O Código Civil vigente trás distinção entre o direito sucessório do cônjuge e do companheiro. Contudo, tal diferenciação é inconstitucional, porque viola princípios como a igualdade, dignidade humana e proporcionalidade.

INCONSTITUCIONALIDADE DA DISTINÇÃO ENTRE CÔNJUGE E COMPANHEIRO PARA FINS SUCESSÓRIOS

Há muito tempo se discute sobre os direitos das pessoas que decidem pela constituição da união estável ao invés do casamento.

No Brasil, foi a partir da Constituição Federal de 1988 que ficou reconhecida a união estável como entidade familiar.

E, ao colocar a união estável como entidade familiar, buscou-se proteger os diversos tipos de instituições familiares, sob a diretriz de que, toda a comunhão afetiva que promove a formação pessoal de seus componentes, seja sob qual forma ou origem for, merece ser resguardada por toda a sociedade.

Assim, salvo algumas exceções, os direitos e deveres oriundos do casamento e da união estável devem ser estabelecidos de maneira semelhante pelo ordenamento jurídico.

Por isto, há muito tempo se questionava sobre a diferenciação que persiste em nosso ordenamento jurídico entre os direitos sucessórios do companheiro e do cônjuge.

E, para melhor explicar uma das diferenças, segue o respectivo exemplo:

Imagine que uma mulher vivia em união estável, em regime de comunhão parcial de bens, há cerca de 9 anos, até que seu companheiro veio a falecer, sem deixar testamento. O falecido não possuía descendentes (ex: filhos, netos, etc) nem ascendentes (ex: pais, avós etc), mas apenas três irmãos.

Diante desse contexto, o Tribunal de origem, com fundamento no art. 1.790, III, do CC/2002, limitou o direito sucessório da recorrente a um terço dos bens adquiridos onerosamente durante a união estável, excluindo-se os bens particulares do falecido, os quais seriam recebidos integralmente pelos irmãos.

Porém, caso fosse casada com o falecido, a recorrente faria jus à totalidade da herança.

Tal exemplo parece absurdo, mas infelizmente é o que regulamenta a legislação pátria. Parentes distantes que, por vezes, nem tinham contato com o falecido (de cujus), acabam por receber parte ou até mesmo a herança integral, em detrimento de uma companheira que ficou ao lado daquele por vários anos.   

Contudo, acertadamente, o Superior Tribunal Federal extirpou esta necrose legislativa que assolava o ordenamento jurídico brasileiro, por meio dos Recursos Extraordinários (REs) 646721 e 878694, ambos com repercussão geral reconhecida.

Por maioria, os ministros declararam a inconstitucionalidade do artigo 1.790 do Código Civil, que estabelece diferenças entre a participação do companheiro e do cônjuge na sucessão dos bens, devendo ser aplicado, tanto nas hipóteses de casamento quanto nas de união estável, o regime do art. 1.829 do CC/2002.

No RE 878694, o Ministro Roberto Barroso considerou que não é legítimo desequiparar para fins sucessórios os cônjuges e os companheiros: “tal hierarquização entre entidades familiares é incompatível com a Constituição”.

Neste voto foi reconhecido que o sujeito possui a liberdade de escolha entre formar ou não uma família e, mais do que isso, de definir qual o tipo de modelo familiar irá adotar.

E, na hipótese de tratamento desigual entre cônjuges e companheiros para fins sucessórios, a liberdade na escolha do tipo de família estará comprometida, conforme constatou o Ministro Roberto Barroso:

[...] não há dúvida de que a opção de constituir uma família, bem como de adotar uma determinada forma de constituição familiar é uma das mais relevantes decisões existenciais. Trata-se de uma questão que toca a intimidade de cada indivíduo, de sua vontade de seguir (ou não) tradições, crenças e sonhos, e de viver sua união segundo a sua própria concepção de vida boa. Porém, quando o Código Civil cria regimes sucessórios diversos para os casais casados e para os que vivem em união estável, restringe-se inequivocamente a autonomia de optar por um ou outro regime. Considerando-se que, na quase totalidade dos casos, o companheiro terá menos direitos sucessórios em relação ao cônjuge, o ordenamento jurídico impõe um ônus maior às famílias em união estável. Assim, acaba-se induzindo quem deseja viver em união estável a adotar o modelo do casamento, por receio de que seus parceiros não venham a fazer jus ao regime sucessório devido.

Outrossim, cumpre salientar que este já era o posicionamento de diversos outros doutrinadores que há tempos levantavam esta bandeira, como é o caso de Carlos Maximiliano:

Qualquer tratamento sucessório diferenciado entre cônjuges e companheiros contraria as diretrizes da sucessão legítima. A teoria mais conhecida e aceita sobre o fundamento principiológico da sucessão legítima e da ordem de vocação hereditária, conferida pela Lei Civil, é a que lhes atribui a vontade presumida do falecido, o qual, se a tivesse manifestado, razoavelmente disporia de seus bens a partir daquela ordem, porquanto graduaria a sucessão da mesma forma que gradua suas afeições. (MAXIMILIANO, Carlos. Direito das Sucessões. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1937. p. 153-154.)

Não há dúvidas que o laço afetivo entre cônjuges e entre companheiros é o mesmo, não havendo razão para diferenciar o tratamento hereditário neste caso, até porque, em última análise, por razões obvias, é muito mais provável que o falecido gostaria de privilegiar sua companheira em detrimento de um parente distante.

Assim, no sistema constitucional vigente é inconstitucional a diferenciação de regime sucessório entre cônjuges e companheiros, porque viola princípios como a igualdade, dignidade da pessoa humana, proporcionalidade e a vedação ao retrocesso.

E, em decorrência da declaração de inconstitucionalidade anteriormente citada, caso uma pessoa que viva em união estável morra, deverá ser aplicado o regime estabelecido no artigo 1829 do Código Civil.

Referência

http://www.conjur.com.br/2017-abr-29/walsir-junior-desigualdade-conjuges-companheiros-inconstitucional#_ftn4

Recursos Extraordinários (REs) nº 646721 e 878694

Carlos Maximiliano. Direito das Sucessões. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1937. p. 153-154.)


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso