Enfim beneficiando e agradando a todos quanto possíveis. Seguindo mais ou menos na lambuja, do que fez o Nosso Senhor JESUS CRISTO, que veio ao mundo para doutrinar-nos no caminho da justiça, do juízo e da santidade e para isso deu sua vida para salvar-nos.

A concepção política de justiça de John Rawls e os dois princípios de justiça escolhidos em sua teoria.

Para entender Rawls devemos, primeiro, saber a diferença básica de libertalismo e liberalismo, mas nisso vemos que J. R. é muito diferente dos demais liberais, pois a eficácia do sistema liberal não exclui a desigualdade e a miserabilidade dos outros, sempre terá poucos muito bem sucedidos e muitos bem pouco sucedidos e ainda mais gente que nem sucedeu.

Ele já mostra que devemos ser flexíveis a conceitos políticos extremistas, uma vez que ele sendo liberal acaba aceitando e tomando o melhor dos iguálitários, já ensinando que devemos nos despir de dogmas e conhecimentos para que então consigamos entender o próximo e assim aplicar seu primeiro princípio que é concernente a liberdade, que todos temos o direito de termos liberdades básicas, compatíveis com um sistema desenvolvido pra todos. Isso é fundamental para podermos ter uma mudança radical na sociedade, purificando beneficamente. Um exemplo disso é o nosso Brasil que ficou um tanto quanto mais leve do jugo dos portugueses,. Que não tinham misericórdia e agora atingimos liberdades pessoais.

O segundo princípio é a regulação das desigualdades sociais e econômicas, temos assim que tenhamos uma sociedade com menos pobres do que aquela que não reverte as desvantagens para os menos favorecidos. Tendo também liberdade de igualdade na área do trabalho e da oportunidade para que todos tenhamos chance de fazemos faculdade e termos alto nível para aplicar conhecimento técnico. Assim os melhores vencem, não os que tem poder econômico se mantém perpetuados pelo poder pelo domínio de diplomas superiores e de vasto conhecimento que adveio de finança alheia, e que desqualifica os que não tiveram as mesmas oportunidades. Portanto quem tem bens e posses devem pagar boa quantia de dinheiro para trazer vantagens aos menos favorecidos.

O que mostra o interesse de Rawls para que a política tenha pontos fortes de trabalho. Vemos então que John Rawls é liberalista, mas inclinado a igualdade, pelo simples sentido que entende e buscou entender as necessidades dos ignorados, dos menos favorecidos, dos sem-crédito. Ele mostra como fundamentar uma sociedade livre e justa, distribuindo bens e direitos, através de regras e princípios justos que permitam a construção de uma sociedade justa. Rawls lembra que cada um quer favorecer suas vontades, mas justo é aquele que não se inclina às suas convicções, sem o contrato social, abandonando ideais e posições sociais e transferindo para uma posição originária atrás do véu da ignorância que fica imparcial para formular regras gerais que beneficiam todo mundo: o pobre, o rico; o grande e o pequeno; o homem e a mulher; o sábio e o louco; o saudável e o doente; o livre e o preso; o saciado e o faminto; o satisfeito e o sedento.

Enfim beneficiando e agradando a todos quanto possíveis. Seguindo mais ou menos na lambuja, do que fez o Nosso Senhor JESUS CRISTO, que veio ao mundo para doutrinar-nos no caminho da justiça, do juízo e da santidade e para isso deu sua vida para que fôssemos salvos do mundo enganos das concupiscências. Assim todos tem igualdade de oportunidades e todos partem da mesma condição.

Na parte que concerne a política de justiça (Pg 53-57 do livro "O liberalismo político" na parte "Conferência I" $2) O primeiro pressuposto é a concepção política (escolha de um ponto de partida, mas que não exclua outros, tendo as instituições políticas que formulem objetivos específicos), o segundo ponto é o modo de apresentação (que parte de uma visão auto-sustentada, mas deve sim mostrar de onde e qual doutrina se baseia e seja qual a transparência mais acessível), e a terceira característica, ponto ou pressuposto (que o conteúdo expresso é por idéias fundamentais gerais, devem ser minunciosamente detalhadas e prevendo que o utilitarismo tente beneficiar a maioria, mas não tangenciar a todos e o correto é que todos sejam beneficiados por políticas públicas, por medidas democráticas de direito). Portanto esse é o fundamento do nosso solucionador da problemática social: o nosso fundamentador John Rawls, o justo estudioso.

Glórias a DEUS PAI CRIADOR DO UNIVERSO, Glórias a DEUS FILHO SENHOR JESUS CRISTO, Glórias ao Divino ESPÍRITO SANTO DO SENHOR DEUS. Que o AMOR de DEUS PAI CELESTIAL, a GRAÇA do SANTO DEUS FILHO, e a CONSOLAÇÃO do ESPÍRITO SANTO DO SENHOR esteja sempre conosco e com todos ao nosso redor e que possamos nos alegrar em termos nossos nomes no LIVRO DA VIDA do Cordeiro Santo e que todos digamos: AMÉM, Graças a DEUS e ALELUIA SENHOR ETERNO.

Leia mais em:

http://webartigos.com/artigos/explicando-a-concepcao-de-justica-vista-por-john-rawls/143367

Explicando a concepção de justiça vista por John Rawls

https://luanmesan.jusbrasil.com.br/artigos/378341801/explicando-a-concepcao-de-justica-vista-por-john-rawls



Informações sobre o texto

EXPLICANDO A CONCEPÇÃO DE JUSTIÇA VISTA POR JOHN RAWLS

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0