Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

DA EXTINÇÃO DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO

O presente artigo jurídico propõe a análise da extinção do termo "condições da ação" do direito processual através da promulgação do Novo Código de Processo Civil.

Desde a sua elaboração, o Novo Código de Processo Civil veio regado com a esperança da renovação e transformação do processo, tornando-o mais justo e célere. Após seis anos de tramitação no Congresso Nacional, restou sancionada e publicada a Lei nº. 13.105 de 16 de março de 2015, o Novo Código de Processo Civil.

O texto final passou por inúmeras alterações ao longo do processo legislativo e, com a sua promulgação e publicação, podemos ter acesso e analisar as mudanças apresentadas ao novo mundo.

Um dos pontos mais polêmicos o direito processual civil, para alguns o tema mais polêmico de toda a ciência processual[1], é o conceito de “ação”,  surgindo ao longo dos anos inúmeras teorias doutrinárias.

Na verdade, analisando a doutrina brasileira, verificamos que tudo ligado à “ação” traz grandes debates e criticas e com o surgimento de um novo texto processual, é comum a ascensão de velhas rixas.

O presente artigo visa tratar um dos temas polêmicos inseridos na “ação”, as chamadas “condições da ação”, positivadas em nosso ordenamento jurídico através do artigo 3º e do inciso VI do artigo 267 do Código de Processo Civil de 1973, mas excluída do Novo Código.

De acordo com Cândido Dinamarco[2], “condições da ação” “são condições para que legitimamente se possa exigir, na espécie, o provimento jurisdicional, estando relacionado com o princípio da economia processual”.

Para Alexandre Câmara, as “condições da ação” “são requisitos exigidos para que o processo possa levar a um provimento final, de mérito. A ausência de qualquer delas leva à prolação de sentença terminativa” sem resolução do mérito, na forma do artigo 267, inciso VI do Código de Processo Civil de 1973.

De acordo com o diploma processual de 1973, ainda em vigor, são três as “condições da ação”: legitimidade ad causam, o interesse de agir ou interesse processual e possibilidade jurídica do pedido.

Vale destacar que, apesar das criticas quanto a aplicação do termo “condições da ação”, também há criticas quanto a autonomia da “possibilidade jurídica do pedido”, uma vez que esta estaria mais inserida ao interesse de agir, conforme veremos em trabalho futuro.

No que concerne as “condições da ação”, a critica doutrinaria reputa ao uso do próprio termo, haja vista que a expressão “condições da ação” reveste-se de certa impropriedade, haja vista que o direito de ação é subjetivo incondicionado[3].

Para Alexandre Câmara, a terminologia empregada pelo legislador não se mostra adequada, uma vez que “condição” reputa a um evento futuro e incerto que subordina um ato jurídico, conforme definição positivada no artigo 121 do Código Civil. Desta forma, Alexandre Câmara prefere a utilização do termo “requisitos”.

Além da terminologia, o Professor Câmara critica a intenção do instituto, uma vez que toda pessoa, natural ou jurídica, possui direito de ação, independente de qualquer requisito. Mesmo que ausentes em determinado processo, o sujeito continua portadora do direito de ação, somente cominando na prolação de sentença meramente terminativa sem a resolução do mérito.

Nota-se que mesmo quando há prolação da sentença sem resolução do mérito houve o exercício da função jurisdicional, haja vista que o processo foi distribuído a uma Vara, passando pelas mãos do magistrado, podendo haver citação e resposta do Réu, produção de prova, sentença e, inclusive, interposição de recursos.

Desta forma, de acordo com o entendimento do Professor Câmara, as chamadas “condições da ação” são, na verdade, “requisitos do provimento final”, uma vez que a presença de todos os requisitos se faz necessária para que o juízo possa proferir o provimento final do processo.

Para Fredie Didier[4], “a discordância reside em ponto fundamental, notadamente porque, de acordo com o nosso sistema, a sentença de carência de ação, por não ser sentença de mérito, não poderia ficar acobertada com a imutabilidade da coisa julgada material, o que permite que a demanda seja repetida. Se de mérito se tratasse, este problema não existiria”.

Com a criação da Comissão de Juristas pelo Senado Federal, encabeçada pelo Ministro Luiz Fux, verifica-se a intenção pela extinção de todas as “condições da ação” do corpo do Código, por tratarem de mérito da demanda.

Após deliberações com a comunidade jurídica, restou apresentado o Anteprojeto ao Novo Código de Processo Civil, no qual se extinguiu a aplicação do termo “condições da ação”, mas mantendo-se a previsão da extinção do processo sem resolução do mérito quando da ausência da legitimidade ou do interesse processual,  inciso VI do artigo 467 do Anteprojeto, “Art. 467. O juiz proferirá sentença sem resolução de mérito quando: VI – o juiz verificar ausência de legitimidade ou de interesse processual”.

O texto original sofreu muitas mudanças com o passar do processo legislativo, cominando para o texto final aprovado no Congresso Nacional e sancionado pela Chefe do Poder Executivo, onde restou mantida a exclusão das “condições da ação” do Novo Código de Processo Civil, conforme pode-se entender da leitura do inciso VI do artigo 485: “Art. 485. O juiz não resolverá o mérito quando: (...) VI - verificar ausência de legitimidade ou de interesse processual”.

Da leitura e comparação entres os códigos, pode-se entender que houve uma simples supressão do texto, haja vista que ainda há a previsão da extinção do processo sem a resolução do mérito quando ausente a legitimidade ou o interesse processual, todavia, na verdade, entende-se que a Comissão atendeu os reclames da doutrina, colocando por terra o termo “condições da ação”.

Excluindo do texto legal o termo “condições da ação”, o legislador está manifestando entendimento que não há “condições” para o direito de ação, isso porque é um direito pertencente a qualquer pessoa, natural ou jurídica.

Conforme entendimento doutrinário, o termo “condições” remete a evento futuro e incerto que subordina um ato jurídico, ou seja, para que se possa adquirir o direito de ação, deveria a pessoa natural ou jurídica preencher os requisitos legais, quando, na verdade, uma vez que toda pessoa, natural ou jurídica, possui direito de ação, independente de qualquer requisito.

Assim, o legislador se manifestou no sentido de manter a legitimidade e interesse processual como requisito para provimento final do processo, onde mesmo que ausentes em determinado processo, o sujeito continua portadora do direito de ação, somente cominando na prolação de sentença meramente terminativa sem a resolução do mérito.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BRASIL. Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jan. 1973. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5869.htm. Acesso em: 21/03/2015.

BRASIL. Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 março 2015. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 21/03/2015.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 15ª Ed. rev. e atualizada pela reforma do CPC. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. V. 1.

CINTRA, Antônio Carlos Araújo, GRINOVER, Ada Pellegrini, DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 22 ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

DIDIER JR., Fredie. Curso de Direito Processual Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 11ª Ed. Salvador: JusPodivm, 2009. V. 1.

MARINONI, Luiz Guilherme. MITIDIERO, Daniel. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL: comentado artigo por artigo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO. Teoria geral do processo. V. 1. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

SENADO FEDERAL. ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. Disponível em: http://www.senado.gov.br/senado/novocpc/pdf/Anteprojeto.pdf, Acessado em 23/03/2015.


[1] CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 15ª Ed. rev. e atualizada pela reforma do CPC. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006. V. 1.

[2] CINTRA, Antônio Carlos Araújo, GRINOVER, Ada Pellegrini, DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 22 ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

[3] PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO. Teoria geral do processo. V. 1. 5 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

[4] DIDIER JR., Fredie. Curso de Direito Processual Civil: Teoria Geral do Processo e Processo de Conhecimento. 11ª Ed. Salvador: JusPodivm, 2009. V. 1.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Wellington Silva
Wellington Silva

Advogado. Bacharel em Direito e Pós-graduado em Direito Civil e Processo Civil pela Universidade Estácio de Sá. Com mais de 11 anos de experiência na área jurídica. Atuando nas áreas do Direito Civil, Consumidor, Responsabilidade Civil e Direito Securitário. Com conhecimentos teóricos e práticos nas áreas do Direito das Famílias, Imobiliário, Tributário e do Trabalho. Autor do livro “A banalização do dano moral”, publicado pela Editora Multifoco (ISBN 978-85-5996-541-4), além de artigos jurídicos em sites especializados. Autor participante da Bienal Internacional do Livro 2017.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!