Parte-se do documentário "O século do Povo" (A Era da Prosperidade) para pensar a reconstrução da Europa pós-Segunda Guerra. Com o apoio teórico de Harvey, conclui-se que o fordismo migrado dos EUA representou, na verdade, a expansão do capitalismo.

Este artigo inspira-se no documentário "O século do Povo", episódio “A Era da Prosperidade” para pensar a reconstrução da Europa pós-Segunda Guerra. Com o apoio teórico de Harvey, conclui-se que o fordismo migrado dos EUA representou, na verdade, a expansão do capitalismo, adaptando-o a uma Europa destruída e vulnerável a uma ideologia fascinante de desenvolvimento material, ainda que com o arcabouço de um Estado de Bem Estar Social. Nesse sentido, o filme nos ajuda a entender a prosperidade econômica vivida pela Europa Ocidental especialmente nas décadas de 50 e 60, mostrando como o modelo de produção e de vida americano foi exportado por meio do Plano Marshall ao velho continente até então devastado. 

A Segunda Guerra deixou a população europeia exausta, na miséria, reduzida a mínimas condições básicas de subsistência, profundamente abalada psicologicamente e praticamente sem qualquer tipo de produção (da agricultura à indústria). Os governos não conseguiam a reconstrução prometida, e o comunismo era uma possibilidade real. O começo da Guerra Fria e a dualidade capitalismo X socialismo/comunismo atemorizava os políticos pró-Ocidente, em especial os Estados Unidos.

Foi aí que o governo norte-americano lançou um grandioso programa de ajuda aos aliados da Europa Ocidental, o Plano Marshall, oficialmente intitulado de Plano de Reconstrução Europeia. Comida, máquinas agrícolas e industriais foram enviadas dos EUA para a Europa, que logo iniciou a sua transformação. Claro que a recepção ao plano não foi unânime, tendo despertado a revolta dos simpatizantes da esquerda comunista e a desconfiança de muitos europeus quanto aos reais objetivos políticos dos americanos. De fato, podemos dizer que os objetivos tinham duas frentes: por um lado, evitar o avanço comunista e consolidar o bloco capitalista no lado ocidental; por outro fazer prosperar o sistema econômico capitalista, que beneficiaria o próprio Estados Unidos.

De início, o estímulo à produção na Europa foi uma constante, com a exportação de máquinas americanas para a reconstrução das indústrias e de tratores para serem usados na agricultura. Aos poucos, a ideologia americana também foi chegando, fosse por meio dos seus produtos (como no exemplo da Coca-Cola), fosse através da concepção ideologizada do consumo de massa como horizonte de felicidade.

Dada à destruição quase completa do continente, o primeiro setor a receber investimentos foi a indústria pesada, base para as demais. O setor automobilístico foi o que mais se beneficiou dessa base, tendo se expandido em diversos países europeus ao longo das décadas de 50 e 60, como a Fiat na Itália, a Volkswagen na Alemanha, de modo que os veículos foram se tornando o grande sonho de consumo do cidadão europeu. Como na década de 50 a compra de um carro era muito distante para o trabalhador comum, criou-se a lambreta, veículo mais acessível e que passava a sensação de prosperidade ao operariado.

Ademais, os Estados Unidos exportou para a Europa mais que a maquinaria usada no setor automobilístico e em outros ramos de produção de bens de consumo (televisão, máquinas de lavar, geladeiras, dentre outros). Exportou, sobretudo, seu modelo fordista, caracterizado pela produção em massa e voltado para o consumo em larga escala. Visto que a Europa pós-guerra encontrava-se destruída, sua reconstrução significou a redução do desemprego, chegando ao incrível índice de 1% na década de 60, representando a redução nas taxas de desigualdade.

Aos poucos o salário também foi aumentando, principalmente pelo fato de se produzir em massa apontando para um mercado em crescimento. Muita migração passou a ocorrer dentro dos países, tal como a situação mostrada pelo filme da busca por melhores empregos em diversas fábricas italianas, com pessoas saindo dos lugares de origem e direcionando-se para as cidades industriais, deixando para trás famílias e sentimentos.

O sonho americano era expresso no cinema e constatado em visitas de industriais europeus ao solo americano, de modo a levar seus métodos detalhados de produção fordista para suas fábricas na Europa. A ideia era produzir massivamente, barateando os preços e permitindo que todo operário pudesse ter casa, carro e os mais diversos eletrodomésticos. Junto, as percepções de que a máquina reduziria o esforço humano, aumentaria a produtividade e deixaria ao trabalhador o tempo pretendido para o lazer – que, na verdade, representava a possibilidade do consumismo indispensável para a reprodução do sistema. Desenvolveu-se a moda dos supermercados, capazes de concentrar tudo que o indivíduo precisava num único local, significando a otimização de algo extremamente necessário para o capitalismo: o tempo. Os supermercados foram mais um modelo de vida exportado do novo ao velho continente.

Por trás de todo o desenvolvimento europeu das décadas de 50 e 60, em que levantaram-se apartamentos, hospitais, escolas, praças públicas, esteve o Estado, que devia ser responsável por tamanha rede de crescimento, garantindo o bem estar da população, levanto a cabo o projeto do Welfare State. Nos anos 60, as nações afetadas pela guerra gozavam de quase emprego total, e os bens de consumo faziam agora parte do quotidiano. Foi certamente uma das épocas de maior prosperidade e desenvolvimento do século XX.

O modelo capitalista chegava ao seu auge, inclusive na leitura positiva que o mundo ocidental faria do seu sistema, o qual, segundo David Harvey (1992), é orientado para o crescimento. Uma taxa equilibrada de crescimento é essencial para a saúde do modelo econômico capitalista, visto que só através dele os lucros podem ser garantidos e a acumulação do capital sustentada. Na medida em que a virtude vem do crescimento, como aparece fortemente no filme, um dos pilares básicos do capitalismo é que o crescimento e o progresso são tanto inevitáveis como bom. Além disso, o capitalismo é, por necessidade, tecnológica e organizacionalmente dinâmico. Daí o longa atentar para o destaque da organização do mundo da fábrica como pilar para a estruturação produtiva.

Como salienta Harvey, Marx previu as contradições e inconsistências do capitalismo, o que faz com que o sistema seja necessariamente propenso a crises. Desse modo, o final do filme mostra como a crise do petróleo de 1973 – quando os países árabes decidiram triplicar o preço do barril - pôs fim à era de prosperidade que marcava a Europa ocidental pós-guerra e também estava presente nos Estados Unidos, levando às políticas de orientação neoliberal.

Bibliografia:

“O SÉCULO DO POVO”, Ep. 5 - A Era da Prosperidade (Documentário). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=rpj1puOB_Rs>. Acesso em: 25 jan. 2017.

HARVEY, DAVID. Condição pós-moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso