ( AIDS, em especial). Os condenados podem ser submetidos a tratamento de desintoxicação alcoólica.

A questão do oferecimento da saúde, que por vezes é necessária de forma especializada, não deve ser vislumbrada como um privilégio, mas como direito básico inerente a todas as pessoas, sendo que neste caso é uma pessoa reclusa que esta cumprindo a sua sanção imposta pelo Estado.

Entretanto, a carência do sistema de saúde vai muito além dos hospitais e postos de atendimento, estende-se aos estabelecimentos penais, sendo raros os ambulatórios que estão devidamente equipados e seguindo os preceitos mínimos de higiene.

Inexistem recursos como aparelhos e medicamentos, tão pouco é a existência suficiente de profissionais, sendo que o apenado esta sujeito a qualquer medida que coloque fim a sua dor.

Inúmeros são os casos de apenados que merecem tratamento especifico e isolado, com por exemplo os tuberculosos, que por característica contagiosa da doença merecem atenção no decorrer de seu tratamento.

Como exposto, observa-se que a saúde também é um problema nos estabelecimentos penais, a única diferença é que as pessoas que não estão enclausuradas possuem outras alternativas na busca de um tratamento, sendo que o apenado esta sujeito as existentes no estabelecimento em que esta recolhido.

3.2.3 Assistência Jurídica

Caracteriza-se como direito fundamental no acesso a Justiça, sendo a Assistência Jurídica uma forma de atendimento primordial para os presos que estão aguardado ansiosos o seu retorno a sociedade.

ROSA[8] nos ensina:

O acusado terá, obrigatoriamente, por injunção constitucional, de possuir um defensor – indicado por ele, ou nomeado pelo Juiz – em todas as fases do processo, e em todas as instâncias e graus de jurisdição. Só se exclui esse direito inviolável de defesa na fase policial. Durante o inquérito, na Polícia Judiciária, não há obrigatoriedade da presença do defensor, porque ali ainda não se estabeleceu o contraditório. O inquérito policial é um processo unilateral.

Sendo um dos pilares da execução penal a Assistência Jurídica esta prevista conforme os preceitos contidos no Artigo 15 da LEP, enfatizando que a mesma é destinada aos presos e aos internados sem recursos financeiros para constituir advogado.

Constitui na materialização do direito que o apenado possui de cumprir a sua pena de forma progressiva, usufruindo dos benefícios contidos em cada regime prisional.

Doravante, falida é a Assistência Jurídica em nosso país, sendo que o embasamento desta afirmação pode ser comprovado na vislumbração da superlotação dos estabelecimentos penais, com presos que poderiam estar em gozo da liberdade.

Constata-se a quase inexistência de profissionais qualificados que atuem no setor jurídico dos estabelecimentos penais, sendo que é garantido ao preso inúmeros recursos como o Livramento Condicional, a própria progressão de regime, saída temporária, entre outros direitos que estariam atendendo o seu reingresso a sociedade.

Esta inércia na Assistência Jurídica gera entre os encarcerados o sentimento de injustiça e esquecimento, o que afeta no comportamento do preso e provoca o atraso na sua ressocialização.

3.2.4 Assistência Educacional

Muitos dos presos que comentem um ilícito penal, justificam que este desvio de conduta foi impulsionado pela falta de oportunidades de emprego e grau de instrução. Desta forma a LEP em seu Artigo 17, tipifica que a assistência educacional compreenderá a instrução escolar e a formação profissional do preso e do internado.

Sabe-se que a educação é um dos únicos meios eficazes de proporcionar a evolução de uma pessoa, bem como impulsionar o desenvolvimento da própria sociedade.

A maioria dos apenados não possui a conclusão do Ensino Fundamental, muitos inclusive são os chamados Analfabetos Funcionais. Esta observação impulsionou os legisladores a contemplar no Artigo 18 da LEP o caráter obrigatório da conclusão do ensino fundamental.

Neste diasapão, MESQUITA JUNIOR[9] afirma que a expressão assistência educativa, inserta na LEP, deve ser interpretada em seu sentidolato, compreendendo o caráter acadêmico e profissional, os aspectos social, ético e artístico, o que certamente refletirá no comportamento do apenado.

Consoante ALBEGARIA[10]:

A educação do preso deverá constituir no pleno desenvolvimento da personalidade e formação do cidadão, para sua convivência solidária numa sociedade livre. O objetivo da reeducação é desenvolver a pessoa do recluso, segundo sua vocação de crescer, para sua reinserção na comunidade humana e contribuição na promoção do bem comum.

Outra vez, o que se é vislumbrado na realidade do sistema prisional é a omissão das autoridades frente à inexistência da Assistência Educacional ao preso, que sem formas de aprendizagem fica a margem da ociosidade e possibilidade de evoluir educacionalmente.

Destarte, essa é apenas a verificação do descaso do Estado, observando que a educação em nosso país, possui políticas falhas que tornan-se cada vez mais ineficazes, não proporcionando a criança e ao adolescente a possibilidade de ter uma educação de qualidade e tão pouco ao apenado que é a cada vez mais a parte da população excluída pela sociedade.

3.2.5 Assistência Social

A Assistência Social possui relevante valor na execução penal, materializando-se como uma forma de “ponte” entre o apenado e a sociedade. Deve inclusive, orientar a família para o retorno e convívio com o apenado.

A previsão da Assistência Social esta disciplinada na LEP que dispõe:

Art. 22. A assistência social tem por finalidade amparar o preso e o internado e prepará-los para o retorno à liberdade.

Art. 23. Incumbe ao serviço de assistência social:

I - conhecer os resultados dos diagnósticos ou exames

II - relatar, por escrito, ao Diretor do estabelecimento, os problemas e as dificuldades enfrentadas pelo assistido;

III - acompanhar o resultado das permissões de saídas e das saídas temporárias;

IV - promover, no estabelecimento, pelos meios disponíveis, a recreação;

V - promover a orientação do assistido, na fase final do cumprimento da pena, e do liberando, de modo a facilitar o seu retorno à liberdade;

VI - providenciar a obtenção de documentos, dos benefícios da Previdência Social e do seguro por acidente no trabalho;

VII - orientar e amparar, quando necessário, a família do preso, do internado e da vítima.

O Serviço Social torna-se indispensável para o acompanhamento do apenado, que deve ter a assistência de profissionais qualificados que estão aptos a demonstrar a realidade dos fatos , destorcendo conceitos que até então eram empregados como certos .

MIRABETE[11] ensina:

O Serviço Social, como arte, consiste na aplicação dos conhecimentos, teorias e doutrinas que, subordinados a princípios, constituem a Ciência do Serviço Social, para

alcançar, como resultado, a solução dos problemas humanos que acarretam infelicidade e, assim, obter bem-estar. Esse serviço não é, apesar da denominação, mera assistência, que consiste em diminuir ou, quando muito, eliminar os efeitos dos problemas ou das situações do assistido, mas constitui-se de tarefas e atribuições que convergem para ajudar aquele que está em dificuldades a fim de que as resolvam, proporcionando-lhes meios para a eliminação das causas desse desajuste.

Mas assim como os demais direitos do apenado que não são proporcionados, a Assistência Social está longe de ser empregada no sistema prisional. Não existem profissionais aptos a desempenhar este trabalho e o apenado fica sem a assistência necessária para a compreensão da realidade e auxilio na sua reinserção a sociedade.

Sem o acompanhamento devido, fica difícil para o apenado compreender a realidade que nos cerca, e quais são os padrões que devemos seguir para viver em sociedade.

O auxilio do Assistente social é indispensável para o apenado lidar com as questões relativas à rejeição social, e com a própria família que assim como o apenado deverá passar por um novo processo de reestrutura.

3.2.6 Assistência Religiosa

A Assistência Religiosa está relacionada à condição do apenado ter o direito de exercer a livre manifestação de seus cultos religiosos. 

Acredita-se que o respeito ao exercício da religião traz forte influência para a ressocialização do apenado.

A possibilidade de o apenado ter o acompanhamento religioso está expresso na LEP, conforme dispões o Artigo a seguir:

Art. 24. A assistência religiosa, com liberdade de culto, será prestada aos presos e aos internados, permitindo-se-lhes a participação nos serviços organizados no estabelecimento penal, bem como a posse de livros de instrução religiosa.

§ 1º No estabelecimento haverá local apropriado para os cultos religiosos.

§ 2º Nenhum preso ou internado poderá ser obrigado a participar de atividade religiosa.

Importante destacar que a livre escolha religiosa possui embasamento em nossa Constituição, sendo assim direito adquirido e resguardado. Contudo deve-se observar que é facultado ao apenado participar das manifestações religiosas oferecidas pelas entidades cadastradas aos estabelecimentos a penais.

ROSA[12] esclarece:

No nosso país, por garantia constitucional, é livre o exercício e a manifestação de cultos religiosos. A Divisão Assistencial aprecia os pedidos formulados para os cultos a serem

ministrados. O regulamento das prisões exige apenas que o calendário religioso seja submetido previamente à Divisão assistencial, a fim de ser providenciada sua compatibilização com outras datas.

Não existe, aqui, religião obrigatória. Prevalece o principio da liberdade de religião e culto, bem como é conferido ao recluso o direito de não se filiar a nenhuma religião, nem freqüentar nenhum culto.

Ter em algo superior a acreditar e perceber que a inexistência de explicações lógicas também fazem parte do contexto da Fé, possibilitam o apenado a acreditar em sua reinserção social e familiar.

Como bem salienta NOGUEIRA[13]:

Todos os autores são unânimes em afirmar que a religião é necessária e imprescindível no tratamento reeducativo do condenado e do internado, pois é o melhor instrumento da

moral, e sem ela não é possível a reforma interior do condenado. A assistência religiosa, além de ser um dos direitos fundamentais do homem, é também um dos fatores mais

decisivos na ressocialização do condenado.

Porém, no atual cenário prisional evidenciam-se a inexistência de espaço bem como organização dos estabelecimentos penais de proporcionar esta manifestação por parte dos apenados. Constata-se também, o preconceito das instituições religiosas de procurar os apenados e ajudá-los a vislumbrar algo em que acreditar e descobrir uma nova forma de acreditar que a melhora do homem é gradativa e possível ser conquistada por todos.

3.2.7 Direito ao Trabalho

A prática de atividades laborais sempre ganhou amparo em nosso ordenamento jurídico, possuindo previsão em nossa Constituição, bem como no Código Penal, sendo que em todos estes diplomas legais o trabalho recebeu o caráter de um direito social também condicionado ao apenado.

Sendo a LEP a Lei específica que disciplina a Execução Penal, traz à mesma no bojo de seus Artigos a previsão para o trabalho, o que podemos vislumbrar no Artigo 28, que dispõe o trabalho do condenado, como dever social e condição de dignidade humana, terá finalidade educativa e produtiva.

Conforme a Norma, o trabalho para o preso possui os mesmos aspectos dignificantes de qualquer atividade laboral, sendo uma forma de estar se disciplinando em bons hábitos, e gerando a sanção de produtividade e utilidade.

Nos ensinamentos de MIRABETE[14]:

O trabalho tem seu sentido ético, como condição da dignidade humana, e assim assume um caráter educativo. Se o condenado já tinha o hábito do trabalho, depois de recolhido ao estabelecimento penal o seu labor irá manter aquele hábito, impedindo que degenere; se não o tinha, o exercício regular do trabalho contribuirá para ir gradativamente disciplinando-lhe a conduta, instalando-se na sua personalidade o hábito de atividade disciplinadora. Para a consecução dessa finalidade educativa, porém, o trabalho prisional deve ser organizado de forma tão aproximadamente quanto possível ao trabalho em sociedade.

O trabalho possui várias funções dentro de um estabelecimento penal, combate o ócio, proporciona meios de qualificação profissional, prepara o apenado para retornar ao mercado de trabalho e exalta o preso no que tange a sua dignidade.

Para ROSA[15]:

Não resta dúvida de que o trabalho, um trabalho útil e tanto quanto possível produtivo, é absolutamente necessário para os reclusos, qualquer que seja o regime penitenciário a que hajam sido submetidos. Cada região examinará, segundo suas circunstâncias especiais, de que modo poderá o trabalho ser praticamente fornecido e dirigido, de maneira a corresponder às regras e necessidades diversas da instituição penitenciária,

e isto quer pelo sistema da administração, quer pelo sistema empreitada.

Existem duas possibilidades do apenado desempenhar atividades laborais enquanto recluso , sendo ela dividida em Trabalho Interno e Trabalho Externo. Verifica-se que a primeira possibilidade esta sujeita às regras do estabelecimento penal em que o apenado esta enclausurado, e sendo a segunda determinada pelo Juízo da Comarca (em especifico da Vara de Execução Penal), e empresa cadastrada, que admita o apenado como funcionário.

A previsão expressa para o Trabalho Interno, está contida no teor do Artigo 31 da LEP, o qual vejamos:

Art. 31. O condenado à pena privativa de liberdade está obrigado ao trabalho na medida de suas aptidões e capacidade.

Parágrafo único. Para o preso provisório, o trabalho não é obrigatório e só poderá ser executado no interior do estabelecimento.

Evidencia-se que o trabalho do apenado vai muito além de um benefício, mas sim, torna-se uma obrigação para os presos que cumprem pena em regime Fechado ou Semi-aberto. Destaca-se que para os presos em regime Provisório, o trabalho não possui caráter obrigatório e só pode ser concedido de forma interna.

Para que o preso desempenhe atividades laborais internas, basta bom comportamento, oferecimento de atividades pelo estabelecimento penal e o mais importante, determinação e vontade do próprio preso.

Entretanto, para que o apenado possa praticar atividades externas, é necessário o cumprimento de requisitos obrigatórios , que estão vinculados ao próprio comportamento do apenado, no que tange a disciplina, requisitos vinculados ao cumprimento de pena, autorização da direção do estabelecimento e Judicial.

Verificam-se as determinações contidas no Artigo 37 da LEP, que seguem:

Art. 37. A prestação de trabalho externo, a ser autorizada pela direção do estabelecimento, dependerá de aptidão, disciplina e responsabilidade, além do cumprimento mínimo de 1/6 (um sexto) da pena.

Parágrafo único. Revogar-se-á a autorização de trabalho externo ao preso que vier a praticar fato definido como crime, for punido por falta grave, ou tiver comportamento contrário aos requisitos estabelecidos neste artigo.

É pertinente destacar que o Artigo 35, § 2º do CP, vislumbra o possibilidade do Trabalho Externo também ser facultado ao apenado que esteja cumprindo a sua pena em regime Fechado, desde que atendidos os requisitos exigidos pela Lei.

Como bem salienta MESQUITA JUNIOR[16]:

A LEP preceitua que o trabalho externo é admissível para o condenado que se encontra no regime fechado, enquanto o CP estabelece que o trabalho externo é admissível aos

condenados que se encontrarem nos regimes fechado e semiaberto.

A noção de trabalho externo, ou atividade externa, não importa unicamente no trabalho no meio social em obras privadas, mas apenas a atividade laboral extramuros, ou seja,

a mesma poderá ocorrer em estabelecimentos públicos.

Prevê, ainda, a LEP, no que se refere às atividades laborais, a possibilidade do apenado diminuir a sua pena através da Remição.

Tal previsão esta contida no Artigo 126 da legislação referida.

Art. 126. O condenado que cumpre a pena em regime fechado ou semi-aberto poderá remir, pelo trabalho, parte do tempo de execução da pena.

§ 1º A contagem do tempo para o fim deste artigo será feita à razão de 1 (um) dia de pena por 3 (três) de trabalho.

§ 2º O preso impossibilitado de prosseguir no trabalho, por acidente, continuará a beneficiar-se com a remição.

§ 3º A remição será declarada pelo Juiz da execução, ouvido o Ministério Público.

A remição deve estar sempre monitora pelo estabelecimento penal ou pela empresa em que o apenado estiver trabalhando, de forma a evitar qualquer tipo de infração da Lei e a manipulação de dados. Cabe ao Juízo da Execução a função de verificar o bom andamento das atividades desempenhadas pelo preso.

Desta forma, a remição apresenta-se como uma forma de incentivo e apreciação do trabalho do preso, que combatendo o ócio, possibilita a diminuição da sua pena, e apresenta-se como mais uma forma gradativa de estar se preparando para o retorno a sociedade.

Verifica-se também, que o trabalho do preso deve ser remunerado e garantido os direitos da Previdência Social, seguindo assim os parâmetros contidos no CP, bem como da LEP.

Destarte, apesar do trabalho do preso trazer inúmeras vantagens tanto para o apenado, quanto para a sociedade, verifica-se que poucos são os estabelecimentos penais que proporcionam este benefício e como prevê a Lei, obrigação do apenado.

Ademais, os próprios estabelecimentos não possuem a infra-estrutura necessária para desempenhar atividades laborais, profissionais que possam estar qualificando os presos e variedade nas atividades a serem oferecidas. Outro requisito a ser lembrando, é o próprio preconceito da sociedade, que não aceita dar a oportunidade de trabalho para um preso.

Consoante aos fatos, por mais uma vez observa-se que o apenado tem seus direitos infringidos, oportunidades negadas, e é lançado para a parcela excluída da sociedade.


[1] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal. p.83.

[2] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal. p.89.

[3] MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução Penal: comentários à Lei nº 7.210, de 11-7-84.. p. 68.

[4] MATTOS, Renata Soares Bonavides. Direitos dos presidiários e suas violações. São

Paulo: Método, 2001.p.54.

[5] MESQUITA JUNIOR, Sidio Rosa de. Manual de execução penal: teoria e prática; de acordo

com alei nº 9.714/98. p.79.

[6] MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução Penal: comentários à Lei nº 7.210, de 11-7-84.p. 72.

[7] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal.. p.93-94.

[8] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal. p.97.

[9] MESQUITA JUNIOR, Sidio Rosa de. Manual de execução penal: teoria e prática; de

acordo com alei nº 9.714/98. p.87.

[10] ALBEGARIA, Jason. Comentários à lei de execução penal. Rio de janeiro: AIDE, 1987.p.44

[11] MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução Penal: comentários à Lei nº 7.210, de 11-7-84. p. 80.

[12] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal. p.116.

[13] NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Comentários à Lei de Execução Penal. 3. ed. São Paulo:

Saraiva, 1996.p. 32.

[14] MIRABETE, Julio Fabbrini. Execução Penal: comentários à Lei nº 7.210, de 11-7-84. p. 93.

[15] ROSA, Antonio José Miguel Feu. Execução Penal. p.129.

[16] MESQUITA JUNIOR, Sidio Rosa de. Manual de execução penal: teoria e prática; de

acordo com alei nº 9.714/98. p.101.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria