O IRPF 2017 provoca um imediato aumento do Imposto de Renda, apesar do discurso do Governo Temer de que não haverá aumento de impostos.

 

 

 

 

 

O principal destaque deste ano é a limitação da dedução na declaração simplificada ao valor total de R$16.754,34, não reajustada desde o ano passado. Essa "novidade" implementada a partir de 2.017 exigirá a partir de agora um acurado estudo profissional sobre a melhor forma de declarar a sua renda, pois a tendência é de um grande aumento no valor do imposto, pois a base de cálculo será muito maior. O fato do governo reajustar minimamente este valor acaba por aumentar brutalmente o imposto devido.

Esse “presente” de grego, coisa corriqueira de todos os governos, aponta para um grande aumento no valor do imposto de renda, pela ampliação da base de calculo, com a reiterada limitação da dedução do imposto devido.

Essa nova regra exigirá uma nova analise do tipo de declaração – completa ou simplificada – verificando o melhor enquadramento e a alíquota mais favorável.

Para a maioria dos contribuintes que não tem muitas deduções legais, a limitação do valor da dedução simplificada autorizada pelo governo representará um aumento brutal do imposto. Para um valor de R$100.000,00 de renda anual declarada em 2.012, por exemplo, a alíquota efetiva sobe de 13,13% para uma alíquota de 17,08% em 2.017, aplicando-se o reajuste do salário mínimo. Nesse caso, dependendo do caso e do valor do imposto, deve-se, antes de mais nada, verificar a possibilidade de recorrer ao judiciário, pois este aumento fere dos princípios basilares do direito tributário, que é o principio da anterioridade e legalidade, que neste caso está sendo flagrantemente violado. Esta violação decorre da sua aplicação ser imposta única e simplesmente mediante a divulgação de uma “novidade” no site da Receita Federal ou no manual do Imposto de Renda, a qual, ao reajustar minimamente a tabela, cria uma nova faixa de tributação. E quem paga nessa nova faixa é quem deixa de empregar e pagar plano de saude, por exemplo, deteriorando a qualidade de vida da classe media e empobrecendo o povo para continuar os gastos da classe política. 

Espera-se também que os órgãos de classe estejam atentos a isso e proponham uma ação para deter esta fome desmedida do Leão.

 

 

 

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria