No ano de 1992, no Chile, entidades de defesa das mulheres promoveram um seminário a partir do qual houve a iniciativa de implantar no Brasil um projeto que já fazia certo sucesso em alguns países latino-americanos.

No ano de 1992, no Chile, entidades de defesa das mulheres promoveram um seminário a partir do qual houve a iniciativa de implantar no Brasil um projeto que já fazia certo sucesso em alguns países latino-americanos. Ele tomou o nome de Promotoras Legais Populares e sua criação teve como objetivo a capacitação de mulheres voluntárias para a identificação de casos de violência de gênero, assim como para a adoção de medidas de orientação e de socorro às vítimas e a divulgação dos meios jurídicos voltados para o enfrentamento do problema.

O desenvolvimento do projeto em nosso país deveu-se a uma ação conjunta da União de Mulheres de S. Paulo, do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública e do Movimento do Ministério Público Democrático.
Dessa maneira organizaram-se cursos de treinamento e se procedeu à formação de grupos de mulheres que se dispusessem a se dedicar a essa atividade. A opção por envolver apenas mulheres atendeu ao objetivo de tornar mais leve e fácil o diálogo com as possíveis vítimas.

Os maiores desafios das Promotoras Legais Populares são as manifestações para reivindicar direitos e a luta para implementação de políticas públicas, em prol das mulheres.

Esse relevante trabalho tem ajudado as mulheres a retomarem suas vidas, conhecerem seus direitos e serem um agente de transformação contra toda forma de violência, assegurando as garantias dispostas na lei.

Associado ao projeto Promotoras Legais Populares, uma outra face do enfrentamento à violência de gênero contra a mulher, agora uma dádiva da tecnologia, é o programa eletrônico conhecido como aplicativo PLP 2.0. Trata-se de uma ferramenta que pode ser instalada em aparelho do tipo smartphone dotado de sistema Android, que se conecta a uma rede de pessoas escolhidas, além de entidades privadas e públicas, que possam prestar imediato socorro à vítima da violência. A criação do programa ocorreu durante o lançamento do projeto A Tecnologia a Serviço do Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, realizado em 2014 no Fórum Criminal da Barra Funda, em S. Paulo.

O programa aciona diretamente as redes de atendimento e grava áudio e vídeo pelo celular, para produzir provas contra o agressor e oferecer respostas rápidas às vítimas. Esta é a primeira fase do aplicativo PLP 2.0  que é um instrumento para socorrer quaisquer mulheres em situação de violência doméstica, familiar ou sexual. Ele está integrado a uma rede de suporte que cadastra até cinco pessoas de confiança, que podem atender a usuária caso o dispositivo seja disparado. O aparelho no qual o aplicativo está instalado, ao ser agitado, dispara um alarme e envia um SMS para pessoas que estejam cadastradas para prestar auxílio à vítima. Em um período de três anos, o programa permitirá que um milhão de mulheres tenham acesso às medidas de proteção pessoal, previstas na Lei Maria da Penha, com esperada redução de homicídios femininos no Brasil.

O importante, em suma, é lutar pelo empoderamento feminino, visando a uma mudança de comportamento em nossa sociedade, que gradativamente elimine a dominação histórica do homem sobre a mulher – que, no fundo, está associada a uma dominação de classe -, a fim de que esta tenha sua autonomia, dignidade e direitos preservados.

É inaceitável toda e qualquer forma de discriminação e violência e estas devem, por todos os meios lícitos, organizacionais e tecnológicos, ser incansavelmente combatidas!!


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso