O Ministério Público Federal brasileiro quer a admissibilidade das provas ilícitas.

~~Em face dos crimes dirigidos ao Poder Público, o Ministério Público Federal brasileiro quer a admissibilidade das provas ilícitas na condução das ações penais. Em suma, propõe que o ilícito se torne, milagrosamente, legítimo – talvez, por Medida Provisória.
Acatar a produção de provas ilícitas, sobretudo, no Direito Penal que, em essência, é repressor, equivale à legalização do Primitivismo Penal; remonta-se aos tempos em que o soberano mandava investigar seus supostos inimigos e depois ordenava que lhes cortassem as cabeças. Não havia a mínima noção de licitude, razoabilidade, só a aplicação da pena. A previsibilidade jurídica implicava na certeza da morte violenta. Para falar como Maquiavel, não há virtù nesta iniciativa. Não se sustenta a República, não se faz avançar um milímetro em direção à Justiça. Pelo contrário, só vigora o furor criminalista, a retaliação, a vingança pública por todos os meios; especialmente, os meios de exceção. Afinal, tanto a verdade dos fatos não está na mentira, quanto não estará no ilícito legalizado.
Na Idade Média, aplicava-se a tortura mais cruel possível como meio de verificação das reais intenções do fautor político e da remissão dos fatos: não bastava a confissão, era necessário expiar. O pobre, o servo, obrigatoriamente, tinham que ser torturados até o estertor da morte. O servo renasceria com a supliciosa morte imposta pelo próprio crime. Só assim Deus o receberia no reino dos céus. A CIA estadunidense aplica o “afogamento simulado” e outras tantas técnicas (algumas eletrônicas, pós-modernas: “privação dos sentidos”) para obter informações. Não consideram a tortura um ilícito porque se baseiam no Patrioct Act; julgando-se a lei acima da Justiça. Dizem agir em benefício público, em defesa da Segurança Nacional do Império e na preservação da Razão de Estado.
O inquérito policial brasileiro está cheio de torturas, assim como os processos criminais de pobres e negros vêm repletos de provas ilícitas. E, neste sentido, o que propõe o Ministério Público Federal é a legalização do Primitivismo Penal. Pois, a prática é mais do que conhecida e difundida. O DOICODI nunca parou de funcionar, os Paranhos e Fleurys nunca se ausentaram. Agora, portanto, seria apenas a inclusão de mais uma norma de exceção no ordenamento jurídico. Com a ressalva de que seria a inclusão da imoralidade, da ilicitude como fonte do direito. Houve um tempo em que debatíamos o Mandado de Segurança Coletivo, sobretudo em defesa de grupos e de movimentos sociais desapossados de poder e como garantia de direitos. Mas, hoje, debatemos a expulsão do bom senso da seara do direito; incluindo-se, frise-se novamente, o imoral e o ilícito como fonte da verdade processual.
No Estado de Direito em que se aninha a exceção, o soberano é O Soberbo (“Generalíssimo”, “Acima de Todos”); porque não existe lei soberana enquanto o Soberbo faz da lei a sua imagem e semelhança (majestas). Este é o modelo em espécie de uma forma política estatal específica: a forma-Estado Bonapartista. Nesta tipologia política prevalece a vontade dos grupos de poder (frações de classe) que se ocupam de todos os espaços legisferantes – e o Ministério Público brasileiro acaba integrado aos desejos punitivos dos aparatos repressores de Estado. Se esta lógica vigorar, teremos o Príncipe sob as vestes do ilícito que se tornou legal, da imoralidade pública que se referendou como segurança jurídica. Vê-se, por fim, que a Razão de Estado ainda é o saco de bondades de sua majestade, o poder! E, por isso, sempre repetiremos os mais grotescos e bizarros erros históricos.
Vinício Carrilho Martinez
Professor da Universidade Federal de São Carlos


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria