Crimes. Patrimônio. Fé Pública.

  1. FALSIDADE DE ATESTADO MÉDICO- ARTIGO 302, DO CÓDIGO PENAL

Art. 302- Falsidade de atestado médico

Dar o médico, no exercício da sua profissão, atestado falso:

Pena - detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano.”

O médico é o principal prejudicado neste crime contra a fé pública, somente ele emite atestado falso, e o Estado secundariamente.

 O objeto jurídico deste crime segundo o doutrinador Guilherme de Souza Nucci: ''É a fé pública. Trata-se da confiança estabelecida pela sociedade em certos símbolos ou signos, que, com o decurso do tempo, ganham determinada significação, muitas das vezes impostas pelo Estado''.

O que pode ser observado neste crime é a perda da confiança da sociedade no atestado médico, usado para burlar a fé pública e utilizado em benefício do fraudador e de um terceiro que possa utilizá-lo de má-fé.

Se o médico der um atestado de aptidão a outrem, mesmo falso, não é configurado o crime, de acordo com Nucci: ''Este atestado deve versar, segundo doutrina majoritária, sobre fato relevante (constatação de enfermidade, por exemplo), e não sobre opinião ou prognóstico do profissional''.

Para o doutrinador Mirabete ''o dolo é a vontade de fornecer atestado falso, exigindo-se, evidentemente, a ciência por parte do agente de que o teor do documento não correspondente à verdade''. Incorre em crime tanto o agente que faz uso dos documentos falsificados ou alterados, como aquele que emitiu tal documento.

O funcionário que emitiu falsamente o documento responde pelo crime de falsidade de atestado médico e, aquele que o usar, responderá pelo uso de documento falso.

2. USO DE DOCUMENTO FALSO- ARTIGO 304, DO CÓDIGO PENAL

Art. 304- Uso de documento falso

Pena – Cominada à falsificação ou à alteração (até 2 anos)”

Qualquer pessoa pode cometer este crime. A conduta é simplesmente fazer uso de documento falso.

Nos dizeres de Nucci: ''exige-se que a utilização seja feita como se o documento fosse autêntico, além do que a situação envolvida há de ser juridicamente relevante''.

Este delito consiste em utilizar documento falso como se fosse verdadeiro, e para a caracterização do delito, é indispensável o uso efetivo do documento falso. De acordo com o doutrinador Hungria: ''é com o uso que o documento falso vai exercer a função maléfica a que é destinado, devendo o usuário ser submetido à mesma pena que o falsificador''.

Guilherme de Souza Nucci: ''A dúvida fundada do agente quanto à falsidade pode elidir o crime, pois, em tese, afasta o dolo, que deve ser abrangente, isto é, envolver todos os elementos objetivos do tipo'',

Estes elementos objetivos do qual o doutrinador supracitado se refere são o uso do documento falso como se este fosse legal, relevante juridicamente. O que realmente importa é o dolo do agente. O Estado também sofre prejuízo de forma secundária.

O crime está consumado no instante em que o documento falso entra no domínio da pessoa iludida, desde que se caracterize como uso.

3. FALSA IDENTIDADE- ARTIGO 307, DO CÓDIGO PENAL

Art. 307- Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave.

Este tipo de crime atinge a fé pública e consiste em qualquer pessoa se fazer passar por outra existente ou inexistente, para proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem. Assim existe a perda da fé pública, Nucci elenca que ''sem a fé pública não se poderia desenvolver a contento os negócios jurídicos em geral (cf”. MUÑOZ CONDE, derecho penal - parte especial, p.670)”.

O importante para a realização do delito é atribuir à pessoa uma característica falsa, o agente deve convencer, induzir o outro através de palavras ou circunstâncias que a induzem sem percepção do enganado. 

Para Mirabete ''constitui o ilícito uma espécie de falsidade pessoal, visando o engano a pessoa na sua identidade, inculcando-a como outra para induzir em erro a autoridade ou um número indeterminado de pessoas''.

4. FRAUDES EM CERTAME DE INTERESSE PÚBLICA- ARTIGO 311, DO CÓDIGO PENAL

Art. 311-A. Utilizar ou divulgar, indevidamente, com o fim de beneficiar a si ou a outrem, ou de comprometer a credibilidade do certame, conteúdo sigiloso de:

I - concurso público;

II - avaliação ou exame públicos;

III - processo seletivo para ingresso no ensino superior; ou

IV - exame ou processo seletivo previstos em lei:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 1º Nas mesmas penas incorre quem permite ou facilita, por qualquer meio, o acesso de pessoas não autorizadas às informações mencionadas no caput.

§ 2º Se da ação ou omissão resulta dano à administração pública:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa.

§ 3º Aumenta-se a pena de 1/3 (um terço) se o fato é cometido por funcionário público.

São as fraudes em concursos públicos, vestibulares e outros certames de interesse público, e qualquer pessoa pode cometer este delito que retira a fé pública.

 O objeto deste crime é o conteúdo sigiloso do certame. Nucci: ''O crime se dá quando o detentor do conteúdo sigiloso do certame permite ou facilita que terceiros, não autorizados, tenham acesso a tais informações''.

 O que determina este crime é o ânimo de fraudar, segundo o doutrinador Mirabete: ‘‘o dolo no tipo em exame é a vontade do agente de utilizar ou divulgar o conteúdo sigiloso, com ciência de que o faz indevidamente”.

Bibliografia

NUCCI, Guilherme de Souza, Manual de Direito Penal- 10ª Edição, São Paulo, editora Forense

MIRABETE, Julio Fabbrini, Manual de Direito Penal, 28ª Edição, São Paulo, editora Atlas S.A.- 2014.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0