Pretende-se abordar a evolução do termo "trabalho", descrevendo os pressupostos fundamentais que caracterizam o vínculo entre empregado e empregador.

Pretende-se abordar a evolução do termo "trabalho", descrevendo os pressupostos fundamentais que caracterizam o vínculo entre empregado e empregador.

Compreende-se de maneira superficial que o contrato individual de trabalho é a relação onde há prestação de serviço do empregado para com o empregador. Conforme a CLT, o contrato individual de trabalho está expresso inicialmente no título IV do Art. 442 até o Art. 510.

Assim como ocorre em todo negócio jurídico, o contrato trabalhista apresenta componentes essenciais para que possa adquirir validade e eficácia. Trata-se, portanto, dos pressupostos fundamentais que caracterizam o vínculo entre empregado e empregador.

Temos conhecimento de que o conceito de trabalho atravessou diversas modificações ao longo do tempo, onde a priori era tido como castigo segundo a bíblia, que diz que Adão precisou do trabalho para se alimentar em virtude de ter provado do fruto proibido (Gênesis,3). Adiante encontramos a primeira maneira de trabalho que foi a escravidão. Nesta época, o escravo era tratado como objeto e prestava serviços sem obter direito algum, pois era tido como propriedade. Observando esses conceitos, nota-se que o trabalho envolve uma questão econômica, e justamente por isso adequa-se a sua época, pois atualmente o trabalho envolve além da parte econômica, realizações pessoais que não eram vistas em tempos passados.

Estando a par da evolução do trabalho, constatou-se a necessidade da existência do Direito do Trabalho para reger as relações trabalhistas. Partindo desse pressuposto veremos os quesitos que integram o contrato de trabalho, que são: a continuidade, pessoalidade, alteridade, onerosidade e subordinação.

A denominação de empregador consta no Art. 2º da CLT, onde: “considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço”. Realizando análise do texto da lei, vimos que as características principais do empregador são a de assumir o risco da prática econômica, ou seja, tanto com o prejuízo ou com o lucro. Vale ressaltar que ele é o único responsável por arcar com essa prática econômica, não podendo transferir tal responsabilidade para o empregado. Dando continuidade, identificamos também que o empregador precisa remunerar o empregado, pois não há admissão gratuita. Por fim vemos que o empregador tem o poder de direção, ou seja, é ele o responsável por administrar e impor disciplina no ambiente de trabalho para com os seus empregados.

Como prevê o Art. 3º da CLT, “considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário”. Avaliando este artigo, é de grande notoriedade o avanço do conceito, pois na relação de emprego, o empregado é o sujeito, e não a coisa ou a peça pertencente a alguém como visto antigamente. Dentre as qualidades de empregado, verifica-se a não casualidade, subordinação e remuneração por meio do empregador.

A concepção de empregador e empregado nos revela implicitamente alguns elementos que se tornam cruciais para que exista o contrato individual de trabalho, porém é importante lembrar que a relação de trabalho difere-se da relação de emprego. Na primeira hipótese encontramos um modo abrangente que engloba várias relações de trabalho e emprego, enquanto no segundo plano a relação empregatícia é comanda pelo direito do trabalho, incluindo no seu conteúdo os quesitos que estão implícitos nos conceitos ao que se refere a empregador e empregado. Para uma melhor compreensão entende-se que sempre toda relação de emprego será relação de trabalho, porém nem toda relação de trabalho será de emprego.

Denota-se de maneira ampla que o contrato se define com um acordo de vontade entre as partes. Assim como todo negócio jurídico necessita de quesitos para obter validade e eficácia, é de grande importância verificar os elementos que integram o contrato.

Para que um negócio jurídico possa adquirir condições de validade, se observa a necessidade de requisitos. Identifica-se, portanto, no art. 104 do Código Civil a seguinte disposição:

“Art. 104. A validade do negócio jurídico requer:

                           I- agente capaz;

                           II- objeto lícito;

                           III- forma prescrita ou não defesa em lei.”

Diante do exposto temos o conhecimento de que o contrato é um negócio jurídico, ou seja, o contrato é uma espécie de negócio jurídico, portanto deve atender todas as exigências dele.

Apesar de todos esses elementos listados pelo Código Civil, o contrato individual de trabalho vai um pouco mais além, pois além dos que já fora citado, ele apresenta outras características especiais para a sua identificação.

Podemos definir relação de emprego como a “relação jurídica de natureza contratual tendo como sujeitos o empregado e o empregador e como objeto o trabalho subordinado, continuado e assalariado.” (NASCIMENTO, Amauri M., pág. 560).

A primeira característica do contrato na seara trabalhista que iremos analisar é a continuidade. O trabalho tem que ser contínuo, ou seja, deve ser prestado de modo frequente por parte do empregado, excluindo obviamente a eventualidade.

Algo que também devemos dar importância é o trato sucessivo que existe nos contratos, pois diferente de alguns contratos como o da compra e venda, onde entregue o objeto e pago a coisa se extinguiu a relação obrigacional com apenas uma prestação, ressalva-se que o contrato de trabalho não adere a esta regra, pois como é de trato sucessivo entre as partes ele subsiste no decorrer do tempo, ou seja, existe continuidade da relação jurídica.

Abordando agora a pessoalidade, como o próprio nome já diz, o contrato de trabalho deve ser de caráter personalíssimo, ou seja, o chamado intuitu personae. Por ser de qualidade pessoal, ele é infungível para o empregado, o que quer dizer que não pode haver substituição por outra pessoa, o que já não é o caso do empregador, pois em casos de vendas de empresas a mudança do empregador não afeta a relação de emprego do empregado. É importante lembrar que caso exista a substituição do empregado, como pena será formado o vínculo com o substituto.

Outra qualidade imprescindível para a formação dos contratos é a alteridade. Ela assegura que o empregado é isento de qualquer risco, sendo o empregador responsável por tudo o que venha a ocorrer na sua empresa, seja o prejuízo ou lucro. Mesmo em que haja casos em que o trabalhador participe de lucros, ele jamais deverá participar dos prejuízos, porque não o compete.

O contrato de trabalho é tido como oneroso. Dar-se a onerosidade pelo simples fato da prestação de serviço não ser gratuita. A remuneração é oferecida ao empregado pelos seus serviços prestados ao empregador. É importante não confundir o trabalho voluntário como sendo um contrato de emprego, pois mesmo que ele possua alguns requisitos dessa relação, ele não é remunerado, não gera vínculo empregatício e muito menos outras garantias trabalhistas.

Por fim, trataremos da subordinação. O empregado é subordinado ao empregador, porque ele exerce sua função sob comando. O empregado realiza o seu trabalho para receber a sua remuneração, ficando, portanto, no domínio do empregador. Uma observação deve ser feita quanto ao assunto, porque não se deve inserir o autônomo na relação de emprego pelo fato dele não ser subordinado a ninguém, ainda que subsistam as outras qualidades.

Compreende-se que o contrato de trabalho é sinalagmático, ou seja, traz obrigações recíprocas para as partes, obedecendo, portanto ao pacta sunt servandaque reza que o acordo firmado deve ser cumprido.

São também de importante ressalva, que se deve obedecer aos princípios da probidade e boa fé, que está disposto no art. 422 do Código Civil, onde: “os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé”.

Bibliografia

GONÇALVES, Carlos Roberto.Direito civil brasileiro, volume 3 : contratos e atos unilaterais / Carlos Roberto Gonçalves. – 8. Ed. – São Paulo: Saraiva, 2011.

MARTINS, Sergio Pinto.Direito do trabalho / Sergio Pinto Martins. – 27. Ed. – São Paulo: Atlas, 2011.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro, 1932 -Curso de direito do trabalho: história e teoria do direito do trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho/ Amauri Mascaro Nascimento. – 22. Ed. rev. E atual. – São Paulo: Saraiva, 2007.


Autores


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelas autoras. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria