O presente artigo analisa os fundamentos da inconstitucionalidade do crime previsto no artigo 305 do Código de Trânsito Brasileiro, consistente na fuga do local do acidente, à luz do artigo 5º, inciso LXIII da Constituição Federal.

INTRODUÇÃO

O artigo 305 do Código de Trânsito Brasileiro prevê o crime consistente na fuga do local do acidente, com a seguinte conduta típica:

Art. 305. Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente, para fugir à responsabilidade penal ou civil que lhe pode ser atribuída.

 Pena: detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

Desta forma, a legislação de trânsito visa punir a fuga do condutor de veículo automotor do local em que ocorreu o acidente, pois este fato dificulta sua identificação e, consequentemente, sua eventual punição.

Ocorre que segundo o entendimento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, conforme julgamento do Incidente de Inconstitucionalidade nº 990.10.159020.4, este crime previsto no artigo 305 do CTB é inconstitucional, ou seja, fere os princípios da nossa Constituição Federal e, portanto, não deve ser aplicado.

O fundamento para a declaração da inconstitucionalidade desse crime está no artigo 5º, LXIII, da Constituição Federal, que contém o princípio segundo o qual ninguém pode ser obrigado a produzir prova contra si mesmo.


A INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 305 DO CTB

A Constituição Federal brasileira estabelece diversos princípios que deverão ser respeitados para que tenhamos um processo legítimo e justo, dentre eles destacamos o princípio da ampla defesa e do contraditório, cujo conteúdo reflete o ensinamento que todos os indivíduos processados possuem o direito de defenderem-se utilizando todos os meios de provas em direito admitidas e a todos os atos processuais praticados pela parte adversa (ampla defesa), deverá ser oportunizado o direito da parte se manifestar (contraditório).

Além disso, no bojo do direito à ampla defesa, o artigo 5º, LXIII da CF expressamente prevê que:

Art. 5º ....

LXIII - o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado;

Ao prever que o preso poderá permanecer calado, conferindo-lhe direito ao silêncio, nossa Magna Carta consagra o princípio do nemo tenetur se detegere, que consiste em que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo.

Criminalizar a conduta do motorista que se afasta do local do acidente visando não ser responsabilizado de forma criminal e civil pela causa do acidente, é o mesmo que retirar toda a eficácia e validade do princípio esculpido no artigo 5º, LXIII da CF, posto que o legislador ordinário está imputando ao agente a produção de prova contra ele mesmo, ou seja, o agente causador do acidente deverá permanecer no local do acidente, mesmo que este fato contribua para comprovação de sua responsabilidade penal e civil.

Sobre o tema, Damásio E. de Jesus, questiona:

[...] a lei pode exigir que, no campo penal, o sujeito faça prova contra ele mesmo, permanecendo no local do acidente? Como diz Ariosvaldo de Campos Pires, ‘a proposição incriminadora é constitucionalmente duvidosa’ (Parecer sobre o Projeto de Lei n. 73/94, que instituiu o CT, oferecido ao Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, Brasília, 23-7-1996). Cometido um homicídio doloso, o sujeito não tem obrigação de permanecer no local. Como exigir essa conduta num crime de trânsito? De observar que o art. 8º, II, g, do Pacto de São José: ninguém tem o dever de auto incriminar-se. [2]

Devemos observar que em que pese o julgamento proferido nos autos do Incidente de Inconstitucionalidade nº 990.10.159020.4 existem posicionamentos contrários, defendendo a constitucionalidade do artigo 305 do CTB.

Nesse sentido, os professores Fernando Capez e Victor Eduardo Rios Gonçalves sustentam a constitucionalidade do dispositivo legal, sob fundamento que “a conduta incriminada é o afastamento, a fuga do local do acidente, com a intenção de não ser identificado e, assim, não responder penal ou civilmente pelo ato",[3] desta forma, a criminalização não estaria atrelada à produção da prova contra si mesmo, que somente ocorria em momento posterior, com a interposição de processo penal ou civil pela conduta.

Neste trabalho defendemos a correção da fundamentação do  Incidente de Inconstitucionalidade nº 990.10.159020.4 determinou que:

Incidente de inconstitucionalidade (CF, art. 97;  CPC, arts. 480 a 482). Código de Trânsito Brasileiro, art. 305 - fuga à responsabilidade penal e civil. Tipo penal que viola o princípio do art. 50, LXIII garantia de não autoincriminação. Extensão da garantia a qualquer pessoa, e não exclusivamente ao preso ou acusado, segundo orientação do STF. Imposição do tipo penal que acarreta a autoincriminação, prevendo sanção restritiva da liberdade, inclusive para a responsabilidade civil. Inconstitucionalidade reconhecida. Incidente acolhido.

É Inconstitucional, por violar o art. 5°, LXIII, da Constituição Federal, o tipo penal previsto no art. 305 do Código de Trânsito Brasileiro. [4]

Conforme consta nos argumentos do Incidente de Inconstitucionalidade nº 990.10.159020.4, o legislador ordinário não poderá suprimir direitos conferidos pela Constituição Federal, dentre eles a vedação da auto incriminação prevista no artigo 5º, LXII.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Constituição Federal de 1.988 traz em seu bojo diversos princípios que visam efetivar direitos e garantias fundamentais, dentre eles se enquadra o artigo 5º, LXII que garante o direito ao silêncio como expressão da vedação da auto incriminação.

Qualquer disposição infraconstitucional que determine o contrário, criminalizando condutas que ensejam a produção de provas contra si mesmo deverá ser considerado inconstitucional, tal como o artigo 305 do CTB.

Pelo exposto, consideramos acertada a decisão exarada nos autos do Incidente de Inconstitucionalidade nº 990.10.159020.4, que julgou inconstitucional o artigo 305 do CTB.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAPEZ, Fernando; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Aspectos criminais do Código de Trânsito Brasileiro. São Paulo: Ed. Saraiva, São Paulo, 1998.

JESUS, Damásio E. de. Crimes de Trânsito. São Paulo: Ed. Saraiva, 7a edição revista e atualizada, 2008.


Notas

[2] JESUS, Damásio E. de. Crimes de Trânsito. São Paulo: Ed. Saraiva, 7a edição revista e atualizada, 2008, pág. 147.

[3] CAPEZ, Fernando; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Aspectos criminais do Código de Trânsito Brasileiro. São Paulo: Ed. Saraiva, São Paulo, 1998, pág.40.

[4] Disponível em: https://api.tjsp.jus.br/Handlers/Handler/FileFetch.ashx?codigo=25246. Acesso em 26 mai. 2017.


Autor

  • Camila Maria Rosa Casari

    Mestranda em Ciências Jurídicas pela Universidade Estadual do Norte do Paraná – UENP. Especialista em Direito Público pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – UNIDERP. Professora na União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo Uniesp – Faculdade de Araraquara. Secretária de Administração e Finanças no Município de Santa Lúcia – SP. Email: camilarcasari@gmail.com.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria