Exclusão de IRPJ/PIS/COFINS e CSLL do valor recebido mediante o Regime Especial

A Zona Franca de Manaus (ZFM) é um modelo de desenvolvimento econômico implantado pelo governo para viabilizar a base econômica na Amazônia que promove a melhor integração produtiva dessa região ao País e compreende três polos econômicos: comercial, industrial e agropecuário. As indústrias que se instalam na esfera do Polo Industrial de Manaus (PIM) gozam de incentivos fiscais possibilitados mediante ação conjunta entre o Governo Federal e o Governo do Estado do Amazonas.

Dos incentivos Federais, estão à redução de 88% do Imposto de Importação (II) sobre os insumos destinados à industrialização ou proporcional ao valor agregado nacional quando se tratar de bens de informática, a isenção do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI), alíquota zero do Programa de Integração Social (PIS) e do Financiamento da Seguridade Social (COFINS) nas entradas e nas vendas internas entre indústrias e de 3,65% nas vendas de produtos acabados para o resto do país.

Ainda, há redução de 75% do Imposto sobre a Renda (IR) e Adicionais Não Restituíveis, exclusivamente para reinvestimentos; comum em toda Amazônia Legal. Como incentivo Estadual, um crédito estímulo entre 55% a 100% do Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Contudo, no ano de 2014 foi promulgada a Emenda Constitucional (EC) 83/2014 que prorrogou os benefícios da Zona Franca de Manaus por mais 50 anos, ou seja, até o ano 2073, conservando as suas características de área de livre comércio, de exportação, de importação e de incentivos fiscais.

Deve-se observar o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (REINTEGRA), criado por meio da Lei 12.546/2011, que beneficia as exportações feitas para a Zona Franca de Manaus quando mediante a aplicação de um percentual estabelecido pelo Poder Executivo sobre a receita decorrente da exportação, possibilitando a pessoa jurídica exportadora de apurar o resultado. Esse incentivo fiscal instituído para desonerar o exportador produtor de bens manufaturados a fim de estimular as exportações, vigorou entre os anos de 2012 e 2013.

Com a publicação da Ementa Constitucional n° 83 de 2014, o regime especial tornou-se permanente, dando ao exportador o direito a um crédito que varia de 0,1 a 0,3% do faturamento, dependendo do bem, podendo utilizar o valor apurado para efetuar compensação com débitos próprios, vencidos ou vincendos, relativos a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil ou solicitar seu ressarcimento em espécie.

Também, possibilita de forma excepcional, o acréscimo de até 2 pontos percentuais, em caso de exportação de bens de cadeia de produção com ocorrência de resíduo tributário que justifique a devolução adicional, comprovado por estudo ou levantamento realizado conforme critérios e parâmetros definidos em regulamento. Posteriormente, foi publicado o Decreto n° 8.415/2015, na Edição Extra do Diário Oficial da União de 27/02/2015, regulamentando a aplicação do REINTEGRA, trazendo o benefício que consiste na apuração do crédito mediante a aplicação do percentual de 3%, sobre a receita auferida com a exportação desses bens para o exterior.

O percentual supracitado será aplicado da seguinte forma: a) 1%, entre 1º.03.2015 e 31.12.2016; b) 2%, entre 1º.01.2017 e 31.12.2017; e c) 3%, entre 1º.01.2018 e 31.12.2018. Do crédito apurado, 17,84% serão devolvidos a título de PIS e 82,16% a título de COFINS, sendo que o valor do referido crédito não será computado na base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica – IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido – CSLL.

Além disto, foi regulamentado que o crédito relativo ao Reintegra somente poderá ser compensado com débitos próprios relativos a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), ou ressarcido em espécie, observando que a declaração de compensação ou o pedido de ressarcimento somente poderá ser efetuado depois do encerramento do trimestre-calendário em que houverem ocorrido a exportação e a averbação do embarque.

Uma vez que REINTEGRA tem por objetivo reintegrar totalmente os valores pagos a título de tributos (em especial o PIS e a COFINS), a  intenção do legislador não pode ser desvirtuada de forma a incluir na base de cálculo do PIS e da COFINS valores que, em última análise, decorrem da dispensa do pagamento das próprias contribuições ao PIS e COFINS, dentre outros tributos.

Com a instituição do Reintegra surgiram diversas discussões judiciais questionando se o valor apurado no Reintegra compõe a base de cálculo no regime de apuração não cumulativa do PIS e Cofins, bem como se esse valor integra a base de cálculo do IRPJ e da CSLL, sobre os valores decorrentes do REINTEGRA nos anos de 2012 e 2013, correspondente a um percentual sobre a receita de exportação (direta ou por empresa comercial exportadora com o fim específico de exportação) de bens manufaturados.

Portanto, a discussão judicial cabe apenas às empresas que tiveram o benefício do REINTEGRA entre 14/12/2011 até 31/12/2013, pois após a restituição do regime em 2014 pela Lei n° 13.043/2014, foi regulamentada a não incidência de PIS/COFINS/IRPJ/CSLL sobre a atividade de exportação nos termos do Decreto nº 8415/2015 - Art. 2º. A ação pode ser ajuizada por pessoa jurídica exportadora de produtos manufaturados ou empresa equiparada, optante pelo Lucro Real ou Presumido, beneficiária do REINTEGRA antes da publicação da Lei.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria