Apontamentos sobre a obrigatoriedade da declaração de planejamento tributário, instituída pela MP nº 685/2015.

A Medida Provisória nº 685, de 21 de julho de 2015, instituiu a obrigação acessória de informar, à administração tributária federal, as operações e atos ou negócios jurídicos que acarretem supressão, redução ou diferimento de tributo, a qual veio disciplinada em seu artigo 7º.

Conforme exposição de motivos da referida MP, elaborada pelo Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, os principais objetivos da medida são instruir a administração tributária com informação tempestiva a respeito de planejamento tributário, conferir segurança jurídica à empresa que revela a operação, estimular postura mais cautelosa por parte dos jurisdicionados antes de fazer uso de planejamentos tributários agressivos e gerar economia de recursos públicos em litígios demorados e desnecessários.

Ainda segundo o Ministro, o Plano de Ação sobre Erosão da Base Tributária e Transferência de Lucros - Plano de Ação BEPS -, projeto desenvolvido na OCDE/G20, reconheceu, com base na experiência bem-sucedida de países como EUA, Portugal, Canadá, Reino Unido e outros, os benefícios das regras de revelação obrigatória a administrações tributárias.

A MP nº 685 também dispõe sobre o Programa de Redução de Litígios Tributários (PRORELIT ) e autoriza o Poder Executivo a realizar a atualização monetária de taxas relacionadas ao exercício do poder de polícia e a serviços públicos no âmbito federal, assuntos que, por ora, serão postos entre parênteses.

A norma nacional prevê a necessidade de informação, pelo sujeito passivo, à Secretaria da Receita Federal do Brasil, até 30 de setembro de cada ano, quando (I) os atos ou negócios jurídicos praticados não possuírem razões extratributárias relevantes; (II) a forma adotada não for usual, utilizar-se de negócio jurídico indireto ou contiver cláusula que desnature, ainda que parcialmente, os efeitos de um contrato típico; ou (III) tratar de atos ou negócios jurídicos específicos previstos em ato da Secretaria da Receita Federal do Brasil.

Exige-se, também, que o sujeito passivo apresente uma declaração para cada conjunto de operações executadas de forma interligada.

Não reconhecendo a administração tributária federal as operações declaradas, o sujeito passivo será intimado a recolher ou parcelar, no prazo de trinta dias, os tributos devidos acrescidos apenas de juros de mora. (art. 9º)

O art. 11, por sua vez, preconiza que a declaração será ineficaz quando (I) apresentada por quem não for o sujeito passivo das obrigações tributárias eventualmente resultantes das operações referentes aos atos ou negócios jurídicos declarados; (II) omissa em relação a dados essenciais para a compreensão do ato ou negócio jurídico; (III) contiver hipótese de falsidade material ou ideológica; e (IV) envolver interposição fraudulenta de pessoas.

O descumprimento do dever de declarar, ou a apresentação de declaração tida como ineficaz,  gera a imposição de sanções, corporificadas no art. 12, que aponta a presunção de omissão dolosa do sujeito passivo com intuito de sonegação ou fraude e a cobrança dos tributos devidos com acréscimo de juros de mora e multa de 150%, entrevista no § 1º, do art. 44, da Lei nº 9.430/96.

Pode-se dizer que os objetivos das declarações obrigatórias (Mandatory Disclosure Rules), de acordo com as orientações do BEPS, são (I) o recebimento de informações antecipadas, precisas e qualificadas, acerca de possíveis esquemas de evasão fiscal, a fim de informar estimativas de risco sobre um futuro litígio; (II) a identificação, de maneira oportuna, das tramas evasivas e das pessoas nelas envolvidas e (III)  a atuação dissuasiva no sentido de impedir a promoção de esquemas evasivos.

Assim, será possível separar as hipóteses de evasão, de elusão e de planejamento lícito.

Nota-se que o dever de declarar, trazido pelo art. 7º, da MP nº 685, impele à conformidade com a norma legal (compliance), concretizando, por parte do contribuinte, uma ação responsável, cuidadosa e pautada na boa-fé, visando ao distanciamento dos riscos tributários inerentes à sua atividade.

Por outro lado, o Fisco não pode, com base no permissivo normativo, utilizar as informações recebidas como ferramenta de tirania, coibição e cerceamento em face do contribuinte.

Observando-se a repercussão inicial a respeito da matéria, é esse o ponto que enceta polêmica.

Já há, no Congresso Nacional, pedido para que o dever de declaração seja derrubado. A emenda, de autoria do Deputado Federal Bruno Covas (PSDB/SP), alega que a MP viola o princípio constitucional do não confisco e afirma que a norma geral antielisiva (art. 116, parágrafo único, CTN) atribui, à autoridade administrativa, o poder-dever de desconsiderar atos ou negócios jurídicos visando a combater planejamentos tributários abusivos.

Deve-se, também, estar alerta para uma possível corrida ao Judiciário.

É que algumas das expressões modeladas no art. 7º - "razões extratributárias relevantes", "forma não usual", "contrato típico" - apresentam imprecisão e vaguidade em suas definições, o que pode gerar questionamentos quanto ao alcance de aplicabilidade da norma.

A aplicação da multa de 150% em decorrência da falta de declaração pode constituir nítida afronta ao princípio do não-confisco.

Constata-se nova controvérsia na leitura do art. 12, que afirma ser a falta de declaração indicativa de omissão dolosa do sujeito passivo com intuito de sonegação ou fraude. Aqui, a preocupação é relativa à garantia ao princípio constitucional da presunção de inocência na área tributária.

O uso de "fraude" admite a interpretação de imputação presumida de delito penal.

Portanto, motivos não faltam para que se refute a constitucionalidade do dispositivo em debate.

O que se vê é que a publicação da MP acabou indo de encontro à segurança jurídica, ressaltada, pelo Governo Federal, como objetivo de criação da norma.

Tem-se ventilado a possibilidade de abertura de consulta pública para a participação da sociedade na elaboração da regulamentação da Medida Provisória nº 685.

Observa-se, aí, ocasião oportuna para a apresentação de mudanças elaboradas com critério e justificativas fundamentadas, aptas a dirimir as imprecisões, as incertezas e aperfeiçoar o âmbito de aplicabilidade do novo texto.

Portanto, para reduzir o risco de litígios, urge que seja regulamentada a MP nº 685, tornando mais claros os seus mandamentos, a fim de que se justifique um controle mais vigoroso pela Administração Tributária, sem, contudo, alijar os direitos e garantias fundamentais a que faz jus o contribuinte.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria