O presente texto visa resumir o entendimento publicado em 2013 sobre a isenção de ICMS para transportes rodoviário interestadual de carga no Estado de Minas Gerais.

Foi publicado no dia 17 de abril de 2013 o Decreto nº. 46.221/2013, onde o Governo do Estado de Minas Gerais isentou de pagamento o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação – I.C.M.S. dos serviços interestaduais de transporte rodoviário de cargas.

O artigo 3º do Decreto 46.221/2013 acresce o item 199 no Anexo I, Parte I do Regulamento do Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre prestação de Serviços de transportes interestadual, intermunicipal e de comunicação – RICMS/2002, ficando isento do ICMS: “Prestação interestadual de serviço de transporte rodoviário de cargas, iniciado no Estado, em que figure como tomador do serviço o estabelecimento de contribuinte inscrito e situado no Estado”. Isso significa que, onde pagaria 7% ou 12% dependendo do destino, agora terá o custo zero.

Com este Decreto, os serviços de transportes de carga, que tem origem no Estado de Minas Gerais para qualquer outro Estado, poderá ter o “benefício” caso o tomador do serviço de transporte seja contribuinte no Estado Minas Gerais.

Conforme descrito pelo advogado Marcelo Jabour, diretor da Lex Legis Consultoria Tributária: “Maior impacto haverá para o contribuinte mineiro com créditos acumulados de ICMS. Como ele não consegue usá-lo, com o benefício não vai aumentar seu saldo credor”.

A condição para o benefício seria o tomador do serviço estar na condição CIF (Cost, Insurance and Freight), ou seja, o tomador do serviço ser o remetente da mercadoria e estar devidamente inscrito no Estado de Minas Gerais

Desta forma, em caso de transporte rodoviário de cargas, em que o tomador do serviço seja o destinatário, situação FOB (Free On Board), mesmo que este seja inscrito no Estado de Minas Gerais, não será aplicada a nova isenção concedida pelo Decreto em contento, devendo ser apurado o imposto estadual de forma normal.

Vale ressaltar que a isenção deve ser aplicada independentemente da inscrição de origem do transportador, podendo este ser inscrito em outro Estado, sendo a condição aplicar apenas no tomador do serviço.

A isenção passou a vigorar no mesmo dia da publicação (17/04/2013), porém, no dia 26 de abril de 2013 foi publicado o Decreto de nº. 46.227/2013 prorrogando o prazo de início do vigor da isenção para o dia 01 de junho de 2013.

            Isso porque, as empresas de transporte de cargas verificaram que existiria no caso uma perda de receita, argumentando para tanto que o governo estaria publicando um Decreto “disfarçado de benefício”, mas que na verdade, estaria gerando um prejuízo para as empresas que apuram o imposto estadual pelo regime de crédito presumido no importe de 2,0% a 2,5%, e para as empresas que apuram pelo débito e crédito o prejuízo poderia chegar a 4,0%.

A isenção para serviço interestadual de transporte rodoviário de cargas passa a valer a partir do dia 01 de junho de 2013, devendo ser observado o artigo 2º do Decreto 46.227/2013, que descreve que no período do dia 18 de abril de 2013 até o dia 26 de abril de 2013, a isenção do ICMS ficou convalidada, não aceitando a devolução, a restituição ou a compensação de valores já recolhidos ou destacados pelo sujeito passivo, relativamente à prestação de serviços.

Conforme previsto no artigo 75, inciso XXIX da Parte Geral do RICMS/2002, os estabelecimentos prestadores de serviço de transporte rodoviário de cargas poderia fazer jus a um crédito equivalente a 20% (vinte por cento) sobre o valor do imposto devido na prestação, observando os itens ‘a’ e ‘b’ deste inciso.

No item ‘a’ descreve que o crédito presumido será aplicado pelo contribuinte, em substituição ao sistema normal de débito e crédito, vedada a utilização de quaisquer outros créditos.

E no item ‘b’ descreve que também terá o crédito presumido o prestador de serviço de transporte dispensado de inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS ou da escrituração fiscal apropriar-se-á do crédito previsto neste inciso no próprio documento de arrecadação.

A aplicação deste artigo, no caso do serviço interestadual de transporte rodoviário de cargas, cujo tomador do serviço seja o remetente da mercadoria devidamente inscrito no Estado de Minas Gerais, suspenderia o benefício do crédito presumido até 31 de dezembro de 2013, que é a data estipulada no Anexo I, Parte I, item 199 do RICMS/2002.

O Estado de Minas Gerais com a publicação deste Decreto afastou das empresas transportadoras de cargas rodoviárias o aproveitamento de crédito presumido na substituição tributária, e também retirou até 4% de receita o que, inevitavelmente irá onerar e muito as transportadoras.

Em resumo ao estudo, podemos concluir que mesmo se tratando de um “beneficio”, este será de aplicação obrigatória, tendo como requisito o transporte interestadual com o tomador remetente da mercadoria (CIF) devidamente inscrito no cadastro de contribuintes do Estado de Minas Gerais.

           


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria