O artigo sob análise constrói um entendimento teórico a fim de embasar a cobrança de IPTU do particular que ocupa bem público. Pretende a presente crítica desconstruir algumas das premissas utilizadas para justamente defender o contrário.

O artigo[1] ora em análise discute, em síntese, a possibilidade de se cobrar IPTU daqueles que irregularmente ocupam patrimônio público.

Em que pese a baixa arrecadação e dificuldade de racionalização dos tributos incidentes sobre o patrimônio, os fiscos estaduais não estão autorizados a alargar o seu âmbito de aplicação sem o devido embasamento legal e constitucional. É preciso que haja rigor no tocante ao princípio da legalidade estrita, que se coloca como sustentáculo do direito tributário constitucional.

O argumento de que a Constituição Federal não institui tributos, apenas define a forma como deve ser a repartição de competências, entre os outros entes políticos, deve ser visto com ressalva. Quando a Carta Magna definiu o tipo de imposto que compete a cada ente, como se pode depreender do nome que foi dado a cada um deles, com estrita conexão com o seu significado nuclear, e portanto, o âmbito de atuação, aduziu, ainda que se considere que de modo mais implícito que explícito, sobre qual situação ele deve ser instituído, ofertando ao legislador estadual apenas a prerrogativa de regulamentar o restante. Dito isso, passa-se a análise dos pontos seguintes.

Analisando apenas a Constituição Federal não restam dúvidas de que o IPTU somente pode ser destinado a quem efetivamente se encontra na condição de proprietário, o que não oferece margem para divagações. Além disso, é também a Constituição que veda o usucapião de imóvel público. Apenas essas duas barreiras, escritas pelo legislador constituinte, estariam aptas a impedir o avançar da discussão sobre a cobrança de IPTU ao particular que ilegalmente se apossa de bem público.

Não obstante esse fato, atenta também contra o ordenamento jurídico brasileiro a tentativa do Estado de se enriquecer ilicitamente com a própria torpeza. Em direito civil, de modo similar, isso é denominado de venire contra factum proprium. Também no ramo do direito público, por atentar contra os preceitos da boa-fé objetiva, não se admite que o ente estatal, ao invés de se utilizar legitimamente do seu poder de polícia para expulsar os moradores irregulares do local, possa de certa forma legalizar a sua inércia sob o argumento do “Estado Arrecadador”.

Apesar da Constituição frisar que a definição do tributo, os seus respectivos responsáveis sob a óptica passiva e ativa, além de todos os outros desdobramentos consequentes, sejam regulados por lei complementar; e que o CTN, por sua vez, afirme que constitui elemento conglobante ao fato gerador do IPTU o mero domínio, ou posse, a qualquer título, parece precipitado, do ponto de vista constitucional, adotar tal interpretação sem refletir e de certa forma relativizar a norma, tendo em visto a sua finalidade teleológica.

É sabido que, dentro da pirâmide de Kelsen, leis, sejam elas ordinárias ou complementares, são hierarquicamente inferiores à Constituição. Sabe-se também que, em que pese não haver hierarquia entre normas e princípios constitucionais, há uma sobreposição entre poder constituinte originário e derivado reformador. Partindo dessas duas premissas, pode-se firmar uma hipótese: quando a Carta Magna de 1988 definiu que haveria, no âmbito municipal, a incidência de imposto sobre a propriedade territorial urbana e rural, o mandamento principal, nuclear, do fato gerador, tinha ficado definido; um limite basilar e intransponível havia sido posto.

Abranger como sujeito passivo do imposto o mero detentor ou possuidor do imóvel é desvirtuar a finalidade do imposto, extirpando os limites estabelecidos na Carta Maior. Isso se deve não só ao princípio da estrita legalidade que rege o ordenamento tributário constitucional, mas também a vedação ao emprego de analogia para se cobrar ou deixar de cobrar tributo. Dentro da legalidade em sentido estrito não é possível extrair significados fantasmas, ou seja, significados que não se encontram, de fato, presentes, em seu comando normativo.

Os conceitos de propriedade, posse e detenção são originariamente estabelecidos pelo Código Civil, tendo o direito público pegado de empréstimo, e não criado o seu.

Independentemente então da ocupação do imóvel público ser regular – por prerrogativa de função, seja ela política ou não –, ou irregular – como no caso de invasões de boa ou má-fé –, a situação jurídica em sentido técnico é a mesma. Ambos não são passíveis de serem acionados pelos fiscos estaduais como corresponsáveis ao pagamento do tributo, pois ainda que quisessem, não poderiam adquirir a posse ad usucapionem, tendo em vista que doutrina e jurisprudência, de maneira unânime, não admitem tal possibilidade para imóvel público.

Quanto ao tema da imunidade é preciso lembrar que esta, segundo a linha de entendimento do Supremo Tribunal Federal, deve ser interpretada em sentido amplo. A imunidade recíproca se mostra como obstáculo para a cobrança de IPTU em face de imóvel público ocupado ilegalmente por particular porque a omissão estatal na gestão do bem não pode, automaticamente, gerar tal hipótese de incidência, sem antes serem avaliados requisitos subjetivos como a questão orçamentária – dificuldade financeira para dar ao local a finalidade devida – e, principalmente, temporal – o imóvel possuir pouco tempo de desocupação. Mesmo porque, brigas judiciais visando à reintegração de posse são longas, então pode não haver omissão estatal na tentativa de recuperar a posse do bem para passar a atender sua finalidade precípua.

Conclui-se, portanto, que, cobrar IPTU do particular que ocupe bem imóvel público, legal ou ilegalmente, atenta contra os princípios e regras insculpidos na Constituição Federal, não podendo ser objeto de supressão ou desvirtuamento teleológico pela Administração Tributária, quiçá a estadual. O limite constitucional de atendimento ao requisito principal caracterizador da cobrança do IPTU é a propriedade, e não a posse. A suposta controvérsia trata em verdade de uma frágil tentativa de distorcer um limite constitucional explícito, que tem toda a razão de ser, até por uma simples questão de justiça fiscal, afinal, não se pode onerar proprietário, possuidor e detentor da mesma maneira.


[1] Hable, Jose. Publicado na Revista Fórum de Direito Tribuário RFDT, doutrina e jurisprudência selecionada. Belo Horizonte: Editora Forum. Ano 12- nº 69, maio/junho 2014, pp. 71 a 90. 


Autor


Informações sobre o texto

Resenha crítica elaborado no âmbito da pós-graduação em direito tributário do IDP.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria