Com o propósito de implantar, recuperar, manter e operar a BR-232 do Estado de Pernambuco, foi criado um projeto de Parceria público-privada, sobre o qual, algumas considerações serão tecidas a seguir.

A Lei 11.079 de 2005 que institui normas gerais para licitação e contratação de Parceria público-privada no âmbito da administração pública, conceitua PPP na modalidade administrativa em seu artigo 2º, §2º. Vejamos[1]:

Art. 2º Parceria público-privada é o contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa.

§ 2º Concessão administrativa é o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens.

 Para Di Pietro, concessão administrativa é[2]:

  “A concessão administrativa constitui-se em um misto de empreitada (por que o serviço, mesmo que prestado a terceiros, é remunerado pela própria Administração, como se deduz do artigo 2º, §3º) e de concessão de serviço público (por que o serviço prestado ou não a terceiros – os usuários – está sujeito a algumas normas da Lei nº8.987, sejam as relativas aos encargos e prerrogativas do poder concedente, sejam as relativas aos encargos do concessionário).

Temos, portanto, que o contrato de parceria público-privada, é um contrato administrativo, e como tal, deve obedecer as normas e princípios que regem a administração pública.

            Passando à análise do projeto da BR 232, estabelece a Lei 11.079/2005 em seu artigo 10, inciso IV que[3]:

Art. 10. A contratação de parceria público-privada será precedida de licitação na modalidade de concorrência, estando a abertura do processo licitatório condicionada a:

VI - submissão da minuta de edital e de contrato à consulta pública, mediante publicação na imprensa oficial, em jornais de grande circulação e por meio eletrônico, que deverá informar a justificativa para a contratação, a identificação do objeto, o prazo de duração do contrato, seu valor estimado, fixando-se prazo mínimo de 30 (trinta) dias para recebimento de sugestões, cujo termo dar-se-á pelo menos 7 (sete) dias antes da data prevista para a publicação do edital;  (grifos meus).

Com base no texto legal acima, seria necessário à submissão da minuta do edital e de contrato à consulta pública, ocorre que, a consulta foi marcada, mas não aconteceu, havendo assim desrespeito à norma especificada acima.

Ainda que assim não fosse, e aso tivesse havido a consulta, o prazo estabelecido seria de 07/10 a 05/11, ou seja, menos de trinta dias, havendo mais uma vez desrespeito a norma que regula a matéria.

 Preceitua o inciso II do artigo 10 da Lei 11.079 de 2005 que:

 II - elaboração de estimativa do impacto orçamentário-financeiro nos exercícios em que deva vigorar o contrato de parceria público-privada;

O contrato analisado estabeleceu um valor de R$ 495 milhões a serem pagos a empresa concessionária a título de contraprestação, e mensalidades de 9,6 milhões de reais mensais pelos 23 anos subsequentes, contudo, a Administração esqueceu de avaliar o impacto que tais “mensalidades” causaria no orçamento financeiro dos exercícios seguintes, pois o valor final estimado, seria de R$ 2,456 bilhões reais de impacto nos cofres públicos.

Agindo de tal maneira, desrespeitou a norma supramencionada e logo o princípio da legalidade.

Hely Lopes Meirelles[4], em sua obra Direito Administrativo Brasileiro, conceitua legalidade:

 “A legalidade, como principio de administração (CF, art. 37, caput), significa que o administrador público está, em toda a sua atividade funcional, sujeito aos mandamentos da lei e às exigências do bem comum, e deles não se pode afastar ou desviar, sob pena de praticar ato inválido e expor-se a responsabilidade disciplinar, civil e criminal, conforme o caso.”

            O principio da Legalidade legitima a atuação da Administração Pública àquilo que é permitido por lei, de acordo com os meios e formas que por ela estabelecidos e segundo os interesses públicos, pois na administração não cabe total autonomia de vontades, o Estado deve agir em conformidade com a lei, a fim de conferir garantia e segurança jurídica.

Como se não bastasse, quando houve o desrespeito à norma quanto à necessidade da submissão da minuta de edital e de contrato à consulta pública, houve também o desrespeito ao princípio da transparência e da publicidade.

            Conforme assevera Schiefler: 

 “A consulta pública é um instrumento de transparência e de participação que aponta para a democratização da administração pública. O problema, no entanto, é que quando o acesso ao projeto de PPP se dá só na consulta pública a possibilidade de participação e eventual remodelagem do projeto é muito menor, pois o projeto já está acabado e não em fase de formação. Assim, com o projeto pronto para ser lançado, se houver alguma alteração, será pequena. A questão é que a ampla publicidade e possibilidade de participação antes do fechamento de um projeto torna a PPP mais legítima sob o aspecto democrático, o que, inclusive, repercute positivamente para a segurança jurídica do contrato”[5]

Consoante o disposto verifica-se que consultar a população, ouvir aqueles que estão interessados é fundamental para uma proposta publica transparente.

Ainda segundo Schiefler[6], o Estado brasileiro adota a transparência como regra e o sigilo como exceção, ou seja, a publicidade é um princípio constitucional. A Constituição assegura ao cidadão o direito de acesso à informação pública e ao recebimento das informações.

Assim, a ausência de transparência e de ampla publicidade, ressalte-se, resulta em linhas gerais em licitações menos competitivas, podendo ocasionar prejuízos de grande monta para a administração pública, pois há enormes possibilidades de não haver escolha da proposta mais vantajosa ao poder público.

Portanto, é possível concluir que o projeto de implantação, recuperação, readequação, manutenção e operação da BR-232 apresenta sem dúvidas alguns pontos críticos, quais sejam vícios no elemento forma, desrespeitando os procedimentos e normas estabelecidas à matéria, bem como ferindo princípios basilares como legalidade e publicidade.

REFERÊNCIAS

COLETÂNIA DE LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA, Constituição Federal/Organização Odete Medauar; obra coletiva de autoria da Editora Revista dos Tribunais. -13. Ed.rev.,ampl. e atual. São Paulo. RT, 2003.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 21 ed. São Paulo: Atlas, 2008

MIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 30. Ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

FILHO, José dos Santos Carvalho. Manual de Direito Administrativo. 24ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

SCHIEFLER, Gustavo Falta transparência nas PPPs de Pernambuco. Disponível em http: <//m.jc.ne10.uol.com.br/canal/e conomia /pernambuco/noticia/2013/10/05/falta-transparencia-nas-ppps-de-pernambuco-100133.php>. Acesso em 27 de maio de 2015.


[1] Coletânia de Legislação Administrativa, Constituição Federal/Organização Odete Medauar;obra coletiva de autoria da Editora Revista dos Tribunais. -13. Ed.rev.,ampl. e atual. São Paulo. RT, 2003. p. 1210.

[2] DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 21 ed. São Paulo: Atlas, 2008. P 296.

[3] Coletânia de Legislação Administrativa, Constituição Federal/Organização Odete Medauar;obra coletiva de autoria da Editora Revista dos Tribunais. -13. Ed.rev.,ampl. e atual. São Paulo. RT, 2003. p. 1210.

[4] MIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 30. Ed. São Paulo: Malheiros, 2005.

[5] Falta transparência nas PPPs de Pernambuco. Disponível em http: <//m.jc.ne10.uol.com.br/canal/e conomia /pernambuco/noticia/2013/10/05/falta-transparencia-nas-ppps-de-pernambuco-100133.php>. Acesso em 27 de maio de 2015.

[6] SCHIEFLER, Gustavo Falta transparência nas PPPs de Pernambuco. Disponível em http: <//m.jc.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2013/10/05/falta-transparencia-nas-ppps-de-pernambuco-100133.php>. Acesso em 27 de maio de 2015.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria