Há muitas maneiras de se golpear o poder.

Como ensinou o pensador italiano Antonio Gramsci – no livro Cadernos do Cárcere, volume III, “Nicolau Maquiavel”, 2000 – há formas mais cruentas e outras mais sutis de golpear ou manipular o poder do Estado. Um desses tipos foi denominado de cesarismo e, mais precisamente, retrata o uso/extensivo de forças legais e ilegítimas de se conquistar o Poder Político. No passado, o general romano Caio Júlio César foi o grande mestre do “golpe político-militar”. No presente, pode bem ser o Poder Legislativo a serviço de forças anti-republicanas e fascistas.
Um cesarismo sem grande líder poderia ser o que se denominou, hodiernamente, por ditadura legislativa; uma ante-sala do golpe constitucional, em que os grupos de poder monopolizam o Poder Legislativo para acirrar a crise política que anula o Executivo. Como acentua Gramsci: “Pode ocorrer uma solução cesarista mesmo sem um César, sem uma grande personalidade ‘heróica’ e representativa. Também o sistema parlamentar criou um mecanismo para tais soluções de compromisso” (2000, p. 77).
Quando o Estado de Direito regressivo edita continuamente tipos penais de claro interesse no controle da diversidade social, é exemplo desse cesarismo constitucional: o grande capital procura estabelecer hegemonia institucional através da atividade legisferante; especialmente se o Executivo cria dificuldades, opondo-se por meio de políticas públicas de anseio popular.
 Há que se frisar que sempre se flerta com a solução militar para debelar a crise sistêmica, política e econômica, sob a bandeira da “intervenção militar” em suas várias roupagens. A intervenção de força extrema ocorreria no caso de falhar a manipulação legislativa sob o condão do Estado de Direito já repressivo. O apoio popular vem como resposta ao eco demagógico, populista, salvacionista que, por sua vez, fortalece o recrudescimento do fascismo na cultura popular (a “cristofobia” como crime hediondo, no Estado Penal, é típico). Portanto, o câmbio político, sob o cesarismo constitucional (ou bonapartismo soft) – sem condottieri estabelecido no ápice da força política golpista – apresenta várias formas de pressão/altercação sobre a força política que exerce o Poder Executivo: impeachment (golpe constitucional); renúncia; intervenção política civil ou militar.
 Sob esse prisma, observam-se quatro caminhos claros: I. Manipulação política das grandes massas não-esclarecidas (pela mídia); II. Dominação do aparato legislativo (controle do miolo constitucional para enfraquecer o Estado de Direito, com “pautas bomba”, e assim acirrar a crise institucional); III. Controle repressivo, com forte conotação policial do Estado de Direito para se manter a “lei e a ordem” do capital (“criminalização das relações sociais”); IV. Por fim, mas não menos importante, como reserva de poder para se manter o status quo, pode-se recorrer à intervenção civil (impeachment) ou militar (Golpe de Estado, quartelada).
 Este é o cenário político que temos no Brasil atual e qualquer uma dessas saídas pode ganhar fôlego se as forças anti-democráticas e contra a República (fascistas) não forem debeladas. Em qualquer dessas formas da tipologia política, o cesarismo equivale a um profundo retrocesso no processo civilizatório - no pouco que se construiu no país.
 


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1