No Brasil temos dois tipos de processo tributário: administrativo e judicial. O primeiro é um controle da Administração Pública sobre seus próprios atos. O segundo tem a função de resolver conflitos entre contribuinte e fisco.

1 – PROCESSO TRIBUTÁRIO

            No Brasil nós temos dois tipos de processo tributário, a saber: processo administrativo tributário, realizado perante as entidades administrativas de direito público e o processo judicial tributário, realizado na esfera da justiça. O primeiro é um controle da legalidade da Administração Pública sobre seus próprios atos. Muitos acreditam que seria um simples procedimento, já que Administração atua como parte interessada e juiz da ação, o que poderia prejudicar a imparcialidade. O segundo tem a função de resolver conflitos entre contribuintes e o fisco. O primeiro é regulado pelo Direito Administrativo enquanto o segundo está inserido no Direito Processual.

            O processo tributário se inicia sempre por provocação do contribuinte, e a Administração procede ao seu lançamento sem haver necessidade de comunicar ao judiciário. O sujeito passivo deve iniciar o controverso impugnando o lançamento na esfera administrativa ou ingressando com ação judicial. O lançamento deverá ser seguido pela ratificação, anulação, ou antecipação.

            As esferas administrativa e judiciária não devem ser totalmente separadas e independentes. Deve ser buscada uma harmonização entre elas. A esfera administrativa, por exemplo, deve buscar meios para adotar a imparcialidade, criado unidades autônomas e assegurando aos contribuintes o contraditório e a ampla defesa.

            O momento do lançamento é quando nasce a obrigação tributária, por isso o contribuinte que não estiver de acordo tem o prazo de trinta dias para realizar a impugnação, dando início ao processo administrativo tributário. Posteriormente, se for devido, pode haver a restituição do tributo. A Administração tem ainda a opção de realizar uma consulta, que deve seguir o rito do contraditório e a resposta pode ser objeto de recurso.

            No processo administrativo é importante a figura da Administração Judicante, que busca uma atuação semelhante ao poder judiciário, utilizando contraditório, ampla defesa entre outros. Na primeira instância, as impugnações e indeferimentos são decididos pelos próprios funcionários da fazenda, investidos na função de delegado ou auditor fiscal. Se houver divergência, a segunda estância será representada pelo Conselho de Contribuintes. Tal conselho tem estrutura partidária, com membros procedentes das classes produtoras ou da própria Administração.

            Até aqui, estudamos a figura da administração em uma posição passiva em relação ao processo administrativo tributário. Todavia, em alguns casos, o processo corre perante os órgãos da Administração Ativa. Isso ocorrerá quando a Administração não concordar com uma decisão do Conselho de Contribuintes. Aqui o secretário municipal ou estadual pode reformar a decisão do Conselho. Esse tipo de recurso está em desuso, e na esfera federal acabou substituído pelo recurso especial à Câmara Superior de Recursos Fiscais. “As decisões finais do Conselho de Contribuintes contrárias à evidência da prova ficariam sem reexame, eis que a Fazenda, ao contrário do contribuinte não pode recorrer ao Judiciário para anulá-las ”. (INSTITUTO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGNORELLI, 2008, p. 31).

            Quando a Administração é ativa, também ela resolverá os casos de consulta. O crédito tributário será definitivo quando o processo se extinguir e não houver mais possibilidades de recursos. Ao contribuinte, caso acredite ter sido injustiçado, ainda cabe a opção de reabrir o processo na esfera judicial, opção não existente para a Administração.

            Visto o processo administrativo tributário, estamos prontos para estudar o processo judicial tributário. Este pode ter natureza declaratória – que é a ação julgadora da existência ou não da relação jurídica tributária - constitutiva negativa - quando ocorre a anulação do débito fiscal – condenatória - que é a repetição do indébito e finalmente, mandamental - no mandado de segurança. O processo judicial não tem a natureza constitutiva. Sendo assim, qualquer que seja a decisão na esfera judiciária, cabe a Administração proceder à regularização.

            Os processos judiciais no Brasil seguem o princípio de dualidade de jurisdição. Na esfera federal são julgados em 1ª e 2ª instância e na esfera estadual, pela justiça estadual. Existem ainda, os recursos extraordinários e especiais de competência do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça.

            Para finalizar, será feita uma análise dos caminhos que podem ser seguidos no processo judicial:

  1. Ação declaratória: A ser impetrada pelo contribuinte, devendo ser proposta antes do lançamento do crédito tributário. Seu resultado pode ser negativo ou positivo em relação à existência ou não do crédito tributário.
  2. Ação anulatória de débito fiscal: Nesse caso, o lançamento administrativo já deve ter sido realizado, já que o objetivo da ação é anulação do débito tributário.
  3. Ação de consignação em pagamento de débito fiscal: Prevista no artigo 164 do CTN:

 “ Art. 164. A importância de crédito tributário pode ser consignada judicialmente pelo sujeito passivo, nos casos:

I - de recusa de recebimento, ou subordinação deste ao pagamento de outro tributo ou de penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória;

II - de subordinação do recebimento ao cumprimento de exigências administrativas sem fundamento legal;

III - de exigência, por mais de uma pessoa jurídica de direito público, de tributo idêntico sobre um mesmo fato gerador.

§ 1º A consignação só pode versar sobre o crédito que o consignante se propõe pagar.

§ 2º Julgada procedente a consignação, o pagamento se reputa efetuado e a importância consignada é convertida em renda; julgada improcedente a consignação no todo ou em parte, cobra-se o crédito acrescido de juros de mora, sem prejuízo das penalidades cabíveis.”

  1. Ação de repetição de indébito: Apesar do nome pomposo, esta ação nada mais é do que a restituição do pagamento de tributo indevido.
  2. Mandado de segurança: previsto no artigo quinto da Constituição Federal, o mandado também pode ser usado em questões tributárias, desde que não haja necessidade de produção de provas.
  3. Ação direta de inconstitucionalidade: a ser impetrada diretamente no Supremo pelas pessoas previstas no artigo 103 da Constituição.
  4. Ação declaratória de constitucionalidade: têm como objetivo aumentar a celeridade dos processos. Têm decisão vinculante, devendo ser proposta pelo Presidente da República ou pela mesa do Senado ou da Câmara.
  5. Ação civil pública: busca a proteção dos direitos difusos. Tem efeito erga omnes e ultra partes.
  6. Medida cautela fiscal: pode ser instaurada antes ou com a ação já em curso. Objetiva a garantia do pagamento do débito fiscal, decretando a indisponibilidade dos bens e direitos do sujeito passivo. Usada quando há indícios de possibilidade do não pagamento do débito fiscal.

Visto os dois tipos de processo tributário, administrativo e judicial, é bom ressaltar que eles não são totalmente independentes, e que é possível buscar uma solução no processo administrativo e caso o contribuinte se sinta injustiçado há sempre a possibilidade de recorrer ao poder judiciário.

           

2 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Constituição (1988) Constituição da República Federativa Nacional. Brasília: Senado, 1988. 168p.

______. Código Tributário Nacional.  Lei complementar nº 5172, de 25 de outubro de 1996. 11 ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 1458p.

INSTITUTO DE GESTÃO EDUCACIONAL SIGNORELLI. Obrigações Tributárias.  Rio de Janeiro: 2008. CD-ROM.


Autor

  • Danilo Botelho de Carvalho

    Formado em Administração pela PUC-MG, pós graduado em Administração Pública também pela PUC-MG e em Direito Tributário pela Faculdade Internacional Signorelli. Atualmente trabalha no setor de finanças do MPMG.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria