Existem pessoas que injuriam, difamam e caluniam com a mesma facilidade com que respiram. Existem também outros que o fazem por terem sofrido um revés em suas vidas, o fato é que pouco importa o motivo, o defeito está em quem pratica o ato.

Era uma vez uma fofoqueira que foi à igreja se confessar...chegando lá, recebida pelo padre, se aboletou no confessionário e começou a destilar seus malfeitos em tom de orgulho. O vigário ouviu atentamente toda a sua lista de feitos sem mover um músculo, de alguma forma tal atitude parecia incentivar a fulana contar tudo com o requinte que permeia as atitudes dos maus. Até que terminado, perguntou à autoridade eclesiástica qual seria a sua penitência – já estava pronta a trocar toda a lista de maleficências por um punhado de padre nossos e ave-Marias- todavia, o padre pragmático, após uma longa pausa, sentenciou: A senhora irá subir com um travesseiro de penas e uma tesoura até o telhado de sua casa. Chegando lá a senhora irá cortar o travesseiro e deixará as penas voarem ao vento. No dia seguinte voltou a linguaruda senhora à presença do padre e disse: pronto, já estou absolvida! Revidou o padre: não tão rápido; agora temos a segunda parte da penitência. Volte, cate as penas e as coloque de volta no travesseiro. Impossível! Gritou a senhora quase como se vítima fosse. Verdade, disse o padre, impossível!

Rapidamente, sem muito “jurisdiquês”, vamos conceituar os três crimes contra à honra que nos ajudarão a dar prosseguimento sobre o assunto: Injúria, Difamação e Calúnia. Injúria vem do latim in jus, injustiça, falsidade. Consiste em ofender a dignidade de alguém. A injúria ofende o moral, abate o ânimo da vítima, afronta o que ela pensa sobre si mesmo. Difamação, do latim diffamare, desestabilizar a credibilidade, consiste em atribuir a alguém situação ofensiva à sua reputação de pessoa atinente à moralidade e aos bons costumes, vai diretamente ao encontro sobre o que as pessoas pensam sobre ela. Desacredita a vítima, mas sem apontá-la diretamente como autora de um crime. Calúnia, do latim calumnia, engano, engodo, embuste. Consiste numa imputação injusta de fato tipificado como crime. Particularmente, acredito que são patológicos desvios de caráter a serem tratados o quanto antes.

A esta altura me pergunta o leitor: e a Fofoca? Ah, a fofoca! É mexerico, intriga, bisbilhotice de gente à toa. Vem daquele tipo de pessoa que é especialista em identificar os defeitos dos outros e míope para enxergar os dele. Que se sente arauto da probidade e por isso legitimidado a falar o que quer, sobre qualquer pessoa, ao seu bel prazer, sem medir as consequências. O grande problema é que a tendência natural é de que a Fofoca acabe descambando para uma das três modalidades de crime contra à Honra. É mal que para muitos pode ser divertimento inconsequente, sem importância a quem pratica, mas na verdade é destrutiva e extremente desagregadora. Destrói-se reputações e vidas com a Fofoca. É certo que a cobiça, inveja e crimes contra à honra andam de mãos dadas. A vaidade, o egoísmo e a arrogância são terrenos férteis para a fofoca. Demonstram profunda indiferença com o semelhante.

Existem pessoas que injuriam, difamam e caluniam com a mesma facilidade com que respiram. Existem também outros que o fazem por terem sofrido um revés em suas vidas, o fato é que pouco importa o motivo, o defeito está em quem pratica o ato e não em quem é vítima dele.

Então, no caso da fofoca, sepultamos todas as qualidades de uma pessoa, todo o seu passado, tudo o que construiu e exaltamos tão somente as coisas ruíns que pensamos existir, influenciando, diretamente, em tudo o que ela poderia vir a construir em seu futuro. Fofoca é escrava da inveja, do egoísmo e da vaidade. Portanto, digna de muito cuidado. Cuidado com o que se fala, com o que se escreve, com o que repassa adiante e com o que se posta nas redes sociais, pois é fato que consequências sérias poderão surgir de tudo isto.

Fundamental que se saiba que atitudes geram consequências e que poderão evoluir para uma verdadeira avalanche de problemas, e que poderá redundar em responsabilidades cívis e criminais. Reparem que gente feliz não perde tempo fazendo mal aos outros. Como se diz: “Fofoca é uma história pobre contada por um autor tão imbecil e deselegante quanto sua criação”.


Autor

  • Antonio Marcos de Oliveira Lima

    Doutorando em Direitos Humanos pela Universidade Nacional de Lomas de Zamora, Argentina. Professor de direito Administrativo em graduacao e cursos preparatórios , Diretor-Geral do IBPC (instituto brasileiro de proteção ao consumidor), Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Estudo dos Direitos da Mulher, Advogado militante com atuação profissional Brasil X Portugal em Direito Civil, Direito do Consumidor , Direito Empresarial, Terceiro Setor, Direito Administrativo, Direito Tributário, Direito Intrrnacional, Sócio de Fernandes e Oliveira Lima advocacia e consultoria jurídica. Autor de "União estável e União Homoafetiva, os paralelos e as suas similitudes"; Ed. Pasquin Jus, 2006; "Retalhos Jurídicos do Cotidiano"; 2015, Ed. Lumen Juris.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria