Crimes qualificados pelo resultado e breves apontamentos sobre erro no direito penal (art. 20 e 21 do CP).

Crimes qualificados pelo resultado

Dispõe o artigo Art. 19 do Código Penal: “Pelo resultado que agrava especialmente a pena, só responde o agente que o houver causado ao menos culposamente.”

Conceitua Nucci: “trata-se de crime que possui um fato-base, devidamente sancionado, contendo, ainda, um eventoqualificador, passível de lhe aumentar a pena, em razão da sua gravidade objetiva, existindo entre ambos um nexo de ordem física e subjetiva.”[1].

Exemplifica Delmanto: “no crime de roubo do §3 do artigo 157 determina que, se da violência resulta lesão grave ou morte, a pena é especialmente agravada. Pela aplicação desse art. 19, tal agravação só será aplicável ao agente se ele houver causado aquele resultado (lesão seguida de morte), ao menos culposamente. Assim, se o resultado agravador não decorreu de dolo nem culpa do agente, este será responsabilização pelo roubo, mas não pelo resultado agravados do §3 do art. 157, a vista da restrição do art. 19.”[2]

Aduz ainda Delmanto que o dispositivo do art. 19 tem por finalidade de restringir a pena, não podendo ser emprestado para indevidamente exacerbá-las. “Por isso não se pode dispensar o dolo nas demais qualificadoras e agravantes que não tratem de situações envolvendo o desdobramento natural da conduta perpetrada, as quais devem estar cobertas pelo dolo do agente.”[3]

É um tipo penal complexo criado pelo legislador, visando afastar o concurso de crimes.

Ainda, é importante citar dentre os crimes qualificados pelo resultado o crime preterdolosos. Este se concretiza com dolo na conduta antecedente e culpa, na conduta consequente. O crime preterdoloso. Exemplo típico é a lesão corporal seguida de morte (art. 129 CP).

Exemplificando: A pretendia praticar assalto, por erro no manuseio da arma, atira e mata a vítima. Nesse caso o agente agiu com a intenção de roubar (conduta dolosa) e por imprudência (espécie de culpa como supra mencionado) acaba matando a vítima (conduta culposa), respondendo ele por ambos, desde que caracterize-se pelos menos a culpa no resultado.

Quanto ao resultado qualificador, aduz Nucci: “nos termos dos artigo 19 do CP, é mister que, quanto ao evento mais grave, aja o autor com, pelo menos, culpa. Não há possibilidade de se imputar ao agente as penas mais graves do resultado qualificador se não houver, quanto a este, dolo ou culpa. Inexiste a responsabilidade penal objetiva, trazida apenas pelo nexo causal entre o fato-base e o evento mais gravoso”.[4]

Importante lembrar que o delito preterdoloso só admite o dolo na conduta base e culpa quanto ao evento qualificador.

Nesse limiar, cabe expor, sucintamente o conceito de Erro de Tipo e erro de proibição:

“Art. 20 - O erro sobre elemento constitutivo do tipo legal de crime exclui o dolo, mas permite a punição por crime culposo, se previsto em lei.”

Descriminantes putativas

“§ 1º - É isento de pena quem, por erro plenamente justificado pelas circunstâncias, supõe situação de fato que, se existisse, tornaria a ação legítima. Não há isenção de pena quando o erro deriva de culpa e o fato é punível como crime culposo.

Erro determinado por terceiro

§ 2º - Responde pelo crime o terceiro que determina o erro.

Erro sobre a pessoa

§ 3º - O erro quanto à pessoa contra a qual o crime é praticado não isenta de pena. Não se consideram, neste caso, as condições ou qualidades da vítima, senão as da pessoa contra quem o agente queria praticar o crime.”

Erro de tipo escusável: é o equivoco que pode ocorrer a qualquer pessoa por mais prudente que seja à afasta o dolo é a culpa = não há crime.

Erro de tipo inescusável: embora o equivoco tenha ocorrido, servindo para afastar o dolo, a pessoa prudente nele não teria incorrido. à remanesce a culpa = Há delito culposo, se houver o tipo penal correspondente.

“Art. 21 - O desconhecimento da lei é inescusável. O erro sobre a ilicitude do fato, se inevitável, isenta de pena; se evitável, poderá diminuí-la de um sexto a um terço. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984)

Parágrafo único - Considera-se evitável o erro se o agente atua ou se omite sem a consciência da ilicitude do fato, quando lhe era possível, nas circunstâncias, ter ou atingir essa consciência.”

Erro de proibição escusável: o agente não tinha noção (consciência atual), nem poderia ter (consciência potencial), diante das circunstancias fáticas, de estar praticando um ilícito penal.

De acordo a teoria causalista: não há dolo, logo não há culpabilidade = inexiste crime; Já a teoria finalista: há dolo, mas noa há consciência potencial de ilicitude, logo, não há culpabilidade, logo inexiste crime.

Erro de proibição Inescusável: o agente não tinha noção (consciência atual), mas poderia ter (consciência potencial), de estar cometendo um ilícito penal. De forma que a  única solução é ded que há culpabilidade, logo existe crime, embora com pena diminuta.

Descriminante putativa: é causa de exclusão da ilicitude irreal, existente somente na cabeça do agente. As discriminantes putativas podem se dar em três aspectos:

- quanto aos pressupostos fáticos da excludente.

- quanto à sua existência

- quanto aos seus limites.

Exemplo é o caso do agente que pensando ter sido aprovada a eutanásia, desativa aparelhos que mantem seu parente vivo. “Se o engano se voltar aos limites da excludente, também se trata de erro de proibição”.[5]

Bibliografia:

NUCCI, Guilherme de Souza, Esquemas e Sistemas Vol.1, 3ª ed. Ed. RT, São Paulo, 2013.

Delmanto, Celso- Código penal comentado. 8ed. rev. São Paulo – Saraiva, 2010.

Reta Final OAB, Marco Antônio Araujo Júnior, Darlan Barroso, coordenadores – 4 ed. – São Paulo: editora RT, 2014.


[1] NUCCI, Guilherme de Souza, Esquemas e Sistemas Vol.1, 3ª ed. Ed. RT, São Paulo, 2013. Pg.148

[2] Delmanto, Celso- Código penal comentado. 8ed. rev. São Paulo – Saraiva, 2010.

[3] Delmanto, Celso- Código penal comentado. 8ed. rev. São Paulo – Saraiva, 2010. Pg.159

[4] NUCCI, Guilherme de Souza, Esquemas e Sistemas Vol.1, 3ª ed. Ed. RT, São Paulo, 2013

[5] NUCCI, Guilherme de Souza, Esquemas e Sistemas Vol.1, 3ª ed. Ed. RT, São Paulo, 2013. pg. 157.


Autor


Informações sobre o texto

outras publicações do mesmo autor: http://jus.com.br/1164197-alan-zilenovski/publicacoes

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria