As opções para nosso país são evidentes, mas cada uma delas acarretará sofrimento.

O Brasil tem 8.515.767,049 Km² e mais ou menos 205 milhões de habitantes. Vivemos, portanto, num país vazio. No entanto, o espaço geográfico brasileiro não é igualmente distribuído entre os habitantes do país. A terra é propriedade de poucos e a riqueza intelectual e financeira sempre foi concentrada nas mãos  de uma minoria.

Em nosso país (construído durante séculos através da exploração intensiva de mão de obra escrava e da apropriação privada das terras comunais dos indígenas), o poder público nunca esteve a serviço de todos os que habitam seu território. Muito pelo contrário, o Estado brasileiro tem apenas alguns donos e eles sempre usaram os meios de violência estatal para se apropriar daquilo que poderia ter valor mediante a exclusão da arena política de vastos contingentes populacionais que foram sendo brasilisados.

Lula e Dilma criaram e administraram políticas públicas (educação, saúde, renda mínima, habitação) para incluir toda a população no universo político. A reação feroz da imprensa e dos privilegiados (que apesar de não terem perdido seus privilégios se sentiram excluídos) levou ao golpe de estado de 2016. Empossado na presidência, Temer faz exatamente o oposto do que foi feito pelos seus dois antecessores. O usurpador está privando a maioria da população da convivência civilizada ao revogar direitos sociais, trabalhistas e previdenciários que foram lentamente conquistados.

Roma se espalhou pela Europa e chegou na Lusitânia. De lá, algumas de suas instituições foram levadas pelos portugueses às suas colônias. Algumas delas chegaram ao Brasil. A principal delas era a absoluta separação entre os cidadãos romanos (sujeitos ao direito civil romano) e aqueles que não eram cidadãos (sujeitos ao direito das gentes). Quando havia conflito entre um cidadão romano e um não cidadão, o direito romano prevalecia sobre o direito das gentes.

Além de excluir contingentes populacionais conquistados dos benefícios da civilização, Roma lidava com a pressão populacional de duas maneiras: realizando guerras externas e estabelecendo colônias. Após a descoberta do Brasil, uma dinâmica semelhante foi empregada por Portugal. Isto explica satisfatoriamente o processo de diferenciação entre “colonos” e os “outros” brasileiros e entre os seus descendentes.

Todos são iguais perante a Lei e a pena de morte é proibida pela constituição. Todavia, um senador pode traficar impunemente 450 Kg de cocaína sem ser importunado pela Polícia Federal. E o usuário de 0,045 Kg de cocaína na favela pode ser preso ou morto por um PM sem que o homicídio resulte em punição.

Após cinco séculos, o Brasil continua vazio. Mas seus governantes se comportam como se o país estivesse cheio porque o Estado brasileiro continua sendo propriedade de alguns e eles não querem compartilhar seus bens nem proporcionar os benefícios da civilização à maioria da população. Pior, ao contrário dos romanos eles não sabem o que fazer com o excesso populacional.

A exclusão social produz o crime. Ao invés de prevenir o fenômeno educando a população, o Estado se limita e encarcerar e a matar criminosos e suspeitos. A letalidade policial crescente só é vista como um problema quando os PMs executam alguém “bem nascido”. Quando os presídios superlotados explodem e os prisioneiros se matam às dezenas, os agentes públicos recolhem os corpos e enterram os mortos. Alguns lamentam o “acidente” outros dizem publicamente que as chacinas deveriam ser maiores e mais frequentes. Sem papas na língua e com muito pouco na cabeça, Bolsonaro diz que  200 mil bandidos deveriam ser exterminados.

Vazio, o Brasil tem diante de si mesmo três saídas: incluir toda sua população e construir um futuro decente para o país; preservar a exclusão e continuar convivendo com índices crescentes de violência privada, policial e carcerária; adotar como política pública o extermínio programado de contingentes populacionais que nunca poderão ser incluídos nos benefícios da civilização.

Cada uma destas opções acarretará sacrifícios. A primeira obrigará a elite a pagar impostos e a abrir mão do controle absoluto dos meios de construção do imaginário privado (da imprensa) e da vida pública (da política). A segunda não irá melhorar em nada a imagem do Brasil interna e externamente. A terceira provocará uma guerra interna e externa, com prejuízo inclusive e principalmente para aqueles que acreditam na necessidade ou possibilidade de um genocídio. Façam suas escolhas e apertem  os cintos, pois nossa história não terminou. De fato, ela não está nem começando.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0