Advogado limitado, uma categoria.

Advogado limitado, uma categoria. Pelo menos em um Estado Americano, parece que isto está acontecendo.

Uma notícia nos aponta que o Estado Americano de Washington criou um novo tipo de profissional de direito, chamado de “técnico jurídico com licença limitada” (LLLT – limited license legal technician).

Até aí poderíamos confundir isto com os chamados paralegais, mas não são a mesma categoria.

Esta nova classe criada poderá ter algumas tarefas jurídicas e mais, poderá fazer parte da sociedade da banca de advogados.

Uma brecha para que futuramente não advogados possam ser sócios de bancas jurídicas dos EUA, a exemplo do que acontece com o Reino Unido e com a Austrália.

Leia a notícia na íntegra aqui.

E no Brasil?

Totalmente vedado atualmente, mas fazendo um esforço de raciocínio, seria realmente necessária esta nova categorização?

A advocacia já enfrenta uma desvalorização imensa de profissionais que são capacitados para exercer a sua profissão.

Temos uma sociedade que prefere advogado morrendo de fome porque isto é bom (vide inúmeras piadas e comentários na web) e que ao invés de valorizar o profissional, seu conhecimento e inteligência jurídica quer unicamente saber o preço que ele vai acertar de honorários.

Obviamente que nem todos pensam assim, mas uma grande gama da sociedade pensa assim.

Então, aqui no Brasil, penso eu, melhor é valorizar a advocacia, dar melhores elementos aos advogados que estão habilitados para tanto e observar este movimento estrangeiro como uma onda de lá e não de cá.

#Ficaareflexão
____________________________________________________


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria