O presente artigo busca, em linhas gerais, esmiuçar os detalhes a respeito do Bolsa Família.

RESUMO

            O presente artigo busca, em linhas gerais, esmiuçar os detalhes a respeito do Bolsa Família.

            Trataremos sobre a gestão governamental, o direito em questão, as bases jurídicas formais, os agentes governamentais responsáveis pelo programa, sua inserção na lei orçamentária anual, o público alvo do programa, as estratégias de implementação, o funcionamento do programa e seus aspectos críticos.

BOLSA FAMÍLIA

NOME OFICIAL:

Programa “Bolsa Família”.

DIREITO EM QUESTÃO:

Direito à alimentação e o acesso à educação e à saúde. 

GESTÃO GOVERNAMENTAL:

O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o país. O Bolsa Família integra o Plano Brasil Sem Miséria, que tem como foco de atuação os milhões de brasileiros com renda familiar per capita inferior a R$ 77 mensais e está baseado na garantia de renda, inclusão produtiva e no acesso aos serviços públicos.


Todos os meses, o governo federal deposita uma quantia para as famílias que fazem parte do programa. O saque é feito com cartão magnético, emitido preferencialmente em nome da mulher. O valor repassado depende do tamanho da família, da idade dos seus membros e da sua renda. Há benefícios específicos para famílias com crianças, jovens até 17 anos, gestantes e mães que amamentam.


A gestão do programa instituído pela Lei 10.836/2004 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209/2004, é descentralizada e compartilhada entre a União, estados, Distrito Federal e municípios. Os entes federados trabalham em conjunto para aperfeiçoar, ampliar e fiscalizar a execução.

A seleção das famílias para o Bolsa Família é feita com base nas informações registradas pelo município no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, instrumento de coleta e gestão de dados que tem como objetivo identificar todas as famílias de baixa renda existentes no Brasil.

Com base nesses dados, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) seleciona, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas para receber o benefício. No entanto, o cadastramento não implica a entrada imediata das famílias no programa e o recebimento do benefício.

BASE JURÍDICA FORMAL:

- Constituição Federal

A gestão do programa instituído pela Lei 10.836/2004 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209/2004

Unificação de:

Lei nº 10.219, de 11 de abril de 2001,

Lei n o 10.689, de 13 de junho de 2003

Medida Provisória n o 2.206-1, de 6 de setembro de 2001

 Decreto nº 4.102, de 24 de janeiro de 2002

 Decreto nº 3.877, de 24 de julho de 2001.

AGENTES GOVERNAMENTAIS:

Articulação entre os três entes federados.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) – Caixa Econômica Federal, Coordenações estaduais e municípios

INSERÇÃO  NA LEGISLAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ANUAL:

            O investimento no Bolsa Família representa cerca de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) e traz retorno financeiro, com a movimentação da economia local. De acordo com o Ipea, cada R$ 1 investido no Bolsa Família aumenta em R$ 1,44 o PIB brasileiro. Com base nessa informação, conclui-se que R$ 76,5 bilhões transferidos nos oito anos do programa se transformam em R$ 110,2 bilhões de impacto no PIB, o que incrementou a economia interna graças ao consumo das famílias. 

PÚBLICO ALVO:

Renda até R$ 77. 

Famílias com renda de até R$ 77,00 por pessoa, por mês.
 

Renda entre R$ 77,01 e R$ 154​

Famílias com renda entre R$ 77,01 e R$ 154,00 por pessoa, por mês, que possuam em sua composição gestantes, nutrizes (mães que amamentam), crianças e adolescentes com idade entre zero e 16 anos incompletos.
 

Renda de zero a R$ 154


Famílias com renda de zero a R$ 154,00 por pessoa, por mês, que possuam em sua composição adolescentes entre 16 e 17 anos.​​​

ESTRATÉGIA DE IMPLEMENTAÇÃO:

O Bolsa Família possui três eixos principais: a transferência de renda promove o alívio imediato da pobreza; as condicionalidades reforçam o acesso a direitos sociais básicos nas áreas de educação, saúde e assistência social; e as ações e programas complementares objetivam o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários consigam superar a situação de vulnerabilidade.

FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA :

É um programa de transferência direta de renda, direcionado às famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País, de modo que consigam superar a situação de vulnerabilidade e pobreza.

O programa busca garantir a essas famílias o direito à alimentação e o acesso à educação e à saúde. 

FUNCIONAMENTO EFETIVO DO PROGRAMA:

Criado no dia 20 de outubro de 2003, o Bolsa Família já distribuiu mais de R$ 24 bilhões (0,46% de tudo que é produzido no país) a um quarto da população brasileira, num total de 14 milhões de famílias e 50 milhões de pessoas.
O programa se tornou referência internacional do Banco Mundial como política de combate à fome e à miséria e como forma de distribuição de renda e promoção de justiça social. A ONU avalia que, em 2012, o Brasil foi um dos países que mais contribuiu para o alcance global, ao reduzir a pobreza extrema a menos de um sétimo do nível de 1990, de acordo com o V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Hoje, de cada quatro pessoas atendidas pelo Bolsa Família, três delas são pardas ou negras.
Além disso, o Brasil já cumpriu um dos Objetivos do Milênio, esperado para 2015, de reduzir pela metade o número de pessoas vivendo em extrema pobreza: de 25,6% da população em 1990 para 4,8% em 2008. Segundo dados do Ipea, o Bolsa Família foi responsável por 28% da queda da extrema pobreza brasileira.

O programa levou o poder de compra às mãos dos brasileiros e brasileiras que viviam na miséria e, hoje, proporciona a eles uma vida digna. Elevar o poder de compra dessas pessoas também tem um efeito positivo para a economia do país. Levantamento do Ipea, de 2013, mostra que cada R$ 1 investido no Bolsa Família gera um aumento de R$ 1, 78 no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, tudo isso com um custo de apenas 0,5% do PIB brasileiro.

O Bolsa Família também tem impacto positivo na educação. O desempenho dos alunos assistidos pelo programa é superior à média nacional para a rede pública de ensino. Levantamento oficial do governo federal mostra que, entre outubro e novembro de 2013, a frequência escolar dos beneficiários foi de 96%. Como uma das exigências para permanecer no programa é que os pais mantenham os filhos na escola, a taxa de evasão também caiu. Dados do Ministério do Desenvolvimento Social mostram que, em 2011, enquanto a média de abandono no país era de 10,8%, essa taxa entre os alunos do Bolsa Família ficou em 7,2%, diferença de um terço. Além de permanecer na escola, os beneficiários são menos reprovados. A taxa de aprovação em 2011, no ensino médio, era de 75,2% no geral. Para alunos de Bolsa Família, esse resultado foi de 79,9%, em 2013.

CONCLUSÃO

Com frequência, escuta-se inúmeras críticas ao Bolsa Família. Algumas parcialmente procedentes, como o fato de o benefício não ter prazo para acabar e seu valor ser idêntico em locais com custo de vida tão díspares como São Paulo e o sertão nordestino. Outras, como a existência do programa, improcedentes.

O que realmente impressiona é que outros programas de transferência de renda e subsídios implícitos ou explícitos, com custos muito mais elevados do que os bilhões anuais do Bolsa Família, não recebam as mesmas críticas.

Portanto, nota-se que há uma espécie de boicote político-eleitoreiro contra o programa que se revela como um dos maiores acertos de um governo no combate à situação de vulnerabilidade, pobreza e miséria.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MINISTÉRIO DEO DESENVOLVIMENTO SOCIAL: BOLSA FAMÍLIA. Disponível em: www.mds.gov.br/bolsafamilia. Acesso em 12 abr. 2014

COORDENAÇÃO GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO. Disponível em: bolsafamilia.datasus.gov.br/ Acesso em 12 abr. 2014

BOLSA FAMÍLIA, DIGNIDADE, ALIMENTAÇÃO, EDUCAÇÃO E SAÚDE PRA TODOS. Disponível em www.caixa.gov.br/programas-sociais/bolsa-familia/Paginas/default.aspx. Acesso em 12 abr. 2014

BOLSA FAMÍLIA, DESFAZENDO MITOS SOBRE O PROGRAMA. Disponível em: http://brasildamudanca.com.br/bolsafamilia/mitos/.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria