Os alimentos gravídicos são aqueles em que a gestante pode pedir ao suposto pai antes mesmo do nascimento do nascituro. Tem a finalidade de auxilio na gestação, assistência médica e psicológica, exames, internações entre outros. A intenção é de proteger.

Os alimentos gravídicos são aqueles em que a gestante pode pedir ao suposto pai antes mesmo do nascimento do nascituro. Tem a finalidade de auxilio na gestação, assistência médica e psicológica, exames, internações entre outros.  A intenção é de proteger a saúde da gestante e do nascituro.

O artigo 2º da lei 10.406 de 2002, Código Civil brasileiro, traz os direitos do nascituro, os direitos são assegurados desde sua concepção,  vale citar o conceito da professora Maria Helena Diniz:  “Nascituro é aquele que há de nascer, cujos direito a Lei põe a salvo; aquele que, estando concebido, ainda não nasceu e que, na vida intra-uterina, tem personalidade jurídica formal, no que atina aos direito da  personalidade, passando a ter personalidade jurídica material, alcançando os direito patrimoniais; que pertenciam em estado potencial, somente com o nascimento com vida”.

Neste caso não resta dúvidas da necessidade de proteção jurídica ao nascituro, dai então a importância do tema tratado na Lei 11.804 de 2008, que já no seu artigo 2ª deixa claro o destino desses alimentos: “Os alimentos de que trata esta Lei compreenderão os valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela decorrentes, da concepção ao parto, inclusive as referentes a alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto, medicamento e demais prescrições preventivas e terapêuticas, a juízo do médico, além de outras que o juiz considere pertinentes.”

Ficando claro a necessidade e o direito da gestante e do nascituro, um dos pontos mais complicados para se pleitear esses alimentos, são as provas de paternidade, como não há a possibilidade de nenhum exame clinico permitido pelo nosso ordenamento jurídico no caso em questão, cabe a gestante provar indícios da paternidade para requerer o cumprimento de tal obrigação, como exemplos mensagens eletrônicas, documentos e até testemunhas, os quais possa conduzir o Juiz a um entendimento de que seja real a paternidade.

O fim dos alimentos gravídicos. Engana-se quem acha que esses alimentos terminam com o nascimento, o art. 6º parágrafo único  da Lei 11.804/2008 diz que os alimentos após o nascimento com vida do nascituro são convertidos em pensão alimentícia em favor do menor, até que uma das partes solicite a sua revisão.

Por fim verifica-se que os alimentos gravídicos vieram para assegurar as mulheres grávidas uma gestação saudável, e ao nascituro um desenvolvimento sadio e para que isso ocorra é necessário um auxilio financeiro. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso