Breve análise sobre como se dá o procedimento de impeachment.

O impeachment é um processo instaurado com base em denúncia de crime de responsabilidade contra alta autoridade do Poder Executivo.

Este processo pode ser iniciado com a denúncia promovida por qualquer cidadão à Câmara dos Deputados sobre o cometimento de crime de responsabilidade pelo Presidente da República ou pelo vice-presidente, quando este estiver exercendo a presidência.

Os crimes de responsabilidade estão elencados no artigo 85 da nossa Constituição e quem tem a competência para legislar sobre este assunto é somente a União:

Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra:

I - a existência da União;

II - o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação;

III - o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais;

IV - a segurança interna do País;

V - a probidade na administração;

VI - a lei orçamentária;

VII - o cumprimento das leis e das decisões judiciais.

 

Súmula Vinculante 46: A definição dos crimes de responsabilidade e o estabelecimento das respectivas normas de processo e julgamento são de competência legislativa privativa da União.

 

Súmula Vinculante, já conhecida por aqueles que tem acompanhando nossos artigos, é a decisão reiterada do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre determinada matéria constitucional que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e da Administração Pública direta e indireta federal, estadual e municipal. Para que o STF aprove uma Súmula Vinculante, necessário o voto de 2/3 de seus membros.

A Câmara dos Deputados, ao receber a denúncia, fará um juízo de admissibilidade, que nada mais é do que uma análise política sobre o cometimento ou não do crime de responsabilidade pelo Presidente da República.

Já na Câmara dos Deputados, ainda durante o juízo de admissibilidade, o Presidente da República já pode exercer seu direito de defesa, embora ainda não exista um processo efetivo.

Se a Câmara, neste juízo político, entender que o Presidente da República cometeu crime de responsabilidade, enviará sua decisão ao Senado Federal, que será obrigado a instaurar o processo de impeachment.

Assim, a Câmara dos Deputados não julga, apenas autoriza o julgamento do Presidente da República pelo Senado Federal.

Para que a Câmara dos Deputados diga sim à continuidade do procedimento são necessários, pelo menos, 2/3 dos votos dos deputados, o que dá 342 votos.

Uma vez aprovado o julgamento do Presidente da República pela Câmara dos Deputados, o processo segue para o Senado Federal, onde o Presidente da República é efetivamente processado pelo crime de responsabilidade.

No Senado Federal, o julgamento é presidido pelo presidente do STF e a condenação ou absolvição se dá pelo voto de 2/3 dos Senadores (54 votos).

A primeira medida tomada pelo Senado Federal é notificar o Presidente da República sobre a instauração do processo de impeachment, afastá-lo por 180 dias e chamar o vice-presidente para substituí-lo nesse período.

As penas que podem ser aplicadas pelo Senado Federal são autônomas e cumulativas, ou seja, não há falar em pena principal e acessória. As penas são de perda do cargo e inabilitação por 8 anos para exercer função pública.

Assim, eventual renúncia inviabiliza a pena de perda do cargo, mas não a inabilitação por 8 anos para exercer função pública. Há de ressaltarmos que a renúncia para surtir os efeitos práticos deve ser feita antes do início do julgamento.

A decisão do Senado Federal é soberana e irrecorrível à reanálise de mérito pelo STF. O Supremo só pode analisar se princípios constitucionais foram ou não violados.

Agora podemos ter uma visão clara e objetiva do que aconteceu em nosso País e verificar que as etapas foram efetivamente cumpridas pelas instituições.

Bibliografia: http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/ (acessado em 02/09/2016, às 16:23)


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria