Trata-se de trabalho que visa expor as normas contidas no ordenamento que pretendem regular o debate entre liberdade de imprensa e informação e o direito à imagem e à honra.

   1. INTRODUÇÃO  

O trabalho a seguir tem como tema de fundo o caso, de julgamento recente no STF, das biografias não autorizadas e pretende expor e comentar de modo sucinto as normas constitucionais e infraconstitucionais que são pertinentes à questão e invocadas em debates e julgamentos deste tema. Trata-se do já conhecido embate entre princípios constitucionais que, em tese, não poderiam ser diminuídos, nem desconsiderados, no entanto, ao mesmo tempo, não encontram harmonia no tema em questão. Vale esclarecer que a palavra “atuação” presente no título deste trabalho refere-se, exatamente, à produção de normas com previsões legais para o assunto abordado.  

     2. NORMAS CONSTITUCIONAIS  

   A Constituição Federal de 1988 representou imenso avanço na proteção a direitos individuais da personalidade e, ao mesmo tempo, também trouxe ganho considerável de direitos no âmbito da liberdade de informação e expressão. A Assembleia Nacional Constituinte, convocada no ano de 1987, foi formada por Senadores e Deputados Federais, com a missão de elaborar um texto inovador, que atendesse aos anceios do novo momento político nacional, com a ruptura de 21 anos de governo ditatoria. Deste modo, no texto de 1988 viu-se consolidadas garantias de viés democrático que em determinados momentos, como o estudado neste trabalho, entram em conflito, exatamente por estabelecer ampla gama de direitos a setores sociais que, em determinado momento, se mostram conflitantes.

    Artigo 5º (...)

    “ IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;”

   O inciso IV do artigo 5º da Constituição Federal trás em sua essência o espírito da Constituição de 1988, expressa a livre manifestação do pensamento, independente da forma, isto é, falada, escrita, ou de qualquer outro modo, ressalvada, a necessidade de identificação, justamente para possíveis reparações de lesões a direitos individuais da personalidade.

“V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;”  

   Neste dispositivo constitucional, têm-se o primeiro indício de que, apesar de assegurados como indisponíveis, as garantias constitucionais não estão a salvo de sofrerem atentados. Deste modo, entende-se, a partir desde artigo da Constituição Federal, que existe a análise a posteriori de possível lesão à um direito garantido na Carta Magna.   

    “IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;”

   Este artigo da CF proclama a liberdade de expressão, invocada em diversos momentos no debate acerca da necessidade ou não de autorização prévia dos biografados para a livre publicação das biografias não autorizadas dos mesmos. Debate-se exatamente a respeito da necessidade de ajuste da liberdade estabelecida neste dispositivo e as demais referentes à personalidade.  

    “X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação; “

    Tem-se neste artigo X o claro embate estabelecido na questão estudada, o texto constitucional apregoa a defesa ampla à intimidade e honra dos indivíduos, desta forma, caberia aos mesmos a decisão de expôr a público algo referente a sua vida em âmbito particular. Deste modo, pode-se entender que qualquer informação divulgada acerca da vida particular do indivíduo deveria passar por sua prévia autorização, tal entendimento resolveria a questão das biografias não autorizadas, no entanto o conflito deste com outros artigos da carta maior resultam no embate descrito.

“XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;”     

   O disposito acima transcrito diz respeito ao âmbito da liberdade de informação, de forma a englobar os órgãos de mídia presentes no embate, dando a estes a possibilidade de divulgar fatos e ao seu interlocutor, o direito a ter acesso à tais informações.

    Artigo 220. “A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 1º - Nenhuma lei conterá dispositivo que possa constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social, observado o disposto no art. 5º, IV, V, X, XIII e XIV.

§ 2º - É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística.”

   

   Neste dispositivo, há referência, no § 1º, aos artigos supra mencionados, deste modo, pode-se entender uma espécie de regulamentação prevista pelo constituinte no possível conflito entre as normas em questão. Deste modo, percebe-se a exata tentativa de harmonizar a liberdade de imprensa e as garantias indivíduais, ambas presentes no texto da Carta Magna.  

    3. NORMAS PRESENTES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

    Neste tópico, serão apresentadas as normas infraconstitucionais encontradas no ordenamento e que, de alguma forma, dizem respeito à questão estudada neste trabalho.

    Art. 12. “Pode-se exigir que cesse a ameaça, ou a lesão, a direito da personalidade, e reclamar perdas e danos, sem prejuízo de outras sanções previstas em lei.

Parágrafo único. Em se tratando de morto, terá legitimação para requerer a medida prevista neste artigo o cônjuge sobrevivente, ou qualquer parente em linha reta, ou colateral até o quarto grau.”

Neste dispositivo do Código Civil Brasileiro, busca-se a defesa dos previstos Direitos da Personalidade, que são, justamente, o alvo do debate que envolve as normas derivadas da Constituição Federal, além de intimamente ligados à defesa da chama “Dignidade Humana”.  

Art. 20. “Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais.  

Parágrafo único. Em se tratando de morto ou de ausente, são partes legítimas para requerer essa proteção o cônjuge, os ascendentes ou os descendentes.”

O artigo do Código Civil acima transcrito apresenta encaixe perfeito ao embate apresentado neste estudo, visto que, as biografias não autorizadas têm, em regra, fins lucrativos. Deste modo, segundo a legislação vigente poderiam ser proibidas a pedido do biografado que se sentisse prejudicado pelos fatos expostos. No entanto, existe discussão acerca da proteção ao uso de imagem de pessoa famosa, com notoriedade e que gere a curiosidade da sociedade acerca de sua história, existem correntes que entendem que a pessoa pública, da mídia, teria tal direito reduzido em comparação ao indivíduo comum, dada sua constante exposição e a vinculação da vida íntima com a vida pública.  

“Art. 21. A vida privada da pessoa natural é inviolável, e o juiz, a requerimento do interessado, adotará as providências necessárias para impedir ou fazer cessar ato contrário a esta norma.”

   Por fim, apresenta-se o artigo 21 do Código Civil vigente, nele está regulamentada a atuação do judiciário na defesa do previsto no ordenamento acerca dos direitos da personalidade.  

4. CONCLUSÃO

   Em suma, conclui-se que, o conflito apresentado neste estudo acima envolve, de um lado o direito à liberdade de informação e expressão e, de outro, o direito à imagem, à honra e à vida privada, ambos previstos e defendidos no texto Constitucional e na legislação infraconstitucional. Entende-se, desta forma, que o conflito gerado pelo recente caso da biografias não autorizadas e a questão de censura prévia das obras ou posterior indenização se algum direito for lesado é de difícil decisão, alvo de estudos em diversos ramos do direito e tema de obras de juristas de renome, como Norberto Bobbio, existindo técnicas de julgamento de modo a harmonizar o conflito e, ao mesmo tempo, decidir as controvérsias.   

    5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

    

BRASIL. Código Civil (2002). Código Civil de 2002. Vade Mecum. 13. ed. atual. e ampl. São Paulo: Rideel, 2013.

______. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

DINIZ, Maria Helena. Código Civil Anotado. São Paulo: Saraiva, 2002

FIÚZA, Ricardo e outros. Novo Código Civil Comentado. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2002;



 



Informações sobre o texto

Trabalho elaborado para a disciplina de Direito Constitucional.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria