A partir de maio manter itens como maquiagem, esmaltes, sabonetes e cremes na lista de compras vai pesar mais. Isso porque o preço de vários produtos do setor de cosméticos terá aumento médio de 12,5% acima da inflação.

“O reequilíbrio fiscal e o cumprimento das metas serão a base de um novo ciclo de crescimento”. Essa foi a mensagem do Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na solenidade de transmissão de cargo, ocorrida dia 05/01/2015, no auditório do Banco Central do Brasil.

A partir desse momento várias medidas foram tomadas para o dito reequilíbrio fiscal. Assim, no dia 19/01/2015, o governo anunciou o aumento de tributos com impacto no setor de cosméticos, combustíveis, importados e no crédito, com expectativa de aumento na arrecadação de R$20,6 bilhões.

A partir desse mês, manter itens como maquiagem, esmaltes, sabonetes e cremes na lista de compras vai pesar ainda. Isso, porque o preço de vários produtos do setor de cosméticos terá aumento médio de 12,5% acima da inflação, de acordo com as estimativas apuradas pela Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

Com a entrada em vigor do Decreto nº. 8393/2015 os atacadistas serão equiparados aos industriais, ou seja, o IPI (Imposto sobre produtos industrializados) passa a incidir não apenas sobre a industrialização dos produtos, mas também sobre a distribuição.

Embora haja argumentos para sustentar a necessidade de tais medidas, estas são questionáveis. Com essa mudança, haverá um aumento nos preços para o consumidor gerando queda nas vendas e consequente redução nos investimentos das empresas. Além disso, cria-se uma vantagem para os produtos importados.

Veja-se que todo esse impacto foi ocasionado pela alteração na Tabela do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI). Esse imposto é de competência da União (art.153, IV, CF) possuindo forte interesse fiscal, uma vez que representa importante incremento no orçamento do Fisco. Paralelamente a essa importante função arrecadatória, que é ínsita, perfaz relevante função regulatória do mercado, uma vez que vem onera mais gravosamente artigos supérfluos e nocivos à saúde. Tal mecanismo de regulação se manifesta na busca da essencialidade do produto, variando a cobrança na razão inversa da necessidade do bem.

Os impostos regulatórios da economia (art.153, I, II, IV e V, CF) não estão submetidos aos princípios que regem o direito tributário, no que tange a alteração das alíquotas, objetivando com isso ofertar rápida resposta às situações anômalas que aparecem no cenário econômico do país. 

Esse tipo de imposto tem a missão de regular a economia em seus vários aspectos e como não se submete a alguns princípios tributários, possui um instrumento normativo célere e eficaz, sendo um poderoso instrumento para o Ministro Joaquim Levy e o seu discurso sobre “reequilíbrio fiscal”.

"Nos próximos quatro anos, nossa economia se transformará e essa transformação se dará com o menor sacrifício possível e maior resultado", disse Levy.  Diante das recentes alterações, além de economizar água e energia elétrica, vamos ter que economizar, também, o sabonete!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria