Macro e micro poder.

O Estado corresponde ao Poder Político maiúsculo. O poder político, minúsculo, refere-se a formas políticas de organização, porém, não-organizadas na forma tradicionalmente apresentadas como estatais. Caciques e anciãos indígenas ilustram o que é poder político.
Além disso, os poderes políticos podem ser representados de diversos modos: um partido político é uma força política, todavia, só será um poder político efetivo se angariar forças para interferir no cenário global; sindicatos, ONGs (Organizações não-Governamentais), movimentos sociais também são forças políticas, mas vale a mesma regra que se atribuiu aos partidos políticos.
Sem manifestação inequívoca de poder, obviamente, não há poder político. O poder existe, de fato, quando é manifesto. Quando está latente, diz-se que há uma “potência de poder” ou que o poder é virtual.
 Igrejas ou religiosidades podem ser exemplos de poder político, quando no Congresso Nacional – na chamada Bancada da Bíblia – conseguem aprovar leis que interferem na vida coletiva.
Uma liderança individual pode aglutinar em seu entorno muito poder político e, neste caso, poderá tanto monopolizar o Poder Político (Estado) quanto minar o ocupante do cargo executivo.
A este indivíduo – especialmente se estiver dotado de discursos e de ações salvacionistas – atribui-se um poder quase imperial. E isto corresponde à alcunha de cesarista, pois empresta características político-militares que remontam ao general romano Caio Júlio César. Seguem-se aqui as lições do pensador italiano Antonio Gramsci – no livro Cadernos do Cárcere, volume III, “Nicolau Maquiavel”, 2000.
 É claro que nem mesmo Hitler – o mais cesarista de todos os condottieri (chefe político e militar) depois do próprio César – pode reinar sozinho. Robinson Crusoé, isolado na ilha paradisíaca, não tem poder algum. Ainda que possa negar o direito à vida, matando-se, o poder exige que se estabeleça uma relação social; logo, Crusoé não pode exercer poder sobre si mesmo.
O Füher (condutor) aliou as três condições expostas pelo sociólogo alemão Max Weber para manter sua opressão: dominação carismática (com o poder da revelação), racional-legal (legalizou o nazismo) e tradicional (impostando-se como continuador do Mito Ariano que vem desde Armínio ou Hermann: líder tribal germânico).
Pois bem, ao redor de todos os líderes cesaristas, formam-se estafes e grupos de poder que o auxiliam ou o empurram em direção a um sentido muitas vezes mais amplo e até distante do interesse original. O fato é que sempre estará em disputa o Poder Político.
 O deputado Eduardo Cunha (economista e evangélico neopentecostal) é um tipo específico de político cesarista. Evidentemente que almeja mais poder político para si e para as legendas que representa. Contudo, apesar de pessoalmente não ter carisma, articula-se com outros grupos de poder político que lhe dão base para agir contra o Poder Político.
Até 2015, Cunha era inexpressivo. Ganhou projeção com os ecos cesaristas que pretendem desconstituir os mandatários do Poder Executivo. Sob a análise de Antonio Gramsci, o deputado Eduardo Cunha é um político cesarista regressivo e repressivo. É hoje um baluarte dos que pretendem galvanizar o processo civilizatório – é óbvio que se opõe ao projeto da homofobia e da taxação sobre o grande capital.
Em suma, Cunha se alinha à pauta política que deslegitima direitos sociais, coletivos e difusos. Incita, por meio de proposituras legais, discursos de intolerância e de ódio: a “cristofobia”, como crime hediondo, prevê severas punições para quem não for cristão.
 Como ocorre em toda medida de exceção, o direito de César deslegitima o direito do povo. Ao se defender o direito de ser cristão, revoga-se o direito de não sê-lo: serão severamente punidos os ateus, agnósticos, pagãos e críticos da religião neopentecostal.
Se não bastasse tudo isso, por analogia, os praticantes do sincretismo religioso (religiões afro: Candomblé, Umbanda, Vodu etc) também serão caçados pelo Estado de Direito que deixou de ser laico – se é que foi um dia. Com isso, ainda se vê a forma medievalista assumida pelo cesarismo político brasileiro. Inelutavelmente, vivemos tristes tempos, de sombrio cesarismo nazi-fascista.
 


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0