Um desabafo sobre a real situação do Brasil. Aborda a questão das manifestações, com a única indagação: O gigante realmente acordou?

Há quase trinta anos saímos da era da ditadura militar e o Brasil ganhou a tão sonhada Democracia, a qual, muitos lutaram e foram reprimidos pelo sistema opressor militar.

No entanto, nos dias atuais, uma pequena parte da sociedade clama pela volta do regime ditatorial, na esperança vã de que a corrupção vai acabar, de que o país se organizará, a violência diminuirá, os serviços públicos irão melhorar... Enfim, são várias reivindicações em uma pauta vazia. O que leva esta minoria rogar pela volta dos militares ao poder?

Em junho de 2013 a sociedade foi às ruas para mostrar que não agüenta mais tanto descaso do governo para com o seu povo e conseguiu fazer um dos maiores momentos de sua história, com mais de 1 milhão de pessoas, em quase todos os Estados, fez o Brasil parar.

A “revolta popular” ia de vento em polpa até a mídia corrompida pelo sistema, que tentou desconstituir o movimento, mostrando apenas a parte dos confrontos policiais com Black Blocks, os quais foram apelidados de vândalos, distorcer o que de fato ocorria nas ruas do Brasil.

No calor do clamor popular, o governo queria alguém para culpar, para desestruturar o movimento, pois, a cada dia que passava ganhava mais força.

Decretos foram criados para inibir mascarados, queriam um líder a todo custo, mas sabiam que o movimento era totalmente popular, tirando totalmente o sossego dos prefeitos, dos governadores, das assembléias legislativas, das câmaras dos deputados, de Brasília, da Presidente Dilma...

O povo pressionou, a passagem de ônibus baixou, profissionais da educação se juntaram ao movimento, apesar das bandeiras de partidos serem vistas, o povo heróico não pedia sua representação.

Com todo o brado retumbante, o governo se sentiu cada dia mais ameaçado, tentando sempre encontrar alguém para fazer de bode expiatório, mas, o gigante parecia ter acordado de seu sono profundo.

Porém, um incidente finalmente aconteceu: a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade.

Após esta fatalidade, ativistas foram perseguidos e postos como líderes dos movimentos, muitos deles foram investigados, outros foram presos sob acusação de fazerem parte de organização criminosa, que incluía formação de quadrilha armada, apesar de a maior formação de quadrilha armada contra a sociedade se constituir em Brasília.

Estes ativistas nunca tiveram a chance de serem ouvidos pela sociedade, não houve o momento de direito a defesa e ao contraditório. O que houve foi apenas o direito de acusação da imprensa, que influenciou toda sociedade a pensar que o movimento popular era perigoso e que se tratava de pseudo-revolucionários marginais e vagabundos.

Voltando a falar sobre democracia, quem lutou e ainda luta contra este governo corrupto, sofre perseguições e corre até o risco de perderem suas próprias vidas nas mãos do sistema capitalista opressor. Os direitos humanos, sociais e fundamentais não são para todos, pois, quem luta contra o governo, em pleno Estado Democrático de Direito, ainda sofre com a ditadura mascarada de democracia.

A Constituição Federal garante o direito à livre manifestação, à liberdade de expressão, pensamento... Porém, criaram as medidas cautelares, em que, dão o direito ao Estado de proibir os ativistas de participarem de manifestações, de exercerem a sua cidadania e de demonstrarem a sua insatisfação para com a corja corrupta que ocupa os tronos do Congresso e do Senado.

Que país é esse em que o “sol da liberdade em raios fúlgidos” não brilha para todo o céu da pátria?

O sonho de ver o céu brilhar neste país carece de coragem, pois, não são todos que irão colocar suas vidas em risco para fazer a tão sonhada revolta popular, o tão almejado “golpe” popular, em que os cidadãos de bem, que têm o Brasil como a sua “terra adorada, idolatrada” e desejam o “salve, salve”, tenham o brado retumbante que ecoou em todo território nacional, nas manifestações populares de 2013: “Poder para o Povo e o poder do Povo vai fazer um mundo novo!”


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria