O advento da Lei n° 12.737/12 inseriu no ordenamento jurídico crime de invasão de dispositivo informático, trazendo no parágrafo 5° o tratamento diferenciado quando cometido contra autoridades. Essa diferença fere o princípio constitucional da igualdade?

1. INTRODUÇÃO

            A Lei n° 12.737, de 30 de novembro de 2012, inseriu o art. 154-A no Código Penal, trazendo para o ordenamento jurídico brasileiro o crime de Invasão de Dispositivo Informático, consistindo este na conduta de invadir dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do titular ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita.

            O parágrafo 5° do referido artigo traz a possibilidade de aumento de pena caso o crime seja cometido contra alguns agentes públicos. O presente trabalho tem por objetivo analisar o fundamento em que se baseia esse tratamento diferenciado dado, bem como, analisar a existência de equanimidade nesse tratamento distinto.

2. O TRATAMENTO EQUANIME NA LEI N° 12.737/12

Inicialmente, o termo equânime, derivado do latim aequanimis, faz referência àquilo que tem equanimidade, ou seja, àquilo que é imparcial, justo e neutro. Refere-se, por fim, à igualdade, sendo este um princípio garantido na nossa Carta Magna.

Prescreve o caput do art. 5° da nossa Constituição Federal de 1988: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à igualdade, a segurança e a propriedade, (...)”. 

Pode-se perceber que o princípio da igualdade tem previsão expressa no texto constitucional, sendo inclusive presente também no seu Preâmbulo. Considerada, portanto, norma supraconstitucional, é um direito e garantia que deve ser obedecida por todas as demais normas (Silva, 2003).

José Afonso da Silva, afirma que “porque existem desigualdades, é que se aspira à igualdade real ou material que busque realizar a igualização das condições desiguais”.

Seguindo esta linha de pensamento, tal princípio possuiria um caráter de dupla aplicação: uma teórica, com a finalidade de repulsar privilégios injustificados; e a outra prática, ajudando na diminuição dos efeitos decorrentes das desigualdades evidenciadas diante do caso concreto. Tratamento isonômico significa, portanto, dar tratamento igual para os iguais e desigual para os desiguais, na medida das suas desigualdades. (Nery Júnior, 2000) Assim, tal princípio constitucional se constitui na ponte entre o Direito e a realidade que lhe é subjacente.

            Esta igualdade deve ser compreendida sob dois pontos de vista: o da igualdade material e o da igualdade formal. No que tange a igualdade material, deve ser dado tratamento equânime e uniformizado a todos os indivíduos, tendo como objetivo a equiparação dos cidadãos sob todos os aspectos, inclusive o jurídico. Já a igualdade formal, se refere à igualdade de todos perante a lei, preconizado pelo CF/88, não se esgota na aplicação uniforme da lei, atingindo inclusive o legislador, vedando a concessão de privilégios de qualquer categoria (Silva, 2003).

            Nos termos do parágrafo 5°, do art. 154-A do Código Penal:

§ 5° Aumenta-se a pena de um terço à metade se o crime for praticado contra:

I – Presidente da República, governadores e prefeitos;

II – Presidente do Supremo Tribunal Federal;

III – Presidente da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, de Assembléia Legislativa de Estado, da câmara Legislativa do Distrito Federal ou de Câmara Municipal;

IV – dirigente máximo de administração direta e indireta federal, estadual, municipal ou do Distrito Federal.

            O § 5° traz causas de aumento de pena para os casos em que a invasão de dispositivo informático ocorrer contra autoridades expressamente selecionadas pelo legislador. A tutela específica de maior gravame justifica-se por força dos cargos e funções públicas de alta relevância exercidos pelos agentes arrolados no § 5° em comento. (Capez, 2013)

3. CONCLUSÃO

            Como observamos, diante do acima exposto, o tratamento diferenciado dado à esses entes públicos encontra guarida e fundamento tanto no âmbito jurídico como doutrinário. De acordo com o Professor, Mestre em Direito Social e Especialista em Direito Penal e Criminologia Eduardo Cabette, essas pessoas gozam de especial proteção legal, que não se dá por injustificado privilégio pessoal, mas em razão do cargo ocupado e da relevância de suas atribuições, bem como, pela importância diferenciada dos informes sigilosos que detêm e podem envolver. Tudo isso porque envolvem, frequentemente, interesses que ultrapassam em muito a seara pessoal, para atingir o interesse público e o bem comum.

4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

_______, Lei n° 12.737, de 30 de novembro de 2012. Dispõe sobre a tipificação criminal de delitos informáticos; altera o Decreto-Lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de Nov. 2012.

CABETTE, E. L. O novo crime de invasão de dispositivo informático. Disponível em: HTTP://WWW.conjur.com.br/2013-fev-04/eduardo-cabette-crime-invasao-dispositivo-informatico>.Acesso em: 18 abr. 2014.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

NERY JUNIOR, Nelson. Princípios do Processo Civil na Constituição Federal. São Paulo: RT. 2000.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 9. ed. São Paulo: Malheiros, 1993.

SILVA, Marcelo Amaral da. Digressões acerca do princípio constitucional da igualdade. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n.66, 1 jun. 2003. Disponível em: <HTTP://jus.com.br/artigos/4143>. Acesso em: 18 abr. 2015.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria