A questão da hermenêutica constitucional é bastante debatida vez que vários são os intérpretes da Norma Constitucional, de forma que, em muitos casos, para uma mesma matéria existem vários pontos de vista, o que acaba por influenciar em julgamentos.

                                                                                                                                        *André Barreto Lima                                                                                                      

 RESUMO

A questão da hermenêutica constitucional é bastante debatida vez que vários são os intérpretes da Norma Constitucional, de forma que, em muitos casos, para uma mesma matéria existem vários pontos de vista, o que acaba por influenciar em julgamentos diferenciados sobre o mesmo tema. Nesse sentido, definir o que seja uma norma inconstitucional em determinados momentos não é grande tarefa, mas quando a linha de interpretação é tênue, torna-se uma difícil decisão a ser tomada.

 

Palavras-Chave: Hermenêutica, Constitucional, Lei, Normas, Inconstitucional.

*André Barreto Lima é Advogado, Especialista em Direito Civil para Universidade Anhanguera, Mestre em Direito Público pela Universidade Federal da Bahia, Economista pela Universidade Católica do Salvador com formação em Contabilidade e Pós Graduação em Gestão Contábil pela Universidade Federal da Bahia. Possui Diversos cursos nas áreas Pública e Privada. Ministrou aulas de Direito Civil atuando como Consultor Empresarial nas áreas de Projetos, Auditoria, Tributária e Civil. É também escritor de diversos artigos publicados nas áreas Jurídica e Empresarial.

 

 

A INTERPRETAÇÃO CONSTITUCIONAL

Na interpretação Constitucional, tem-se que a mesma é vista por vários ângulos assim, ivariavelmente obtêm-se uma interpretação não similar por parte de todos acerca de uma determinada norma estabelecida naquele Diploma Legal. Desta forma, Haberle (2002, p. 13) explicita que:

No processo de interpretação constitucional, estão potencialmente vinculados todos os órgãos estatais, todas as potências públicas, todos os cidadãos e grupos não sendo possível estabelecer-se um elenco cerrado ou fixado com numerus clausus de intérpretes da Constituição.

O processo de interpretação é uma necessidade comum, vez que, quem vive a norma constitucional tende a interpretar a mesma no seu processo de vivência para poder aplica-la ou para poder verificar se está ou não ferindo o que está prescrito na mesma.

Originariamente, indica-se como interpretação apenas a atividade que, de forma consciente e inconsciente, dirige-se à compreensão e à explicação do sentido de uma norma (de um texto).

Assim, tem-se que no processo de interpretação existem vários participes, dentre eles o requerente ou requerido, as comissões de investigação, os peritos, de modo que, uma decisão proferida em um determinado processo corresponde à soma e ponderação sobre todos esses pontos de vista que serão analisados pelo aplicador da Lei no processo decisório, o que não torna estranho que determinadas ações tenham um desfecho em um determinado lugar onde é vigente determinada legislação enquanto que em outro lugar onde a mesma legislação está em vigor uma decisão pode ser tomada em sentido oposto.

Nesse sentido, vale ressaltar que o povo é um elemento crucial nesse processo de interpretação da Lei. Como bem explicita Lassalle (2009, p. 20), a Constituição é, em síntese, em essência “a soma dos fatores reais de poder que regem uma nação”, ou seja, a verdadeira constituição deve atender aos anseios da sociedade, do contrário, não passará de uma simples folha de papel. Por isso o povo não é um mero espectador ou objeto da aplicação da Lei, mas sim, ele deve participar de todo esse processo interpretativo, como bem assevera Harberle (2002, p. 37):

Povo não é apenas um referencial quantitativo que se manifesta no dia da eleição e que, enquanto tal, confere legitimidade democrática ao processo de decisão. Povo é também um elemento pluralista para a interpretação que se faz presente de forma legitimadora no processo constitucional tal como partido político, como opinião científica, como grupo de interesse, como cidadão. A sua competência objetiva para a interpretação constitucional é um direito da cidadania.

Acrescenta ainda o referido autor que:

O juiz constitucional já não interpreta, no processo constitucional, de forma isolada: muitos são os participantes do processo; as formas ele participação ampliam-se acentuadamente.

Desta forma, em virtude da diversidade de intérpretes da norma constitucional, ver-se que não é fácil se aplicar a Lei de maneira mais justa possível, pois o que é justo para um pode não ser para outro.

Acrescente-se ainda a questão das normas que são tidas como inconstitucionais, pois, para entender o que é uma norma inconstitucional, faz-se necessário compreender o conceito de Constituição, de forma que, Bachof (1994, p. 39), traduz o referido conceito da seguinte forma:

Nos termos desta distinção, constituição em sentido formal, será uma lei formal qualificada essencialmente através de características formais – particularidades do processo de formação e da designação, maior dificuldade de alteração – ou também uma pluralidade de tais leis: corresponderá, portanto, ao conteúdo global, muitas vezes mais ou menos acidental, das disposições escritas da Constituição.

Por constituição em sentido material, entende-se em geral o conjunto de normas jurídicas sobre a estrutura, atribuições e competências dos órgãos supremos do Estado, sobre as instituições fundamentais do Estado e sobre a posição de cidadão no Estado.

A Constituição Federal é a Carta Magna que reflete os anseios da sociedade representando a norma maior que rege todas as demais e, quando uma determinada norma inferior à mesma é editada e aplicada, ferindo os ditames constitucionais, tem-se aí a existência de uma norma inconstitucional.

Todavia, na interpretação constitucional, que é bastante variada, observa-se que para que a norma seja inconstitucional a mesma tem que ser explicitamente divergente do que reza a Carta Magna, vez que, por exemplo, pode-se existir uma norma inferior que tenha uma interpretação isolada diversa do que a Constituição Federal explicita, de forma que essa norma não é inconstitucional se existe um outro entendimento, na maioria das vezes majoritário acerca da matéria tratada.

CONCLUSÃO

O presente artigo demonstra a dificuldade na interpretação constitucional vez que muitos são os intérpretes da norma constitucional o que pode criar pontos de vista diversos, nesses casos, cabe aos que estão legalmente investidos do papel de aplicação da lei fazer com que a mesma seja interpretada da melhor forma possível.

     Não distante uma norma pode ser vista como inconstitucional quando fere os ditames da Constituição que é a Carta Magna que rege o país e que está acima de todas as demais.

 

REFERÊNCIAS

BACHOF, Otto. Normas Constitucionais Inconstitucionais?. Tubingen: Livraria Almeida, 1994.

LASSALLE, Ferdinand. A Essência da Constituição. 9ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

HABERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional – A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição: Contribuição para Interpretação Pluralista e “Procedimental” da Constituição, São Paulo: Sérgio Antônio Fabris Editor, 2002.


Autor

  • André Barreto Lima

    André Barreto Lima é Advogado, Mestre em Direito pela Universidade Federal da Bahia – UFBA, Especialista em Direito Civil pela Universidade Anhanguera, Economista pela Universidade Católica do Salvador – UCSAL, formado em Contabilidade e Pós Graduado em Gestão Contábil pela Universidade Federal da Bahia – UFBA, Membro de Instituto Brasileiro de Direito Tributário - IBDT. Possui diversos cursos nas áreas Pública e Privada, Ministrou aulas de Direito Civil atuando também como Consultor Empresarial nas áreas de Projetos, Auditoria, Tributária e Civil. Autor dos livros "Processo e Efetividade dos Direitos" e "Dano Moral" é também escritor de livros e diversos artigos científicos publicados nas áreas Jurídica, Econômica, Contábil, Planejamento, Social e Empresarial.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria