Ao contrário do que grande parte das pessoas pensam, a maioridade, por si só, não extingue a obrigação de pagar a pensão alimentos

A pensão alimentos é um provento destinado, em regra, a custear as despesas de alimentação, vestuário, saúde, lazer, cultura e bem-estar ao filho(a) na não constância dos pais estarem juntos.
             A pergunta que muitos fazem é: até quando deve-se pagar a pensão alimentícia?

            Muitos acreditam que a maioridade (em virtude do filho (a) ter completado 18 anos exonera o pagamento da pensão. Ledo engano: a maioridade, por si só, não faz cessar o dever de pagamento de pensão alimentícia!

            Em muitos casos, ao deixar de pagar o valor referente a pensão alimentícia, o genitor (a) pode sofrer uma execução civil, onde por estar devendo é chamado pelo Judiciário para pagar todos os valores que deixaram de serem quitados, ou, até mesmo, pode ser preso civilmente, em decorrência do inadimplemento.

            A maneira correta de conseguir autorização e estar desimpedido do pagamento de pensão alimentícia é através do procedimento judicial chamado de ação de exoneração.

            O Superior Tribunal de Justiça, emanado através da Súmula 358 do STJ nos diz que: “O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu a maioridade está sujeito à decisão judicial, mediante contraditório, ainda que nos próprios autos”.

            Restando comprovada a imprescindibilidade do pagamento de pensão alimentícia, para manutenção de seu sustento, aliado ao binômio necessidade/possibilidade, o valor de pensão deverá ser pago até que a necessidade do alimentado seja cessada, não importando, assim, a idade.

            Nesses termos, o pai/mãe deve provocar o judiciário para que cesse o benefício, ainda que o agora adulto tenha condições de trabalhar. Isso porque, consoante corte superior, "com a maioridade cessa o poder familiar, mas não se extingue o dever de prestar alimentos, que passam a ser devidos por força da relação de parentesco". (AgRg 1101390, STJ)


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0