O presente estudo propõe uma reflexão acerca da jurisprudência como fonte imediata do Direito, demonstrando a sua relevância contemporânea.

                                                                                                                                

                                      

RESUMO: O presente estudo propõe uma reflexão acerca da jurisprudência como fonte imediata do Direito, demonstrando a sua relevância contemporânea. Além disso, analisa a sua condição fundamental para aplicação dos dispositivos legais diante da realidade social e sua perspectiva como auxiliar a lei, no sentido de uma busca equilibrada da aplicação da justiça, diante da condição social e pós-moderna. Busca-se abordar a reestruturação pela qual passou a hermenêutica jurídica, demonstrando a nova aparência conferida à jurisprudência, possibilitando uma maior aproximação entre a lei e a justiça. Para a presente pesquisa foram coadunadas diversas obras de autores renomados dentro do âmbito jurídico, com o propósito de esclarecer os questionamentos referentes à temática abordada. Dessa forma, é obtido o reconhecimento da principalidade da lei frente à jurisprudência, todavia, afirmando também que somente o texto legal não é suficiente e que para a aplicação é imprescindível uma interpretação.

PALAVRAS-CHAVE: Fonte do direito. Jurisprudência. Hermenêutica. Aplicação.

INTRODUÇÃO

Este artigo tem como propósito destacar a importância da jurisprudência no sistema jurídico brasileiro, mencionando o robustecimento que essa fonte formal do direito tem adquirido na contemporaneidade.

 Sem embargo, para bem entender a influência da jurisprudência vigente, se faz necessário tecer breves comentários acerca do contexto histórico referente a esta fonte. Pode-se afirmar que o grau de ingerência que a jurisprudência possui é bastante fortuito, pois depende da tradição do país. A exemplo disso, podemos mencionar os países de tradição romano-germânica que consideram a lei como única fonte formal imediata, utilizando então o Civil Law como estrutura jurídica. Faz-se necessário mencionar que este sistema jurídico está ligado intrinsecamente às normas, ou seja, a lei propriamente dita. Dessa forma, a jurisprudência possuiria um caráter não vinculante.

Todavia, há países que adotaram ao sistema do Common Law que utilizam a jurisprudência como fonte principal. Portanto, a norma escrita não seria a única fonte dessa estrutura. Nesse sistema, as interpretações do juiz possuem um caráter decisório no âmbito jurídico.

Feitos estes esclarecimentos essenciais para o embasamento do trabalho, entramos no ponto cerne da questão, quais sejam, a função do juiz correlacionada à hermenêutica desenvolvendo um papel imperioso juntamente com a lei.

METODOLOGIA

Este trabalho caracteriza-se pelo levantamento bibliográfico para realizar uma descrição minuciosa e ao mesmo tempo abrangente do tema. Dessa forma, foi feita uma análise das obras de alguns juristas e doutrinadores renomados no âmbito jurídico que apoiam a temática abordada e também de alguns que se opõem. Estas obras foram imprescindíveis para a realização do presente estudo, pois este é fruto de uma analise critica de obras indispensáveis para o estudo do direito.

Posteriormente, as ideias que foram extraídas, passaram a ser comparadas e organizadas, tendo como objetivo facilitar o entendimento do leitor em relação ao que está sendo abordado no trabalho.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A jurisprudência como bem afirmou Paulo Nader (1988,p.206), “é a coletânea de decisões proferidas pelos juízes e tribunais sobre uma determinada matéria jurídica.”  Essa coletânea de decisões pode-se considerar como fonte do direito, principalmente no tocante da sua incidência juntamente com a lei. Do etimológico “Jus” (direito); “prudens” (prudente); “jurisprudente” (sábio do direito), ela igualmente como fonte, surge no momento em que o direito se emerge na sociedade. Como afirmou o ilustre jurista Miguel Reale (1996, p.140):

 Se uma regra é no fundo, a sua interpretação, isto é, aquilo que se diz ser o seu significado, não há como negar à Jurisprudência a categoria de fonte do Direito, visto como ao juiz é dado amar de obrigatoriedade aquilo que declara ser ”de direito” no caso concreto. O magistrado em suma interpreta a norma legal situada numa “estrutura de poder”, que lhe confere competência para converter em sentença, que é uma norma particular, o seu entendimento da lei.

Assim, desde o Direito Romano, através do jurista Ulpiano, que concebia a jurisprudência, através do Digesto {Ulp. 1 reg.. D.l, 1, 10, 2), como: “Iuris prudentia est divinarum atque humanarum rerum notitia, iusti atque iniusti scientia - a jurisprudência é o conhecimento das coisas divinas e humanas, a ciência do justo e do injusto”. Dessa forma, torna-se perceptível que a jurisprudência faz com que seja aplicada a lei segundo os critérios de justiça.

O fortalecimento da concepção de que a jurisprudência é uma fonte direta e imediata ocorre quando o sistema jurídico brasileiro se aproxima do paradigma do Common law. Pois, apesar do Brasil seguir eminentemente o sistema Civil Law desde sua colonização em 1500, o mesmo recebe influências do Common Law.

               Portanto, o poder judiciário sente-se mais “independente” ao se tratar do conteúdo da lei. Como afirmou Leonardo Moreira Lima (1994, p.14) a decisão judicial presente nessa estrutura jurídica "assume a função não só de dirimir uma controvérsia, mas também a de estabelecer um precedente, com força vinculante, de modo a assegurar que, no futuro, um caso análogo venha a ser decidido da mesma forma".

 A jurisprudência contemporaneamente não é tão limitada como era, por exemplo, no ano de 1804 quando O Código Napoleônico atribuía ao juiz apenas a função de “boca da lei” sem que houvesse interpretações do conteúdo da lei. Esta concepção também é abordada na teoria pura do direito de Kelsen (2003.p.392) no qual defende que a lei deve ter a aplicação direta.

Em oposição a isso, Pacchioni, Spota, Hauriou e Cornil entendem a jurisprudência como verdadeira fonte do direito, pois, não acreditam que a lei em si é suficiente, devendo, portanto, haver interpretações que possam garantir a eficácia dela.

               A importância da jurisprudência torna-se bastante evidente nos casos de litígios que não possuem uma norma clara que o defina. Dessa forma, uma decisão judicial deverá ser formulada em função do bem comum. É importante mencionar que as interpretações feitas pelo poder judiciário devem respeitar as garantias constitucionais da legislação. A jurisdição jamais deve entrar em conflito com a lei, pelo contrário, essa deve extrair do conteúdo um conceito que represente uma ligação entre a própria lei e a justiça. Como afirmou Maximiliano (1995, p.69):

[A jurisprudência] preenche as lacunas, com o auxílio da analogia e dos princípios gerais. É um verdadeiro suplemento de legislação, enquanto serve para a integrar nos limites estabelecidos; instrumento importantíssimo e autorizado da Hermenêutica, traduz o modo de entender e de aplicar os textos em determinada época e lugar; constitui assim uma espécie de uso legislativo, base de Direito Consuetudinário, portanto. O sistema jurídico desenvolve-se externamente por meio da lei, e internamente pela secreção de novas regras, produto da exegese judicial das disposições em vigor.

Todavia, nosso direito, quando relacionado à jurisprudência apresenta um caráter contemporâneo e evolutivo. Pois, este vem passando por transformações e ganhando forças, sendo não mais visto apenas como uma fonte formal secundária/mediata, mas como um complemento a lei, um instrumento de adaptação das normas, adequando o conteúdo da lei a realidade. Tendo um único foco, buscar de fato o que é mais relevante para a sociedade. Calamandrei (2000, p. 11) afirma que  “o juiz é o direito feito homem. Só desse homem posso esperar, na vida prática, aquela tutela que em abstrato a lei me promete”.

              Aliás, segundo Washington de Barros (2012.p.47) “O homem caminha segundo sua fantasia e a lei claudica; o homem reclama e a lei é surda. É a jurisprudência que forçosamente segue o homem e o escuta sempre”.  Em vista disso, torna-se irrefutável o papel da jurisprudência como fonte formal do direito.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O propósito principal deste trabalho foi analisar de forma sucinta a jurisprudência como fonte do direito.  Nesse sentido, apresentar a importância desta fonte para a construção do sistema jurídico no nosso país e o quanto é essencial para a aplicação da legislação.

Contudo, é inegável o reconhecimento da principalidade da lei frente à jurisprudência, todavia, é também necessário afirmar que a lei não é suficiente para realizar uma aplicação, tornando imprescindível uma interpretação. E é o juiz, como “destinatário da lei” que fará uma interpretação do texto contido na norma e o adaptará, com o intuito de facilitar o cumprimento do que outrora foi estabelecido. 

Destarte, conclui-se que a eficácia da jurisdição pode servir como importante meio para a construção de uma sociedade igualitária, mormente buscando a harmonia da sociedade e representando, ademais, a busca pelo verdadeiro ideal de justiça.

           

 REFERÊNCIAS

CALAMANDREI, Piero. Eles, os juízes, vistos por um advogado. Tradução de Paolo Barile. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ENNECCERUS, Ludwig; O Juiz, o Advogado e a Formação do Direito Através da Jurisprudência. Tradução de Jorge Trindade. Porto Alegre: Antônio Fabris, 1985.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 6. ed.. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LIMA, Leonardo D. Moreira. Stare Decisis e Súmula Vinculante: um estudo comparado. Revista Direito, Estado e sociedade, [PUCRIO], Rio de Janeiro, n. 14,1999.

MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e Aplicação do Direito. 15.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1995

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil - Vol. 1 - Parte Geral - 44 Ed. 2012

NADER, Paulo. Introdução ao estudo do direito. 5°. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1988.

NETTO, Ernesto. A influência da Jurisprudência no direito brasileiro. 2011. Disponível em <http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/5872/A-influencia-da-jurisprudencia-no-direito-brasileiro-Parte-II.> Acesso em 20/10/215

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

_____________ Estudos de Filosofia e Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1978.

_____________Lições preliminares do direito. 21°. ed. Ed. Saraiva,1994.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria