O artigo dispõe sobre o princípio ambiental do poluidor pagador, que ao laudo do princípio da prevenção perfaz o centro axiomático do direito ambiental, revelando sua disciplina legal, peculiaridades e modo de aplicação.

O Direito Ambiental perfaz um dos diversos ramos que compõe a ciência jurídica, apesar de atuar em cooperação com os demais ramos jurídicos, o direito ambiental possui autonomia, peculiaridades e princípios próprios, que o distinguem e lhe favoreceram a criação de uma legislação única.

Entre os princípios que o integram, destaca-se o princípio do poluidor-pagador. Este princípio trabalha a questão da responsabilização e sanção dos responsáveis por crimes e desastres ambientais. Este princípio, apesar de bem aparamentado, não funciona sozinho, atua em consonância, ou melhor, em complementariedade ao princípio de precaução e da prevenção, de modo que apenas em situações extremas e irremediadas faz-se uso deste axioma.

O princípio do poluidor pagador surge como uma resposta ao modelo de degradação que se incorporou na sociedade e se intensificou durante a revolução industrial, tornando insuportável a manutenção de um sistema de exploração abusivo. Ao perceber que os recursos naturais são bens finitos ou, ao menos, que estes recursos se entrelaçam através de uma teia bastante sensível, a humanidade adotou medidas que buscavam, entre outras promover um desenvolvimento mais sustentável, menos ofensivo para o meio ambiente, mais equilibrado e participativo, tentando conciliar o meio, o crescimento econômico e a exploração dos recursos.

Esta nova proposta passou a considerar as externalidades envolvidas na regime produtivo contemporâneo, chegando a conclusão que os resíduos oriundos da atividade econômica compõe este processo, e deve-se prever qual destinação lhe será dada.

As externalidades compõem o sistema, e por mais que a previsão destas se dê de forma louvável, é possível que celeumas inesperadas surjam, não há como se firmar o arcabouço principiológico jurídico-ambiental apenas na precaução, sem desmerecer este princípio, que atua como um verdadeiro filtro, o princípio do poluidor-pagador é completamente imprescindível.

Quanto a disciplina legal do tema, verifica-se que o princípio do poluidor-pagador, apesar de perfazer uma orientação, encontra uma espessa dimensão positivada. Originariamente, foi apresentado na Declaração do Rio de Janeiro, já em seu princípio de nº 16. Conforme se lê:

As autoridades nacionais devem procurar assegurar a internalização dos custos ambientais e o uso de instrumentos econômicos, levando em conta o critério de quem contamina, deve, em princípio, arcar com os custos da contaminação, levando-se em conta o interesse público e sem distorcer o comércio e os investimentos internacionais.

Nas leis nacionais, o princípio se apresenta na lei 6.938, afirmando ser este uma das finalidades da Política Nacional do Meio Ambiente. Segundo a lei: “a imposição ao usuário, da contribuição pela utilização dos recursos ambientais com fins econômicos e da imposição ao poluidor e ao predador da obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados.”

Apesar de mencionar de forma literal o princípio, observa-se o sentido do dispositivo, que autoriza ao Estado exigir uma reparação diante dos danos causados ao meio ambiente. Nem mesmo a Constituição Federal se escusou de versar sobre a matéria, quando disciplinou em seu artigo 225, §3º: “As atividades e condutas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, às sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.”

Pode-se dizer que este princípio expressa uma natureza econômica, já que a consequência da poluição causada enseja uma ameaça à esfera patrimonial do indivíduo. Entretanto, a tendência hodierna é a de se tratar seus efeitos econômicos de modo otimizado, enfatizando o desconforto e consequências da poluição, desestimulando a prática de comportamentos similares. Anseia-se, portanto por uma nova feição para este princípio, reformulando-o de acordo com o bom senso econômico e Jurídico, permitindo que ele cumpra a sua função em concordância com as disposições consagradas pelo direito ambiental e constitucional.

Desta forma, e considerando que o poluidor se beneficia com a poluição gerada, o princípio do poluidor pagador serve para corrigir uma vantagem ilícita, favorecendo a correta utilização dos recursos naturais.

O princípio em comento não é simplesmente um repressor identificador da responsabilidade civil, já que como anteriormente se arguiu, inibe a prática de novos crimes ambientais, por meio da responsabilização do poluidor, mas também se interessa na recuperação da área ou do bem ambiental degradado. Segundo COLOMBO (2004, p. 19):

Embora no Direito Ambiental vigore o Princípio da Responsabilidade Civil, não podemos reduzir o princípio do poluidor-pagador a um princípio de responsabilidade. Isso porque as sanções civis têm efeito preventivo que pressupõe a ocorrência de um dano ao meio ambiente e, principalmente, porque as atividades poluidoras se apresentam lucrativas, seja pela possibilidade de não pagamento, seja pelo lucro líquido auferido com a atividade, mesmo que seja obrigado a indenizar

Para além disso, o princípio não deve ser visto como uma autorização para a poluição quando o poluidor tiver condições de reaver o dano causado em pecúnia ou em seu equivalente, já que o fim traçado pelo princípio e pelo próprio ramo do direito ambiental não é este. Corroborando a afirmação Machado assevera:

[...] há sempre o perigo de se contornar a maneira de se reparar o dano estabelecendo-se uma liceidade para o ato poluidor, como se alguém pudesse afirmar “poluo mas pago”. Ora, o princípio do poluidor pagador que está sendo introduzido no direito internacional não visa contestar a poluição, mas evitar que o dano ecológico fique sem reparação (2001, p. 192).

Fincadas estas peculiaridades sobre o princípio em epígrafe, resta que a grande questão da matéria é a dificuldade em se aferir o custo da poluição gerada ao meio ambiente, e reduzi-la em uma expressão financeira compreensível. O que não se admite é que o poluidor venha a locupletar-se indevidamente com a falta de punição.

Uma outra questão é a constatação de que o preço final dos produtos oferecidos pelo poluidor congregam e incorporam os prejuízos tidos pelas empresas com as reparações ambientais, transferindo a responsabilidade para o consumidor que acaba arcando indiretamente com os prejuízos causados por um indivíduo ou pessoa jurídica específica.

Assentada esta realidade, o melhor caminho será sempre a quele que evita a aplicação do princípio do poluidor pagador, diante da inexistência de fatos lesivos ao meio ambiente, a regulamentação as atividades empresariais deve ser feita primando pela proteção ambiental, antecipando-se a lesão do bem juridicamente tutelado, até por que alguns acidentes e crimes ambientais são simplesmente irreversíveis, não cabendo portanto a incidência do princípio do poluidor pagador.

Conceber um polo preventivo para o princípio do poluidor não completamente incoerente, já que a grande maioria das atividades, ao explorar o meio ambiente em consonância com as normas ambientais, o degradam dentro de limites aceitáveis, e isto gera um custo às empresas, Para FIORILLO (2013, página 59) há duas órbitas que interagem no caso do princípio indigitado, uma preventiva, buscando evitar, ou amenizar o dano, quando ele for inexorável, e outra repressiva, com a qual é costume estar-se mais habituado.

Já quanto ao custo assumido pelo poluidor, este ultrapassa o valor monetário equivalente à grandeza do dano causado, primeiramente por que este é difícil de se aferir, mas principalmente por que este custo vai além da órbita repressiva, atuando ainda na série de medidas a serem adotadas e implementadas pelo agente poluente, principalmente em atividades continuadas, com o intuito de reduzir a emissão de agentes nocivos ao meio.

Este custo tende a variar, já que depende da legislação estatal vigente em cada região, podendo esta ser mais permissiva o até profundamente repressiva. Paga-se, de todo modo, pelo mal provocado (teoria da compensação) e paga o responsável pelos bônus e lucros da atividade levada a cabo às custas dos recursos naturais (teoria do valor).

A responsabilização, inclusive, poderá se estender para além da fase produtiva do bem, quando este, pela sua própria natureza, carrega consigo um potencial tôxico ou nocivo ao meio ambiente, é o caso de pilhas e baterias, que devem ser descartadas apropriadamente, os encargos resultante desta responsabilidade pós-consumo é assumida pelo empresário, também por força do princípio do poluidor pagador, agindo em sua modalidade preventiva.

Referências:

COLOMBO, Silvana Raquel Brendler: Aspectos conceituais do princípio do poluidor-pagador, Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, Volume 13, julho a dezembro de 2004.

COLOMBO, Silvana Raquel Brendler. O Princípio do poluidor-pagador. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.phpn_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=932>. Acessado em 02 de Mar. 2017.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 14ª Edição. São Paulo: Saraiva. 2013.

MACHADO, Paulo Afonso Leme. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2001.

PINHEIRO PEDRO, Antônio Fernando. Utilização do princípio do poluidor – pagador ou da responsabilização na legislação. Disponível em: < http://pinheiropedro.com.br/site/artigos/utilizacao-do-principio-do-poluidor-%E2%80%93-pagador-ou-da-responsabilizacao-na-legislacao/ > Acessado em 04 de Mar. 2017



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria