Contrato de Compra e Venda.

O Contrato de Compra e Venda.

Importante instrumento de transferência de riqueza na sociedade.

Conceito:  contrato onde uma das partes se obriga a transferir a propriedade (vendedor) de um bem à outra, recebendo de alguém (comprador), em contraprestação, determinado valor (art. 1122 CC / art. 481 NCC).

Tem por objeto coisas ou direitos. No caso de venda de direitos, recebe geralmente a denominação de cessão. O objetivo deste contrato é a transmissão da propriedade mediante pagamento de um preço.

Nos ordenamentos jurídicos há três posicionamentos diversos no que diz respeito a aquisição da propriedade através do contrato de compra e venda:

  1. Compra e venda é contrato real que por si só transmite a propriedade, com efeitos reais, sem que mais nada seja necessário.

  1. É contrato obrigacional, criando apenas a obrigação de transferir propriedade da coisa. Neste caso, o contrato é apenas o título hábil a justificar a aquisição da propriedade, que só acontece através de uma das formas previstas em lei. Tal sistema segue a orientação romana, diferenciando o título de aquisição (“títulus adquirendi”) do modo de aquisição (“modus adquirendi”), e isto porque a propriedade é direito oponível “erga omnes”, que, por isso, requer não somente o título, mas a  aquisição da dela através de uma das formas previstas em lei. Este é o sistema brasileiro (art. 1126  c/c 620 e 530,I CC / art. 482 c/c 1267 e 1245, caput).

  1. Em outros sistemas, é necessário a realização de outro ato de vontade para transmissão da propriedade, sendo a compra e venda mero contrato de “prestar uma coisa”.          

Características:

Contrato bilateral, consensual (não é necessária a entrega da coisa para reputar-se perfeito o contrato. Do contrato deriva a obrigação de entregar art. 1.126 CC / 482 NCC), oneroso, comutativo ou aleatório, execução imediata ou diferida.

Em caso de imóvel acima de certo valor, deve ser realizada mediante escritura pública, tornando-se contrato solene (art. 134,II CC /  art. 108 NCC). Nos demais casos não requer forma especial (art. 129 CC  / art. 107 NCC).

Difere da dação em pagamento, porque neste contrato não há obrigação anterior que o origine. Difere da troca porque a contraprestação é dinheiro e não outro bem.

Capacidade para contratar:

O contrato pressupõe que o vendedor seja capaz de alienar e que o comprador seja capaz de obrigar-se.

Em alguns casos surge a capacidade específica ou legitimação especial, que deverá ser observada, afastando algumas partes de poderem praticar o negócio.

Assim, não podem vender: I. o ascendente ao descendente  (salvo se os demais descendentes anuírem. Art. 1132 CC / art. 496 caput do NCC); II- o falido (art. 40 Dec. Lei nº 7661/45) ; III – o cônjuge, sem outorga do outro, na venda de imóveis (art. 235, I CC / 1647, I  NCC); IV – o condômino de coisa indivisível (não pode vender sua parte sem dar preferência ao outro condômino que queira comprá-la em igualdade de condições no negócio – art. 1139 CC / art. 504 NCC)

Não podem comprar em hasta pública as pessoas elencadas no art. 1133 CC / art. 497 NCC).

No NCC, art. 499, é válida a compra e venda entre cônjuge quando o bem alienado estiver excluído da comunhão.

No mais, funciona a regra da capacidade genérica para os negócios jurídicos.

Elementos essenciais do contrato de Compra e Venda: Coisa, Preço, Consentimento.

Reafirma-se aqui a natureza obrigacional do negócio, no sentido de que, realizado o acordo, o contrato está formado  e não é possível o arrependimento. Por isso, com relação ao consentimento, vale a regra geral dos negócios jurídicos, havendo exceção tão somente no art. 134, II / 108 NCC.

Coisa: a princípio pode ser qualquer bem não excluído do comércio (corpóreo ou incorpóreo [caso em que ocorrerá a chamada cessão], presente ou futuro [contratos aleatórios – emptio rei ou emptio rei speratae. Há vedação quanto à herança de pessoa viva.], próprios e alheios [parece absurdo mas não é. O contrato é obrigacional. Se no tempo hábil conseguir adquirir a propriedade para transferi-la, o negócio se cumprirá da forma avençada. Caso contrário, resolver-se-á em perdas e danos. Venda de coisa alheia não é nula nem anulável, mas ineficaz, salvo no caso do condômino que vende a coisa comum).

Há coisas que por razões legais ou naturais estão excluídas do comércio e não podem ser vendidas.

Preço:

“sine pretio nulla venditio”

                        (Ulpiano)

Deve consubstanciar-se em uma soma em dinheiro. Qualquer outro bem desnatura o contrato, transformando-o em troca. Admite-se contudo que uma parte do pagamento possa ser feita com outro bem, desde que a maior importância seja paga em dinheiro.

O preço pode ser pago de uma vez ou parceladamente, mas deve ser sério e verdadeiro. Se for fictício, não há venda, mas outro contrato. Por isso, o vendedor também deve ter a intenção de exigi-lo.

Alguns sistemas legais permitem a rescisão da compra e venda quando o preço não for justo, por entenderem haver aí caso de lesão. A maioria dos sistemas, entretanto, não exige tal coisa.

O preço deve ser certo, devendo constar no contrato, mas podendo ser indeterminado no momento de sua formação. A determinação do preço pode ser feita pelas partes, por árbitro (que é na verdade terceiro, art. 1123 CC / art. 485 NCC) ou cotação do dia (art. 1124 CC / art. 486 NCC).

O preço deve ser fixado em moeda do país e não pode ser imposto por uma das partes (art. 1125 CC / art. 489 NCC).

Obrigações do Vendedor e do Comprador:

Vendedor:

  • Entregar a coisa, transferindo a propriedade.
  • Garantir a efetividade dos direitos sobre a coisa.

O contrato apenas obriga a transferência do domínio, e tal transferência ocorre com a tradição, que significa aqui a entrega com ânimo de transferir a propriedade, imitindo o comprador na posse. A entrega da coisa é a execução do contrato. Ver, por exemplo, art. 1130 CC / art. 491 NCC.

A entrega pode ser efetiva ou simbólica (como por exemplo a entrega “das chaves” de um imóvel.

Despesas para a tradição e os riscos da coisa correm por conta do devedor  (art. 1127 e 1129 CC / art. 492, caput, e art. 490, NCC  ), respondendo este, após a entrega, pelos vícios redibitórios e evicção, garantindo as qualidades da coisa.

Comprador:

A obrigação principal é de pagar o preço (art. 1122 c/c 1127 CC / 481 c/c 492 NCC), o que pode ocorrer antes ou após a entrega da coisa. Se pagar antes e não receber a coisa, por óbvio tem direito à restituição do valor pago.

Tem a obrigação de receber a coisa e se não recebe está em mora, respondendo por ela, pelas despesas com a conservação da coisa  e ainda pelos riscos da coisa (art. 1127, § 2º CC / art. 492, § 2º NCC).

Riscos:

Quanto a coisa são do vendedor. Quanto ao preço do comprador.

Regra: “res perit domino” = a coisa se perde para o seu dono.

Até a tradição o dono é o vendedor, que arca com os riscos. Portanto, se a coisa perecer, perde o direito de exigir o preço, e, se já o recebeu, deve restituí-lo. Atenção: a regra é diferente em caso de mora do comprador no recebimento da coisa.

Mas se há tradição, com a colocação da coisa ao dispor do comprador, os riscos são por ele suportados. Assim também ocorre se a coisa é remetida por transportadora (art. 1127 e 1128 CC / art. 492 e 494 NCC).

Atenção: lei que define riscos é supletiva, podendo as partes dispor de forma diversa.

Quanto ao comprador, diz-se impropriamente que assume o risco do preço. Na verdade, não há risco já que o preço é dinheiro, coisa genérica que não se extingue. (art. 1131 CC / art. 495 NCC)

Com relação as coisas vendidas em conjunto, o defeito de uma não autoriza a rejeição de todas (art. 1138 CC / art. 503 NCC).

Modalidades especiais de venda:

Art. 1135 CC / art. 484, caput, NCC – venda a vista de amostra.

Art. 1136 CC / art. 500 NCC – venda de imóveis “ad mensuram” ou “ad corpus”. (no primeiro caso o preço é fixado em função da área que é elemento essencial para sua determinação – ação ex empto para redução do valor ou resolução do contrato. Mas esta ação não se confunde com a redibitória ou “quantis minoris”)(no segundo caso a medida não influi já que o imóvel é coisa certa, sem outra determinação.)

Venda pode ser condicional:

Condição suspensiva: só transfere a propriedade com o implemento da condição.

Condição resolutiva: vendedor readquire a propriedade da coisa e fica obrigado a restituir o preço pago pelo comprador.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria