Este artigo objetiva explorar aspectos da prática internacional relacionada à acordos de paz entre Estados e beligerantes, e o papel potencialmente desempenhado pela justiça de transição nos Acordos de Paz entre o governo da Colômbia e as FARC.

Acordos de Paz, Plebiscitos e Justiça de Transição: considerações sobre a prática internacional no contexto do processo de paz entre o governo da Colômbia e as FARC

Tatiana Waisberg*

Carlos Augusto Canêdo Gonçalves da Silva**

O processo de paz entre o governo da Colômbia e as FARC, Forças Revolucionárias Armadas da Colômbia, iniciado em novembro de 2012 foi celebrado precocemente como fim do conflito mais longo das Américas[1]. A realização do plebiscito, com resultado aquém das expectativas[2], entretanto, tornou visível a dimensão das divisões presentes na sociedade Colombiana, refletindo o distanciamento entre a sociedade civil e as lideranças políticas. A votação do referendo popular na Colômbia, diferente de outros casos concretos relativos a autodeterminação estatal, a exemplo dos Acordos de Oslo, realizados sem plebiscito, consiste em etapa inerente aos propósitos de conciliação nacional[3].

Este artigo objetiva explorar aspectos da prática internacional relacionada à celebração de acordos de paz entre Estados e beligerantes, e o papel potencialmente desempenhado pela justiça de transição nos Acordos de Paz entre o governo da Colômbia e as FARC. A comparação com casos concretos, a exemplo dos acordos de paz entre o Estado de Israel e a OLP, Organização para Libertação da Palestina, e entre o Reino Unido, Irlanda e Partidos Políticos da Irlanda do Norte, evidencia a ausência de relação direta com o principio da autodeterminação nacional no contexto colombiano. A prática internacional, por outro lado, não é uniforme, e a análise do emprego de mecanismos de justiça de transição oferece perspectiva mais ampla para investigar o papel desempenhado por plebiscito para legitimar reformas jurídicas e políticas destinadas a construir a paz no contexto do conflito armado na Colômbia.

Acordos de paz entre Estados Soberanos e Beligerantes sob a ótica do Direito Internacional

A ausência de tratados e costume internacionais que disciplinam os requisitos e procedimentos aplicáveis a acordos de paz entre Estados e atores não estatais é reflexo da prática internacional heterogênea. O reconhecimento do status de beligerante a atores não estatais paramilitares surge em circunstâncias que permitem a politização do conflito interno. O recurso a mecanismos de solução pacífica de conflitos, nestas situações, inclui necessariamente a participação direta e indireta de Estados e Organizações Internacionais.

Considerado ameaça à soberania estatal, e intervenção nos assuntos domésticos dos Estados, o reconhecimento de determinado ator não estatal como beligerante relaciona-se a contextos de guerra civis e conflitos armados internos com repercussão internacional. Os efeitos jurídicos do reconhecimento do status de beligerante a atores não estatais permite a atribuição de responsabilidade por prática de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, mas, em contrapartida, ameaça a integridade territorial do Estado em conflito com tais grupos paramilitares. Os mecanismos de solução pacífica de conflitos, nestes casos, assumem conotação política, enfrentando forte resistência de Estados multiétnicos, ou suscetíveis a secessão, em especial a Rússia e a China. Assim, a perda do controle do governo sobre parte do território em decorrência de atividades de atores não estatais paramilitares tende a ser classificada como crime organizado ou terrorismo, em ambos os casos, evitando a qualificação de tais atores como beligerantes.

Exceção à regra, a iniciativa de processos de paz ocorre apenas em casos extremos, em conjunturas regionais e internacionais distintas. Nos Acordos de Paz de Olso, assim como nos Acordos de Havana, vale destacar a atuação da Noruega, na condição de Estado neutro, além de propor as iniciativas, concedeu o prêmio Nobel da Paz para Arafat, Rabin e Perez em 1994 e para Santos em 2016[5]. A proposta de Oslo, entretanto, diferente do caso colombiano, reproduz o conceito clássico de autodeterminação nacional estatal, no contexto do conflito entre Israelenses e Palestinos. A dispensa de plebiscito obrigatório segue está lógica, sem qualquer relação direta com projetos de conciliação nacional, mas ao contrário, propõe a criação do Estado Palestino, como solução final para o conflito armado.

A comparação do plebiscito na Colômbia com o Acordo de Paz entre o Reino Unido e a Irlanda[6], com a participação dos partidos políticos da Irlanda do Norte, em 1998, por outro lado, ilustra situação diversa dos casos anteriores. Não há reconhecimento do status de beligerante do IRA, o Exército Revolucionário da Irlanda, mas apenas regras referentes ao restabelecimento do monopólio do uso da força britânico na Irlanda do Norte. Não obstante, o processo de paz recorre a mecanismos de autodeterminação sub estatal, tais como a criação da Assembleia da Irlanda do Norte[7].

A construção da paz na Colômbia, diferente da situação na Irlanda do Norte, não envolve a demanda territorial de nenhum Estado soberano, mas a promessa de reconciliação social, através dos mecanismos de justiça de transição. O referendo popular, nesse contexto, assume especial importância, essencial para garantir a legitimidade popular dos termos do acordo de paz que incluem anistias, medidas de reparação para vítimas, reforma agrária, bem como desarmamento das FARC e reintegração dos membros na sociedade civil[8]. Diferente do contexto na Irlanda do Norte e no conflito entre Israelenses e Palestinos, a guerra civil na Colômbia não reflete divisões religiosas ou étnicas que informam demandas relacionadas à autodeterminação nacional.

A utilização de plebiscitos e referendos em outros casos não relacionados a acordos de paz, também contrastam com a conjuntura político e social na Colômbia. A realização de referendo na Crimeia[9], e o plebiscito realizado nas Ilhas Malvinas em 2013[10] reforçam identidades étnicas, religiosas e culturais, com demandas informadas pelo princípio da autodeterminação nacional. Estes dois casos ilustram bem o caráter político de referendos populares e a relação direta com argumentos relacionados à anexação[11] e à violação de princípios que informam a ordem da ONU, tais como a proibição do uso da força[12] e o dever de não intervenção nos assuntos domésticos[13].

No caso da Crimeia e das Ilhas Malvinas, bem como da Irlanda do Norte, o principio da autodeterminação desempenhou papel essencial para garantir a legitimidade do ponto de vista doméstico, sem os mesmos efeitos na arena internacional. Além disso, a Rússia e o Reino Unido polarizaram as iniciativas, sem a presença de Estados neutros, e ausente o conflito agrário que permeia o conflito entre as FARC e o governo da Colômbia desde o início. Considerado continuação de conflitos periféricos da guerra fria, a ideologia comunista das FARC, integra também fatores regionais relacionados ao tráfico internacional de entorpecentes[14], bem como a inserção do conflito na agenda de combate ao terrorismo internacional[15]. Não obstante, a pequena margem de votos que comprometeu a implementação da terceira fase dos Acordos de Havana, na realidade reforçou as divisões presentes na sociedade colombiana, relacionadas não apenas às origens do conflito mas também às perspectivas para a paz no futuro.

Plebiscitos, Acordos de Paz e Justiça de Transição: adeus às armas?

O recurso aos mecanismos da justiça de transição em conflitos armados continuados pode ser considerado excepcional se comparado aos casos concretos que ilustram os diversos papeis desempenhados pelas comissões de verdade e persecução penal de crimes internacionais em contextos diversos. A utilização de comissões da verdade na Argentina, estabelecida em 1983 com o objetivo de investigar graves violações de direitos humanos ocorridas durante o regime militar inicia o processo de desenvolvimento da justiça de transição[16]. Entretanto, as iniciativas da sociedade civil e jurídica argentina não obtiveram êxito no primeiro momento, incluindo, inclusive, retrocesso no processo de democratização.

Apenas no final da década de noventa, novas abordagens e contexto político diverso, permitem a proliferação de comissões da verdade[17], destacando-se a comissão da verdade e conciliação na África do Sul[18], iniciadas em 2000, bem como o fortalecimento de mecanismos de persecução penal internacional, incluindo os tribunais ad hoc constituídos para julgar crimes internacionais perpetrados na Ex-Iugoslávia[19] e na Ruanda[20], e a criação do Tribunal Penal Internacional[21]. Na América do Sul, a concessão de anistias marcou a transição política e jurídica de regimes militares para o sistema democrático nas últimas décadas do século vinte.

A ameaça de retrocesso político e ruptura da ordem social evitou que tais Estados recorressem à mecanismos da justiça de transição. A pressão internacional, sobretudo decorrente do caso Pinochet[22], bem como a admissibilidade de casos relativos a violação graves de direitos humanos no período militar, modificou o enfrentamento das feridas do passado[23]. Na Argentina e no Chile[24], além das comissões da verdade, essencial à justiça de transição histórica[25], tais investigações resultaram em persecuções penais com relação direta aos propósitos perseguidos pela justiça de transição criminal[26].

Processo de paz entre o Governo da Colômbia e as FARC: aspectos controversos

A proposta de acordo de paz entre o governo da Colômbia e as FARC, elaborada conjuntamente por seus representantes de alto escalão nas reunião em Havana, com garantia da Noruega e Cuba, é resultado da segunda fase das negociações. Na primeira fase, iniciada em fevereiro de 2012, as partes estabeleceram quais os propósitos do processo, condições e regras do jogo, objeto da etapa seguinte. Em agosto de 2016, a proposta de acordo final de paz encerra a fase de negociações entre dirigentes políticos com aprovação de projeto sujeito ao plebiscito, objeto da terceira fase, referente à "construção da paz" para os próximos dez anos[27].

Dentre os pontos controversos, destacam-se a proposta de anistia sem limites claros, a reforma agrária integral e gratuita, medidas de reparações para membros das FARC, e a criação de áreas de transição, denominadas "Zona Vederal Transitória de Normalización", ZVTN. A proposta de anistia como parte integral da reforma do sistema de participação política e cidadania, inclui o estabelecimento de jurisdições transitórias especiais de paz em regiões especialmente afetadas pelo conflito e conselhos para a reconciliação e convivência[28]. Os limites de atuação destes órgãos, não obstante, geraram reações negativas por parte de setores da sociedade colombiana opostos à reintegração de membros das FARC nas esferas civil e política[29].

A proposta de reforma rural integral destinada a garantir o acesso e uso da terra, espécie de vitória concedida às FARC nas áreas rurais, adapta medidas de ação afirmativa para responder a antigas demandas inerentes ao conflito desde o início. A reforma agrária, nos termos do Acordo de Paz, garante acesso integral a propriedade rural, incluindo a distribuição gratuita de terras e a adoção do critério da "vocação":

"Para acercar el uso de la tierra a su vocación el Gobierno definirá lineamientos generales de uso del suelo que tengan en cuenta su vocación y las visiones territoriales construidas con las comunidades y pondrá en marcha programas de reconversión."[30]

Além da ampla discricionariedade conferida ao governo colombiano em matéria agrária, a criação das chamadas "Zonas Vederales Transitórias de Normalización", ZVTN, altera a situação fática e jurídica em algumas áreas de conflito:

"Su objetivo es garantizar el Cese al fuego y la Dejación de todas las armas, iniciar la preparación para la reincorporación de las farc a la vida civil y su tránsito a la legalidad." [31]

Nos termos do Acordo de Paz, as ZVTN são temporárias e transitórias, delimitadas e concordadas entre o Governo Nacional e as FARC, com extensão razoável que permita o monitoramento, fiscalização e acesso de sem restrições temporais. Além da suspensão do porte de armas imposto à população civil nestas áreas, é vedado a entrada de civis, e a saída de combatentes das FARC subordinada à ausência de armamentos e sem a presença de civis[32].

Conclusões

A comparação entre aspectos do processo de paz entre o governo da Colômbia e as FARC e a prática internacional referente à acordos de paz entre Estados e beligerantes evidencia pontos controversos, em especial, a ausência de relação direta com demandas de autodeterminação estatal no caso colombiano. Embora do ponto de vista do direito internacional o plebiscito poderia ser evitado sem qualquer obstáculo, as peculiaridades do caso concreto adequam-se mais a situações de transições políticas e jurídicas. A necessidade de aprovação do plebiscito para garantir a legitimidade democrática do processo de paz, neste contexto, operou como requisito essencial à conciliação nacional, destacando a influência da conjuntura regional Latino Americana. A proposta de emprego de mecanismos da justiça de transição para solução de conflito continuado, entretanto, difere da prática da justiça de transição na América do Sul. A concessão de anistias em combinação com a constituição de comissões da verdade e conciliação, concomitante ao processo de transição política, se comparado aos casos concretos, revela incompatibilidade inerente ao aspecto temporal que permeia a reconciliação nacional.

* Professora de Direito Internacional na Escola Superior Dom Helder Câmara. Mestre em Direito PUC-MG e Universidade de Tel Aviv. Consultora Juridica em Belo Horizonte

** Professor da UFMG e PUC Minas. Procurador do Ministério Público de Minas Gerais. Doutor e Mestre em Direito UFMG.

[1] O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, esteve em Havana (Cuba) nesta quinta-feira (23) para presenciar a assinatura de um acordo de cessar-fogo entre governo colombiano e Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), durante a qual enfatizou a importância da iniciativa histórica como um exemplo de fomento da paz.“Neste dia, em um mundo assolado por guerras aparentemente intratáveis​​, o processo de paz na Colômbia cumpre um compromisso fundamental: um acordo de cessar-fogo e entrega de armas”, disse o secretário-geral. https://nacoesunidas.org/acordo-de-paz-entre-governo-colombiano-e-farc-e-conquista-historica-diz-ban-ki-moon/

[2] "O burburinho sobre o "fim da guerra", criado após o presidente Santos assinar o acordo de paz em Cartagena na semana passada, fez muitos analistas acreditarem que o "sim" venceria facilmente no domingo. As pesquisas de opinião pintavam cenário semelhante." Boris Miranda. Por que a Colômbia disse 'não' ao acordo de paz com as Farc. BBC Mundo, 3 de outubro, 2016. http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37526293

[3] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. http://www.altocomisionadoparalapaz.gov.co/herramientas/Documents/Nuevo_enterese_version_6_Sep_final_web.pdf

[4] <http://www.museudeimagens.com.br/yasser-arafat-rabin-nobel-da-paz/>

[5] BBC Brasil. Derrotado nas urnas, presidente da Colômbia vence Nobel da Paz. BBC Brasil, 7 outubro 2016. http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37585307

[6] Referendos de 1998 http://www.ark.ac.uk/elections/fref98.htm

[7]Para retrospectiva história do Acordos da Sexta Feira Santa http://www.bbc.co.uk/history/events/good_friday_agreement

[8] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. P. 4-5. http://www.altocomisionadoparalapaz.gov.co/herramientas/Documents/Nuevo_enterese_version_6_Sep_final_web.pdf

[9] G1. Resultado final aponta 96,8% dos crimeios a favor da união à Rússia. 17 de Março, 2014. http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/03/resultado-final-aponta-97-dos-crimeios-favor-da-uniao-russia.html

[10] Monica Yanakiew. Governo das Malvinas convoca plebiscito sobre Reino Unido. Exame. Com, 18 de Janeiro, 2013 http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/governo-das-malvinas-convoca-plebiscito-sobre-reino-unido

[11] Andrei Netto. Rússia veta na ONU moção para tornar ilegal plebiscito para anexar Crimeia. O Estado de S. Paulo, 15 de Março, 2014

[12] Artigo 2 (4). Todos os Membros deverão evitar em suas relações internacionais a ameaça ou o uso da força contra a integridade territorial ou a dependência política de qualquer Estado, ou qualquer outra ação incompatível com os Propósitos das Nações Unidas.

[13] Artigo 2 (7) Nenhum dispositivo da presente Carta autorizará as Nações Unidas a intervirem em assuntos que dependam essencialmente da jurisdição de qualquer Estado ou obrigará os Membros a submeterem tais assuntos a uma solução, nos termos da presente Carta; este princípio, porém, não prejudicará a aplicação das medidas coercitivas constantes do Capitulo VII.

[14] William Neuman; Simon Romero. Latin American Allies Resist U. S. Strategy in Drug Fight. The New York Times. May, 15, 2015. Available at http://www.nytimes.com/2015/05/16/world/americas/latin-america-and-us-split-in-drug-fight.html?_r=0

[15] Resoluções do Conselho de Segurança da ONU e do Conselho Permanente da OEA classificam ataques armados das FARC como ameaça a segurança internacional e regional.

S/RES1465 (2003) https://www.oas.org/36ag/english/doc_referencia/cpres837_03.pdf

OAS/CP/RES. 837 (1354/03) < https://www.oas.org/36ag/english/doc_referencia/cpres837_03.pdf >

[16] Teitel, Ruti. How are the New Democracies of the Southern Cone Dealing with the Legacy of Past Human Rights Abuses? Justice and a Democratic Transition. 1990;

[17] Lutz, Ellen; Kathryn Sikkink. The Justice Cascade: The Evolution and Impact of Foreign Human Rights Trials in Latin America. 2 Chi. J. Int'l L. 1 Spring, 2001; Hayner, Priscilla. Fifteen Truth Commissions - 1974-1994: A Comparative Study. Vol.16Human Rights Quarterly, 597 (1994) 598-655.

[18] Elizabeth Jelin. Public Memorialization in Perspective: Truth, Justice and Memory of Past Repression in the Southern Cone of South America. The International Journal of Transitional Justice. Vol. 1, 2007, 138-156.

[19] Para informações sobre o Tribunal Internacional Criminal para Ex- Iugoslávia http://www.icty.org/

[20] Para informações sobre o Tribunal Internacional Criminal para Ruanda http://unictr.unmict.org/

[21] Para informações sobre o Tribunal Penal Internacional https://www.icc-cpi.int/

[22] Bassiouni, M. Cherif. International Recognition of Victim's Rights. Human Rights Law Review 6:2 (2006), 203-279

[23] Ivan Simonovic. Dealing with the Legacy of Past War Crimes and Human Rights Abuses: Experiences and Trends. Journal of International Criminal Justice 2 (2004), 701-710. Rogelio, Perdomo-Perez. Case Studies: B. Transitions and Problem Cases: Rule of Law and Lawyers in Latin America. 603 Annals 179. January, 2006

[24] Caso Almonacid Arellano y otros Vs. Chile, para. 145-157, 2006 Disponível no http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_154_esp.pdf

[25] Ruti Teitel. Transitional Justice. Oxford University Press. 2000, p. 69-118.

[26] Fernando Felipe Basch. The Doctrine of the Inter-American Court of Human Rights Regarding States' Duty to Punish Human Rights Violations and Its Dangers. 23 Am. U. Int'l L. Rev. 195 2007; Teitel, Ruti. Transitional Justice Genealogy. Harvard Human Rights Journal, v. 16, spring (2003), p. 69-94

[27] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. P. 2. http://www.altocomisionadoparalapaz.gov.co/herramientas/Documents/Nuevo_enterese_version_6_Sep_final_web.pdf

[28] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. P. 13-15. http://www.altocomisionadoparalapaz.gov.co/herramientas/Documents/Nuevo_enterese_version_6_Sep_final_web.pdf

[29] Germán Gómez Polo e Laura Dulce Romero. Las lecciones del No para el Gobierno. Política, El Espectador, 2 Out 2016.

[30] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. P. 8. http://www.altocomisionadoparalapaz.gov.co/herramientas/Documents/Nuevo_enterese_version_6_Sep_final_web.pdf

[31]Comunicado Conjunto sobre las Zonas Veredales Transitorias de Normalización. Mission de La ONU en Colombia. 16 de Setembro, 2016.

[32] La Oficina del Alto Comissariado para Paz. El Acuerdo de Paz. La Oportunidad para Construir Paz. P. 18.https://colombia.unmissions.org/comunicado-conjunto-sobre-las-zonas-veredales-transitorias-de-normalizaci%C3%B3n


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria