O presente texto busca fixar o momento adequado para decisão do Magistrado acerca da inversão do ônus da prova, em questões envolvendo o Direito do Consumidor

A doutrina majoritária, ao que parece, entende que a inversão do ônus da prova é técnica de julgamento, a ser aplicada quando da prolação da sentença pelo Magistrado. Somente no momento de sentenciar é que, analisando a prova colhida, e, principalmente, a ausência dela, é que o Magistrado atribuiria o ônus de tê-la produzido a uma das partes.

Extraí-se da obra Código Brasileiro de Defesa do Consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto, a idéia de que “(...) A inversão do ônus da prova é direito de facilitação da defesa e não pode ser determinada senão após o oferecimento e valoração da prova, se e quando o julgador estiver em dúvida. (...)” (MATOS, Cecília. O Ônus da Prova no Código de Defesa do Consumidor. Revista de Direito do Consumidor, RT, vol. 11, jul/set. 1994 apud GRINOVER, Ada Pelegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor: comentado pelosa autores do anteprojeto. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007. p. 151).

A ideia até aqui exposta, contudo, em que pese adotada pela maioria, já está em tempo de ser revista.

Adotando-se a ideia de que, somente no momento de sentenciar o Magistrado venha a atribuir o ônus da prova a uma das partes, sempre em benefício da outra, já que a ausência da prova favorece a esta, corre-se o risco de que a primeira, a parte prejudicada, venha a ser surpreendida com a imputação do ônus da prova a ela.

A prática revela que o consumidor, quando do ajuizamento da ação, já postula, em sua petição inicial, a inversão do ônus da prova. O fornecedor do produto ou serviço, por sua vez, quando da apresentação da defesa, procura se desvencilhar de tal ônus, atribuindo-o ao consumidor, com a alegação de que não é ele hipossuficiente, ou de que suas alegações não são verossímeis. Vale dizer, cada uma das partes atribui o ônus da prova à outra e tem, assim, a expectativa de que não precise trazer tal prova aos autos.

Bastante razoável, portanto, que no momento do despacho saneador, em que fixados os pontos controvertidos, determine o julgador a qual das partes caberá o ônus da prova respectiva. Assim, evita-se que qualquer das partes seja surpreendida com a atribuição do ônus de produzir uma prova, que, por acreditar ser da alçada de seu adverso, não diligenciou fazê-lo no momento oportuno.

Certamente, ao fixar os pontos controvertidos, o Magistrado já analisou a petição inicial e a contestação, bem como os documentos que as instruíram, e, via de regra, tem já condições de avaliar se as alegações do consumidor são verossímeis, bem como se é ele hipossuficiente frente ao fornecedor do produto ou serviço, sendo de todo viável, já neste momento, a distribuição do ônus da prova.

Cientes ambas as partes, antes do início da fase de instrução, daquilo que cada uma deverá provar, poderão agir com mais diligência para a salvaguarda de seus direitos e acolhimento de suas pretensões, facilitando, inclusive, a formação do convencimento do Juiz e a distribuição da Justiça.

Somente assim, poderá o julgador fundamentar sua decisão na prova efetivamente produzida pelas partes, cientes que tal ônus lhes incumbia. Certamente, o julgamento calcado em provas trará mais segurança jurídica do que aquele que tiver por base o ônus da prova não produzida, e, portanto, fundado em presunções.

Diga-se, por fim, que a fixação do ônus da prova, antes do início da instrução, apresenta-se como verdadeira atitude de lealdade processual do Magistrado para com as partes.

Inconcebível que, já tendo o Magistrado formado opinião, ou, ainda, tendo a impressão de que o ônus de produzir certa prova é do autor ou do réu e vendo-o inerte, por ter argumentado nos autos que tal ônus competia à parte adversa, não advirta-o de que a falta da prova virá em seu prejuízo.

Conclui-se, assim, que o requerimento de inversão do ônus da prova deve ser apreciado quando do despacho saneador, a fim de que ambas as partes adentrem a fase processual de instrução já cientes do ônus que lhes incumbe. A inversão do ônus da prova, portanto, não é técnica de julgamento, mas sim, de instrução.

Bibliografia

GRINOVER, Ada Pelegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor: comentado pelosa autores do anteprojeto. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria