Há divergências quanto ao início da contagem do prazo prescricional. Na dúvida cabe ao interessado alegar a prescrição, submetendo-a ao crivo do julgador.

                       PRESCRIÇÃO DE DÉBITO INSCRITO EM DÍVIDA ATIVA        

                                      O direito da ação de cobrança do crédito tributário se extingue pelo decurso do prazo de 5 (cinco) anos, contado da data da sua constituição definitiva (art. 174 do CTN).

                                      Temos que a contagem desse prazo prescricional se interrompe em determinadas situações, a saber:

1. pela citação pessoal feita ao devedor, em razão do despacho do juiz que ordenar a citação em execução fiscal;

2. pelo protesto judicial;

3. por qualquer ato judicial que constitua em mora o devedor;

4. por qualquer ato inequívoco ainda que extrajudicial, que importe em reconhecimento do débito pelo devedor.

                                    A contagem do prazo prescricional se apresenta polêmica e depende do exame acurado de cada caso, em face da controvérsia que paira no posicionamento da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – PGFN e o entendimento do Superior Tribunal de Justiça – STJ.

                                   O parágrafo único do artigo 174 do CTN elencou os motivos de interrupção do prazo prescricional e no inciso primeiro consta que o simples despacho do juiz ao ordenar a citação já é por si só marco interruptivo prescricional. Tal dispositivo introduzido pela Lei Complementar 118/05 é motivo de criticas dos doutrinadores, por privilegiar demasiadamente o Fisco.

                                   Também a prescrição intercorrente durante o curso do processo é repleto de particularidades e nuances, gerando por vezes divergências e interpretações díspares.

                                   Outra questão ventilada na presente consulta se refere à inclusão do sócio como corresponsável pelo débito tributário, sem que tenha sido apurado qualquer ato doloso ou de má fé por ele praticado na gestão da sociedade.

                                   O art. 135 do CTN – Código Tributário Nacional determina que a responsabilidade dos sócios somente ocorrerá quando ficar demonstrado de forma inequívoca a prática pelos sócios de atos com excesso de poderes ou infração à lei, contrato social ou estatutos:

Art. 135. São pessoalmente responsáveis pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos: 

I – as pessoas referidas no artigo anterior;

II – os mandatários, prepostos e empregados;

III – os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado.

                                   A responsabilidade dos sócios na sociedade limitada se restringe aos aportes que realizam para a formação do capital social, desde que não pratiquem com excesso de mandato, violação da lei ou do contrato social. (artigos 1.052 e seguintes do Código Civil).

                                   O empresário ou administrador agindo dentro da lei e do contrato social ou estatuto seus bens particulares não respondem pela dívida tributária, pois se a empresa não cumpre com suas obrigações tributárias, por contingências do mercado, trata de simples caso de inadimplência de tributos e não de sonegação ou infração à lei.

                                    Assim se afigura nula a pretensão do Fisco em se apropriar do patrimônio particular de sócios, sem demonstrar que eles praticaram infração à lei ou ao contrato social da sociedade da qual fazem parte.

Também a Súmula 430 do STJ é nesse sentido:

Súmula 430: “O inadimplemento da obrigação tributária pela sociedade não gera, por si só, a responsabilidade solidária do sócio-gerente”.

O STJ na Súmula 435 prevê exceções:

Súmula 435: "Presume-se dissolvida irregularmente a empresa que deixar de funcionar no seu domicílio fiscal, sem comunicação aos órgãos competentes, legitimando o redirecionamento da execução fiscal para o sócio-gerente".

                                   É de 5 (cinco) anos o prazo de execução contra os administradores por dívida tributária. Esse prazo é contado da citação da pessoa jurídica devedora.

                                    Os doutrinadores, a exemplo do Prof. Hugo de Brito Machado comungam em consonância com esse posicionamento:

"De todos os dispositivos legais se conclui que a regra é a de que os diretores, gerentes ou representantes de pessoas jurídicas de direito privado não respondem pessoalmente pelos tributos devidos por tais pessoas jurídicas. E a exceção é a de que existirá tal responsabilidade em se tratando de créditos decorrentes de obrigações tributárias resultantes de atos praticados com excesso de poderes ou infração à lei, contrato social ou estatutos" (MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. 30. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2009. p. 161).

                                      Em face das divergências quanto ao início da contagem do prazo prescricional aqui apontadas, entendemos que, na dúvida, cabe ao contribuinte alegar a prescrição ao crivo do julgador e em qualquer momento pode o contribuinte alegá-la administrativa ou judicialmente. E o juiz de ofício, pode declará-la.

                                      Quanto à responsabilização dos sócios por débitos tributários da sociedade pela Fazenda sem a comprovação de prática de dolo ou má-fé, se constitui em ato que macula a norma tributária (art. 135, do CTN), pois há de prevalecer a presunção de que o inadimplemento da obrigação tributária pela sociedade não gera, à luz da Súmula 430 do STJ, “por si só, a responsabilidade solidária dos sócios.”

                                     


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • -1

    Renato Luiz

    MInha empresa tem quatro inscrições na divida ativa com data de 2008 com valor total consolidado de R$13.000,00. Nenhuma das inscrições foi ajuizada. Como já tem mais de 9 anos, estas inscrições podem ser consideradas prescritas?

Livraria