Uma análise sobre a teoria da culpabilidade dentro da ciência Penal.

1- FINALISMO

Segundo Cezar Roberto Bitencourt, a teoria do delito evoluiu de forma exponencial ao se teorizar o conceito de finalismo. Como bem colocado em uma de suas obras, fala o conceituado jurisconsulto:

“A teoria do delito encontra no finalismo um dos mais importantes pontos da sua evolução. Uma das mais caras contribuições da teoria finalista, que fora iniciada pelo normativismo neokantiano, foi a extração do âmbito da culpabilidade de todos aqueles elementos subjetivos que a integravam até então e, assim, dando origem a uma concepção normativa “pura” da culpabilidade, a primeira construção verdadeiramente normativa, no dizer de Maurach.”[1]

É mister que alguns pontos sejam explanados para uma melhor compreensão da obra em tela. As contribuições da teoria finalista para o Direito Penal são, sem sombra de dúvidas, significativas. Como por exemplo a separação do dolo e da culpa, estes deixaram de ser tratados como espécies (teoria psicológica) ou elementos da culpabilidade (teoria psicológico-normativa), mas como integrantes da ação e do injusto pessoal.

Ainda segundo o supramencionado doutrinador, o ponto externado no parágrafo anterior é um dos que mais tem importância na definição do norteamento a ser seguido pelo Direito Penal.

É certo afirmar, diante da teoria finalista, que foi adotado um novo conteúdo para a culpabilidade em particular. Falando num sentido lato.

Alguns defensores da concepção causalista foram obrigados a reconhecer a evolução que o finalismo trazia ao estudo do Direito Penal, como sabiamente definiu Jiménez de Asúa:

“a reprovação do processo volitivo: nas ações dolosas, a reprovabilidade da decisão de cometer o fato; na produção não dolosa de resultados, a reprovação por não tê-los evitado mediante uma atividade regulada de modo finalista”[2]

Quando falamos de dolo na ótica finalista, este elemento somente existe como “dolo natural” – tem caráter unicamente psicológico -. É uma tendência que se mantem atualizada, entre os adeptos da teoria finalista, na definição de ação como a base do sistema jurídico-penal. Welzel, de forma acertada, afirmava que: “a finalidade é vidente e a causalidade é cega”[3]

2 – ANTIJURIDICIDADE

O conceito de antijuricidade definido de forma concisa, segundo Cezar Roberto Bitencourt pode ser descrito como: “ uma relação entre ação e ordenamento jurídico, que expressa a desconformidade da primeira com o segundo, isto é, a realização da vontade não corresponde objetivamente aos mandamentos da ordem jurídica. ” [4]

3 – CULPABILIDADE NORMATIVA

Após uma breve introdução sobre conceitos básicos, de extrema importância para compreender-se o objeto em tela, passemos ao conceito de culpabilidade normativa.

Essencialmente a culpabilidade origina-se quando o agente tendo a obrigação de agir em consonância com o ordenamento jurídico, sendo este dotado de animus – porém, também consciente -, age de forma adversa.

Quando analisamos a definição dada por Cezar Roberto Bitencourt, fica de fácil compreensão o parágrafo anterior:

“A culpabilidade, por sua vez, não se esgota nessa relação de desconformidade entre ação e ordem jurídica, mas, ao contrário, a reprovação pessoal contra o agente do fato fundamenta-se na não omissão da ação contrária ao Direito ainda e quando podia havê-la omitido, pois dele se espera uma motivação concorde com a norma legal. A essência da culpabilidade reside nesse “poder em lugar de...”, isto é, no “poder agir de outro modo” do agente referentemente à representação de sua vontade antijurídica, e é exatamente aí — nessa liberdade de ação, nessa possibilidade de agir diferente — onde se encontra o fundamento da reprovação pessoal, que se levanta contra o autor por sua conduta contrária ao Direito.”[5]

Firmando o entendimento, pode-se definir culpabilidade como sendo: “reprovabilidade da configuração da vontade. Portanto, toda culpabilidade é culpabilidade de vontade, ou seja, somente se pode reprovar ao agente, como culpabilidade, aquilo a respeito do qual pode algo voluntariamente.”[6].

É salutar informar que para que uma conduta seja passível de sanção penal, não basta que esta seja típica e antijurídica, é basilar que seja reprovável do ponto de vista social. Esta é a leitura feita por Jescheck, quando se faz uma análise da teoria social da ação. Tal reprovação só é aplicável se a conduta praticada, poderia ter sido exercida de meio adverso ao reprovável.

O juízo de valor aplicado para se determinar a reprovabilidade de uma determinada conduta, não pode ser meramente subjetivo, é imprescindível que se analise a facticidade em questão para se poder chegar ao âmago do agente e determinar, sem margens para dúvida, o que imperava em seu psicológico ao praticar tal conduta.

Sabiamente, Jiménez de Asúa, analisando a crítica de Rosenfeld e a explicação de Mezger, nos fala:

“o fato concreto psicológico sobre o qual se inicia o juízo de culpabilidade é do autor e está, como disse Rosenfeld, na sua cabeça, mas a valorização para a reprovação quem a faz é um juiz”[7]

Alguns elementos são requisitos a serem mencionados dentro deste tópico, considerando que eles são essenciais para a elaboração de um juízo de reprovação. São eles: a) a imputabilidade (capacidade de culpabilidade); b) o conhecimento potencial da antijuridicidade (ausência de erro de proibição) — elementos que fundamentam o poder atuar de outro modo —; e c) a inexistência de causas de exculpação, como fundamento da exigibilidade de atuação conforme ao Direito.

Chegando as considerações finais, faz-se necessário expor a importância da culpabilidade para o Direito Penal. Von List muito acertadamente exclamou, de maneira quase profética “ [...] o futuro do direito penal é o futuro da culpabilidade”. Dentre os elementos que constituem o crime – Fato típico, antijuricidade e culpabilidade - apenas o último tem como objeto o homem.

Destarte, concluo com o entendimento que a concepção normativa da culpabilidade – ao despir esta do elemento psicológico -, vinculando este com o dolo, trouxe uma nova abordagem ao Direito Penal. Uma visão finalista da conduta humana, é, em minha opinião, a que mais proporciona justiça e equilíbrio para o ordenamento contemporâneo.

Dominar a teoria normativa da culpabilidade é ter conhecimento pleno sobre os principais institutos que estão inseridos na parte geral do código penal brasileiro.

Concluo com uma frase de Francesco Carnelutti, que nos ensina: “ [...] o ramo do direito mais próximo da filosofia é o direito penal, pois, tanto o Direito Penal quanto a filosofia buscam a compreensão dos fatos do espirito”[8]


[1] (BITENCOURT, Cezar. Tratado de Direito Penal – Parte Geral – Vol. 1, p 504)

[2] (JIMÉNEZ, Asúa, Tratado de Derecho Penal, 3ª ed., Buenos Aires, Losada, 1964, v. 6, p. 199)

[3] (WELZEL, Hans, Derecho Penal alemán, trad. Juan Bustos Ramirez e Sergio Yáñez Pérez, Santiago, Ed. Jurídica de Chile, 1970, p. 54)

[4] (BITENCOURT, Cezar. Tratado de Direito Penal – Parte Geral – Vol. 1, p 506)

[5] (BITENCOURT, Cezar. Tratado de Direito Penal – Parte Geral – Vol. 1, p 506)

[6] (WELZEL l, Derecho Penal alemán, cit., p. 197-8)

[7] (Luiz Jiménez de Asúa, Tratado de Derecho Penal, Buenos Aires, Losada, 1976, p. 179 e 228)

[8] (Francesco Carnelutti, Arte Del derecho. Buenos Aires: Europa-America, 1948, p31)



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria