A fábula do peixe e do macaco #DepartamentoasQuintas

A fábula do peixe e do macaco, narrada por Mia Couto:

Um macaco passeava-se à beira de um rio, quando viu um peixe dentro de água. Como não conhecia aquele animal, pensou que estava a afogar-se. Conseguiu apanhá-lo e ficou muito contente quando o viu aos pulos, preso nos seus dedos,

achando que aqueles saltos eram sinais de uma grande alegria por ter sido salvo. Pouco depois, quando o peixe parou de se mexer e o macaco percebeu que estava morto, comentou – que pena eu não ter chegado mais cedo!”

Fábula africana narrada por Mia Couto (http://www.contioutra.com/a-fabula-do-macaco-e-do-peixe-mia-couto/)

Uma fábula corporativa, não é mesmo?

Quantas vezes gestores acham que estão fazendo como o macaco, ajudando, colaborando, desenvolvendo pessoas e/ou procedimentos, mas na verdade os matam e não conseguem acordar para esta realidade.

E muitos peixes colaboradores sequer conseguem perceber seu papel e se apegam a mudanças sem sentido ou futuro, que apenas matam tempo e desgastam relações.

Algumas reflexões que podemos fazer da fábula:

# Cada um tem o seu papel na organização e devemos aprender o seu papel;

# Devemos colaborar, mas compreender primeiro a função de cada um para colaborar com algo útil;

# Na análise da fábula, a busca por ajudar conforme a sua visão levou o outro a morte e mesmo assim não houve compreensão do fato. Buscar uma análise crítica na vida real é sempre bem vinda.

E para você, qual a conclusão?

E o que você tem feito para colaborar com a equipe? Você está pensando no todo e nas consequências?

De boas intenções o inferno está cheio. Vamos fazer o nosso melhor com análise completa de resultados para que a fábula continue como fábula e não como um espelho da realidade.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria