Causas cíveis agora tem menos burocracia. Processos como o de Divórcio e de Inventário podem ter resolução em um pouquíssimo lapso temporal

O judiciário vem se modernizando e buscando caminhos para facilitar o seu acesso de maneira mais célere, econômica e prática. Apesar de receber duras criticas por sua morosidade, procedimentos como o de inventário e divórcio, passaram se a ser mais rápidos e econômicos, facilitando assim a vida de milhões de pessoas, por seu desígnio de cumprir o previsto na carta magna.

"Art. 5º...

LXXVIII a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.(grifo nosso)

O dever do judiciário é dirimir conflitos em prazo razoável. Não bastando que receba o litígio e garanta o direito de ação processual, deve garantir a justiça de forma mais rápida possível.

A justiça atrasada não é justiça; senão injustiça qualificada e manifesta.

Rui Barbosa

Há 8 anos, a Lei 11.441/07, designou a desburocratização dos procedimentos de divórcio e inventário. Passando a ser realizada por via administrativa.

Milhares de brasileiros se beneficiaram com essa mudança no CPC. A desjudicialização acelerou processos q antes levava meses e até anos. De acordo com a lei, quando todos forem capazes e concordes, podem fazer o inventário e a partilha por escritura pública, a qual constituirá título apto para o registro imobiliário.

Atualmente essas ações são realizadas nos tabelionatos de notas, resultando celeridade e segurança. Contudo, o empecilho encontra-se quando houver bens a partilhar, assim como filhos menores ou incapazes.

CF: Art. 236. Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado, por delegação do Poder Público.

Quanto ao inventário extrajudicial, o procedimento pode levar até 15 dias, mais 60 dias do prazo de pagamento do ITCMD (imposto de transmissão causa mortis e doação), ressalta-se que este procedimento enseja herdeiros maiores e capazes, assim como ter acordado quanto ao litigo e não haver testamento. Como determina:

“CPC (incluído pela lei 11.441/07)

Art. 983. O processo de inventário e partilha deve ser aberto dentro de 60 (sessenta) dias a contar da abertura da sucessão, ultimando-se nos 12 (doze) meses subseqüentes, podendo o juiz prorrogar tais prazos, de ofício ou a requerimento de parte.

Já o divórcio apresenta menos burocracia. Realiza-se no cartório de notas, bastando que as partes não tenham filhos, ou incapazes envolvidos e esteja na presença do seu advogado. Este preparará uma petição dos termos e condições da separação ou divórcio, deliberando a partilha de bens, pensão alimentícia (caso exista), regresso do nome de solteiro ou não, dentre outras. Acordado, o tabelião lavrará o ato, transformando-o em escritura pública. Em seguida averbará junto ao Cartório do Registro Civil, e se houver imóveis a partilhar também no cartório de Registro de Imóveis. Caso sejam hipossuficientes, as partes ficarão isentas de custas cartorárias.

Deste modo a desburocratização trouxe: celeridade, economia, dispensa de altos custos, assim como flexibilidade, pois é livre a escolha do tabelião de notas qualquer que seja o domicílio das partes ou o local de situação dos bens a eles pertencentes.

Destaca-se que esses serviços são prestados de modo eficiente e adequado. O notário valer-se-á da melhor técnica para atender as partes e atingir a eficiência.

Assim, os serviços extrajudiciais são seguros e, sendo muitas vezes, o melhor caminho a ser adotado, tendo em vista a rapidez e economicidade. Enquanto, as serventias extrajudiciais evidenciam contentamento por atingir o fim ansiado em um curto lapso de tempo.

Devido a isso muitos serviços que estavam no judiciário, estão sendo repassados para as serventias notariais e de registro. Como o exemplo da lei 11.441/2007, desafogando assim o judiciário.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria