É possível recuperar créditos de PIS e COFINS na abertura de estoque quando a pessoa jurídica migrar do Lucro Presumido ou Simples Nacional para o Lucro Real.

De acordo com o artigo n° 8 da Instrução Normativa n°404/2004, a pessoa jurídica tributada com base no Lucro Presumido ou optante pelo Simples Nacional que migrar para o Lucro Real, passando a ser sujeita à incidência não-cumulativa do PIS e da Cofins, terá o direito de descontar créditos correspondentes a estas contribuições calculados sobre o estoque de abertura já existente na data de mudança do regime, devidamente comprovado, na proporção de 0,65% de PIS e 3% de Cofins.

Para recuperar os créditos tributários nesse ponto cabe ao revisor efetuar uma apuração a fim de identificar através da DIPJ (até ano base de 2013) e a partir de ano-base de 2014 a ECF se a empresa mudou de regime de tributação e se quando mudou de regime, foram considerados os valores que compõe seu estoque. Em caso negativo, realizar o creditamento. Para isso deve ser feita a retificação da DACON e EFD-Contribuições, com o fim de solicitar os créditos de tributos pagos a maior.

Verifica-se a possibilidade de créditos através de cruzamentos entre Balancete e DACON ou EFD-Contribuições, Balanço patrimonial e DACON ou EFD-Contribuições e Diário Geral entre DACON ou EFD-Contribuições. Por fim, cruza-se o Balanço Patrimonial com a DACON ou EFD-Contribuições. Em seguida é possível extrair do Balanço Patrimonial da empresa, no mês de abertura (ou troca do regime de tributação) créditos referentes a estoques.

Contudo, após a apuração dos valores, verifica-se a possibilidade de compensá-los ou restitui-los, seguindo os procedimentos instituídos pela Lei 9.430/1996 nos seus artigos 73 e 74, e a Instrução Normativa da Receita Federal nº 1.300/2012. A restituição do crédito configurasse mais burocrática e por consequência mais demorada do que a compensação, cuja qual é automática assim que informado ao Fisco.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria