A literatura pode ser uma aliada importante quando meditamos sobre a atividade judiciária tal como tem sido praticada no Brasil.

Sérgio Moro, o juiz federal encarregado de processar e julgar a Operação Lava Jato, parece gostar das controvérsias e do estrelato. Ele surfa na onda que criou e provoca reações severas de juristas mais renomados e recatados que ele mesmo:http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/175093/Advogados-criticam-Plano-Moro-%27inconstitucional%27.htm .

Compete ao Juiz cumprir e fazer cumprir fielmente a Lei. É isto o que consta expressamente da Lei Orgânica da Magistratura:

“Art. 35 - São deveres do magistrado:

        I - Cumprir e fazer cumprir, com independência, serenidade e exatidão, as disposições legais e os atos de ofício;

        II - não exceder injustificadamente os prazos para sentenciar ou despachar;

        III - determinar as providências necessárias para que os atos processuais se realizem nos prazos legais;

        IV - tratar com urbanidade as partes, os membros do Ministério Público, os advogados, as testemunhas, os funcionários e auxiliares da Justiça, e atender aos que o procurarem, a qualquer momento, quanto se trate de providência que reclame e possibilite solução de urgência.

        V - residir na sede da Comarca salvo autorização do órgão disciplinar a que estiver subordinado;

        VI - comparecer pontualmente à hora de iniciar-se o expediente ou a sessão, e não se ausentar injustificadamente antes de seu término;

        VIl - exercer assídua fiscalização sobre os subordinados, especialmente no que se refere à cobrança de custas e emolumentos, embora não haja reclamação das partes;

        VIII - manter conduta irrepreensível na vida pública e particular.”

O cumprimento desta norma parece não estar na agenda de Sérgio Moro. Tanto que ele cometeu uma conduta extremamente repreensível: aceitou o prêmio concedido pelo dono da Rede Globo, empresa que sonega impostos federais e é suspeita de ter subornado uma servidora pública federal para fazer o processo correspondente desaparecer. Mas não é disto que estamos falando.

O que nos interessa é o desejo que Moro tem de prender pessoas. Ele prende suspeitos para obter confissões. Solta-os para prender novos suspeitos com base nas confissões feitas por criminosos confessos para que eles também confessem e indiquem os próximos suspeitos que serão presos. Não só isto, ele também pretende recolher à prisão as pessoas que pretende condenar como se não estivesse obrigado a: 1) não antecipar julgamentos antes de apreciar as defesas e as provas; 2) cumprir fielmente a Lei processual que garante aos réus soldos o direito de recorrer em liberdade.

Há juízes que pregam o ativismo judiciário. Mas nem mês eles são capazes de pregar abertamente o descumprimento da Lei Penal em detrimento dos réus. A Lei Penal existe justamente para proteger os réus dos arbítrios do Estado para limitar o poder dos juízes – que são apenas servidores públicos com obrigações funcionais definidas em Lei – que foram encarregados de cumprir e fazer cumprir a Lei.

Não, Sérgio Moro não é um representante do "ativismo judiciário". Ele parece mais um daqueles ferozes perseguidores togados que praticam o “atavismo judicial”, cujo ancestral ocidental mais distante é, sem dúvida alguma, Pierre Cauchon. Refiro-me, obviamente, ao Bispo de Beauvais encarregado de julgar Joana D’Arc que aceitou suborno dos ingleses para produzir uma farsa judiciária posteriormente anulada pelo Papa.

Durante o julgamento do Mensalão petista, Joaquim Barbosa encarnou perfeitamente o papel de Cauchon ao perseguir e prender José Dirceu sem provas de sua participação ativa nos crimes que foram denunciados pelo MPF e com base numa teoria jurídica alemã não recepcionada pelos princípios de Direito Penal prescritos na CF/88. Barbosa, entretanto, fazia parte de um Tribunal colegiado e suas decisões singulares não tinham valor absoluto. Sérgio Moro é juiz de primeira instância e se comporta como se fosse o único e último sujeito do processo da Lava Jato. Abaixo dele só a Lei e nem mesmo esta ele parece estar disposto a cumprir, pois acredita estar destinado a uma missão mais nobre do que ser apenas um juiz federal. Portanto, o paladino da Lava Jato não pode ser comparado ao ex-perseguidor de petistas do STF.

Sérgio Moro lembra menos um juiz real – como o branco Pierre Cauchon e seu duplo negro Joaquim Barbosa - do que um personagem literário. Quando vejo Moro na TV, tentando representar o papel do “justiceiro imaculado”, sempre me vem à cabeça a imagem literária de Simão Bacamarte, do detestável alienista de Machado de Assis que interna quase todos os munícipes no seu hospício e, depois, percebe que o único insano da região é ele mesmo:

“A aflição do egrégio Simão Bacamarte é definida pelos cronistas itaguaienses como uma das mais medonhas tempestades morais que têm desabado sobre o homem. Mas as tempestades só aterram os fracos; os forres enrijam-se contra elas e fitam o trovão. Vinte minutos depois alumiou-se a fisionomia do alienista de uma suave claridade.

—Sim, há de ser isso, pensou ele.

Isso é isto. Simão Bacamarte achou em si os característicos do perfeito equilíbrio mental e moral; pareceu-lhe que possuía a sagacidade, a paciência, a perseverança, a tolerância, a veracidade, o vigor moral, a lealdade, todas as qualidades enfim que podem formar um acabado mentecapto. Duvidou logo, é certo, e chegou mesmo a concluir que era ilusão; mas, sendo homem prudente, resolveu convocar um conselho de amigos, a quem interrogou com franqueza. A opinião foi afirmativa.” 

http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000231.pdf

A exemplo de Dom Quixote, Simão Bacamarte tem um surto de sanidade e percebe que é insano. Sérgio Moro ainda terá a oportunidade de perceber que ele mesmo não é muito diferente dos réus que ele foi encarregado de julgar. Caso isto ocorra antes da prolação das sentenças talvez ele faça o que já deveria ter feito: dar-se por suspeito para proferir decisão num caso que ele provavelmente já pré-julgou. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria