O artigo versa sobre as condições para pagamento das obrigações, bem como as situações que autorizam o vencimento antecipado do crédito.

O tempo do pagamento é um elemento intrínseco à satisfação da obrigação pelo devedor. O instante em que se deve pagar a dívida é de fundamental importância para caracterização de seu vencimento. 

O sistema jurídico pátrio adotou como regra o pagamento imediato das obrigações estabelecidas entre o credor e o devedor. Estamos diante do princípio da satisfação imediata da obrigação.

O que sempre se deve tolerar, até mesmo em razão do princípio da boa-fé objetiva e do affecttio contractus, é um prazo moral razoável para que o devedor tenha um tempo mínimo de se organizar e realizar os trâmites necessários para a concretização.

Nada impede, contudo, de as partes entabularem contratualmente um prazo ou condição para o adimplemento da obrigação no todo ou em parte. Vê-se, então, que um vencimento a prazo é um privilégio ao devedor, tendo o credor que respeitar tal data, sob pena de infringir o art. 939 do Código Civil[1].

Tema de muita relevância, porém de pouco conhecimento da maioria dos credores, é a possibilidade de terem os seus créditos vencidos de forma antecipada.

As situações estão consagradas no art. 333 do Código Civil Brasileiro de forma ali taxativa, o que não restringe outras legislações de tratarem o tema abrindo-se oportunidades para mais hipóteses, in verbis:

Art. 333. Ao credor assistirá o direito de cobrar a dívida antes de vencido o prazo estipulado no contrato ou marcado neste Código:

I - no caso de falência do devedor, ou de concurso de credores;

II - se os bens, hipotecados ou empenhados, forem penhorados em execução por outro credor;

III - se cessarem, ou se se tornarem insuficientes, as garantias do débito, fidejussórias, ou reais, e o devedor, intimado, se negar a reforçá-las.

Parágrafo único. Nos casos deste artigo, se houver, no débito, solidariedade passiva, não se reputará vencido quanto aos outros devedores solventes.

O escopo para inserção de tal dispositivo se dá na alteração das circunstâncias fáticas que envolveram o embrião do negócio firmado entre as partes. Caso o credor se veja diante de tais situações, assistirá a ele o direito de exigir a dívida para resguardar o seu direito.

O inciso I requer certa atenção, já que existe uma legislação específica que regulamenta a matéria. Conforme dispõe a Lei 11.101/05, em casos de falência, o credor deve habilitar seus créditos no juízo falimentar, respeitando, obviamente, a ordem de preferência dos credores.[2]

É importante esclarecer que o tema aqui abordado não se confunde com a quebra antecipada do contrato (antecipated breach of contract)[3]. Tal instituto, em apertada síntese, está intimamente ligado ao rompimento dos deveres satelitários de conduta, ou seja, se o devedor adotou conduta nitidamente contrária à obrigação assumida, poderá o credor quebrar de forma antecipada o pacto sem prejuízo de condenação em perdas e danos.

Consequentemente, depreende-se que quaisquer manifestações de vontade em oposição ao cumprimento da obrigação serão consideradas como contrárias à maneira como deve exprimir-se constantemente a vontade do devedor, revelando-se violadora do dever de correção que deverá nortear toda a relação obrigacional.

Diferente é o que estabelece o artigo supracitado por último, já que nas hipóteses legais não se exige uma participação direta do devedor para o não cumprimento obrigacional que se autorize a antecipação do vencimento, pois as circunstâncias fixadas na gênese contratual sofreram modificações independentemente de atuação do mesmo.


Notas

[1] Art. 939. O credor que demandar o devedor antes de vencida a dívida, fora dos casos em que a lei o permita, ficará obrigado a esperar o tempo que faltava para o vencimento, a descontar os juros correspondentes, embora estipulados, e a pagar as custas em dobro.

[2] Art. 83. A classificação dos créditos na falência obedece à seguinte ordem: I – os créditos derivados da legislação do trabalho, limitados a 150 (cento e cinqüenta) salários-mínimos por credor, e os decorrentes de acidentes de trabalho; II - créditos com garantia real até o limite do valor do bem gravado; III – créditos tributários, independentemente da sua natureza e tempo de constituição, excetuadas as multas tributárias; IV – créditos com privilégio especial, a saber: a) os previstos no art. 964 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002; b) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei; c) aqueles a cujos titulares a lei confira o direito de retenção sobre a coisa dada em garantia; d) aqueles em favor dos microempreendedores individuais e das microempresas e empresas de pequeno porte de que trata a Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006; V – créditos com privilégio geral, a saber: a) os previstos no art. 965 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002; b) os previstos no parágrafo único do art. 67 desta Lei; c) os assim definidos em outras leis civis e comerciais, salvo disposição contrária desta Lei; VI – créditos quirografários, a saber: a) aqueles não previstos nos demais incisos deste artigo; b) os saldos dos créditos não cobertos pelo produto da alienação dos bens vinculados ao seu pagamento; c) os saldos dos créditos derivados da legislação do trabalho que excederem o limite estabelecido no inciso I do caput deste artigo; VII – as multas contratuais e as penas pecuniárias por infração das leis penais ou administrativas, inclusive as multas tributárias; VIII – créditos subordinados, a saber: a) os assim previstos em lei ou em contrato; b) os créditos dos sócios e dos administradores sem vínculo empregatício.

[3] Art. 72 da Convenção de Viena sobre Compra e Venda Internacional de Mercadorias de 1980: (1) Se, antes da data do cumprimento do contrato, for manifesto que uma parte cometerá uma violação fundamental do contrato, a outra parte pode declarar a resolução deste. (2) Se dispuser do tempo necessário, a parte que pretender declarar a resolução do contrato deve notificar a outra parte, em condições razoáveis, para permitir a esta dar garantias suficientes da boa execução das suas obrigações. (3) As disposições do parágrafo anterior não se aplicam se a outra parte declarou que não executaria as suas obrigações.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria