Este texto tem o objetivo de lançar uma crítica diante da falta de coerência e de respeito dos partidos políticos, que vivem entre amores e rancores, de acordo com interesses próprios.

Como sabemos, no Brasil vivemos em um modelo de Democracia Representativa, no qual a sociedade delega a um representante o direito de representá-los e de tomar as decisões que melhor favoreçam os interesses da população. Entretanto, o que vemos na prática é uma grande incoerência dos Partidos Políticos, que vivem entre “Amores e Rancores”, de acordo com interesses que melhor lhes convém.

Basta se aproximar do período eleitoral para que vários partidos políticos comecem a barganhar apoios políticos em troca de favores pessoais, por exemplo, a indicação de nomes de aliados e de parentes para ocupar cargos em um determinado governo.

Partidos Políticos, que ora travam grandes batalhas com direito a sérias acusações de corrupção, revides, réplicas e tréplicas. E quem até pouco tempo “metralhava” uma determinada gestão, acaba esquecendo as diferenças para formar um palanque que tem o poder de unir “inimigos históricos”, em prol de uma candidatura que visa apenas interesses pessoais.

Partidos Políticos que demonizam, atacam e desqualificam práticas de outros partidos, mais tarde, “afagam” com gestos amistosos e até carinhosos, visando à construção de uma aliança política fadada ao fracasso, haja vista que tais alianças políticas não são construídas sobre uma base sólida que vise o bem estar da população, mas sim sobre a base da ganância, do poder pelo poder, e é exatamente por isso que tais alianças políticas acabam por desmoronar como um “castelo de areia”, enquanto isso, nós cidadãos ficamos presos a um "navio dos sonhos" prestes a afundar.

Nesse sentido, fica quase impossível o cidadão acreditar na classe política diante de tanta falta de coerência e, acima de tudo, falta de respeito com o eleitor. A prova disso está em uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas, divulgada em junho de 2015, em que revela o grau de confiança na classe política brasileira. Sendo assim temos: A proporção de pessoas pesquisadas que afirmaram confiar nos partidos políticos caiu de 7% (2014) para 5% (2015); no governo federal, de 29% para 19%; no Congresso Nacional, o índice permaneceu em 15%.

Diante dos números acimas citados, o que poderíamos esperar com tanto desrespeito e incoerência propagada pela classe política contra o cidadão?

Partidos Políticos que não movem uma palha sequer para ajudar a construir um Brasil melhor e mais seguro. Partidos Políticos que negociam cargos, que ostentam um gordo salário e ainda estão pouco se lixando para a opinião pública.

Para finalizar, deixo no ar uma reflexão:

Partidos Políticos, que vivem entre "Amores e Rancores", visando apenas interesses pessoais, merecem a confiança do eleitor?

Referências

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, que revela o grau de confiança do cidadão em partidos políticos – disponível no sítio eletrônico:http://www.ebc.com.br/noticias/2015/06/pesquisa-cai-confianca-no-judiciario-no-governoenos-partidos-políticos - Acessado em 29 de Junho de 2015.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

Livraria