O CDC frisou essa distinção entre vício oculto ou defeito aparente, pois não se espera que um produto relativamente novo ou ainda mesmo que já usado por um certo tempo, apresente defeitos.

Conforme preceitua o artigo 26 do Código de Defesa do Consumidor - CDC, quando constatado um defeito aparente no produto ou serviço adquirido, o prazo para reclamação é de 30 dias para produtos não duráveis - podendo tratar-se de alimentos, produtos de higiene, entre outros - e 90 dias para os produtos duráveis – sendo estes: móveis, eletrodomésticos, automóveis, etc. -, contados a partir da data da entrega efetiva do produto ou serviço ao consumidor.

Entretanto, para os casos de vícios ocultos no produto, os prazos para reclamação serão os mesmos que os supracitados, porém, a distinção ocorrerá no momento em que, estes prazos começam a contar. Diferentemente dos defeitos aparentes, nos vícios ocultos a própria Lei estipula que os prazos são contados a partir do momento em que o defeito é detectado pelo consumidor.

O CDC frisou essa distinção entre vício oculto ou defeito aparente, pois não se espera que um produto relativamente novo ou ainda mesmo que já usado por um certo tempo, apresente defeitos.

Vale ressaltar que, o consumidor deve considerar o tempo médio de vida útil de um produto. Senão, veja-se:

Um celular ou tablet - não é admissível, que esses tipos de produtos tenham vida útil de apenas 1 ano e, após esse curto período de uso, apresentem defeitos, mesmo sendo este, o prazo de garantia dado pelo fornecedor.

Nesse sentido, com fulcro no artigo 18 do CDC, quando um produto adquirido pelo consumidor apresentar defeito, este poderá reclamar, tanto ao fabricante quanto à loja onde comprou a mercadoria, ou seja, o que for mais conveniente ao consumidor, haja vista, a responsabilidade solidária entre eles.

Cumpre salientar que, caso o problema apresentado pelo produto seja caracterizado como vício oculto, o consumidor pode e deve reclamar, exigindo ao fornecedor que sane o vício sem qualquer custo adicional ao consumidor.

Contudo, o fornecedor responde pelos vícios ocultos decorrentes da própria fabricação, mas não se responsabiliza pelo desgaste natural provocado pela utilização contínua do produto.

Isto posto, conclui-se que, faz-se necessário atentar ao prazo para manifestação da reclamação. Caso o consumidor não apresente sua reclamação dentro dos prazos dispostos no CDC, consequentemente, perderá seu direito.

Consumidor, exija seus direitos!


Autor

  • Roberta Lídice

    Conferencista, Advogada e Consultora Jurídica. Autora e coautora de livros e artigos jurídicos e sociais.

    Doutoranda em Estudos Interdisciplinares de Gênero e Políticas de Igualdade pela Universidad de Salamanca (USAL) – Espanha.

    Roberta Lídice Consultoria Jurídica, Pesquisa e Desenvolvimento | Research and Development/Investigación y Desarrollo

    Info: https://robertalidiceconsultoria.com

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

2

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso
  • 1

    Gabriel Marques

    Ótima publicação Dra!!! Nos casos dos vícios ocultos no produto aplica-se o princípio da actio nata, por ele orienta-se que a decadência dos prazos previstos no CDC inicia-se com o conhecimento da lesão, momento no qual nasce a pretensão para o seu titular. Lembrando que a garantia contratual é complementar à legal, e esta não correrá na constância daquela.