Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

Industrialização e urbanização por Henri Levebvre

O presente resumo expandido discute a industrialização e a urbanização na visão de Henri Levebvre, extraído do livro: Direito à Cidade, que detalha com precisão o fenômeno da transformação urbana, destacando o sentido e finalidade da industrialização.

  1. RESUMO

O presente resumo expandido discute a industrialização e a urbanização na visão de Henri Levebvre, extraído do livro: Direito á Cidade, que detalha com precisão o fenômeno da transformação urbana, destacando  o sentido e finalidade da industrialização em face do urbanismo. De forma ofensiva, ou talvez chocante, como diz o próprio autor, o livro aborda situações do cotidiano das cidades, buscando a historicidade e a moldando aos dias atuais, numa visão critica, com ideias e reflexos do Marxismo, levando o leitor a sistematizar suas ideias em relação à problemática abordada e discutidas em cada capitulo do livro. Para Levebvre, com o urbanismo em moda, assim como o sistema, as questões e as reflexões sobre o urbanismo, saem do ciclo fechado da técnica, das especialidades e ganha corpo no domínio público, alcançando ambições distintas, destacando a importância das questões que envolvem á cidade e a realidade urbana, de serem conhecidas, seja com campo ideológico ou prático.

     Palavras chave – Urbanismo; urbanização; industrialização; Direito á Cidade.

  1. INTRODUÇÃO

É fato que a questão urbana das cidades, seja elas de  pequeno, médio ou grande porte, tem se tornado cada vez mais preocupante, com inúmeros problemas apontados sem que haja de urgência por parte do poder público, para uma resposta aos tão graves problemas apontados pela doutrina.

No Livro Direito á Cidade, Henri Levebvre,traça importantes caminhos que levam á conscientização para o trato com a situação urbanística e em especial, quando o binômio industrialização e urbanização andam juntos.

A ideia de Levebvre é que, quando a questão da industrialização e urbanização estiverem no mesmo contexto de avaliação, deve-se partir do pressuposto de um processo da industrialização entendendo estamos lhe dando com o motor das transformações da sociedade. (Levebvre,2011.p.11).

                Para apresentar e expor a “problemática urbana”, impõe-se um ponto de partida: o processo de industrialização. Sem possibilidade de contestação, esse processo é, há um século e meio, o motor das transformações da sociedade. (Levebvre.,2011).

Sem dúvida, mostra o autor, que a industrialização é um dos principais fatores de transformação do espaço geográfico, tem relação direta no que se refere aos fluxos populacionais, tendo papel preponderante nos contextos da sociedade, interferindo em suas atividades, como exemplo, a atividade industrial, que por definição, corresponde as práticas econômicas, sendo o trabalho e o capital, transformadores de matérias-primas ou produtos de base em bens de produção e consumo.

  1. METODOLOGIA

O presente trabalho adota a pesquisa qualitativa, buscando a investigação teórica sobre a industrialização e a urbanização, tendo por base, o conceito doutrinário de Henri Levebvre, que no Livro Direito á Cidade, expõe suas técnicas de conhecimento sobre a problemática urbana.

O estudo ora debatido, se pautou na leitura do referido livro, em especial no titulo industrialização e urbanização, que destaca de forma muito direta as situações fáticas da história e interage com a situação fática atual.

O autor reflete a dinâmica das transformações das cidades com o advento da industrialização, que ele denomina, como já dito, de motor das transformações da sociedade. (Levebvre.,2011,p.12)

Nesses centros, prospera o artesanato, produção bem distinta da agricultura. As cidades apoiam as comunidades camponesas e a libertação dos camponeses, não se aproveitam disso em seu próprio benefício.(Levebvre.,2011).

Destaca ainda Levebvre, que nessa cadeia de negócios, se exerce uma ação de conflito que de forma especifica, se estabelece entre o valor de troca e o uso, interagindo com a mobilização de riqueza, no caso do dinheiro e do papel e o investimento produtivo na cidade, com acumulação do capital.(Levebbre,2011.p.14.)

  1. RESULTADOS E DISCUSSÕES

 Entende-se de uma forma mais abrangente que não resta duvidas da relação direta e também indireta entre os processos de industrialização e urbanização, pois existe uma relação mútua de fortalecimento de uma sobre a outra.

Pelo que se mostra na concepção de Levebvre, os processos de industrialização e urbanização estão interligados. Ao longo do livro, o autor destaca que os avanços e transformações proporcionados, por exemplo, pelas Revoluções Industriais na Europa, permitiu ao continente, um crescimento exponencial de suas principais cidades,  claro, as mais industrializadas.

Evidente que a industrialização é um dos principais fatores de transformação do espaço geográfico de uma cidade, destaca Levebvre, o que segundo ele, há uma interferência nos fluxos populacionais, ao reorganizar as atividades nos moldes da sociedade, ao promover a instrumentalização de diferentes técnicas, como também meios técnicos, essenciais para as atividades humanas.

  1. CONSIDERAÇÕES FINAIS

No contexto geral do trabalho ora apresentado, a visão de Henri Levebvre, a industrialização e a urbanização andam lado a lado e uma, depende da outra, mas que os fenômenos de crescimento de ambas, são intrínsecos e determinantes nas transformações das cidades.

Debater as questões que envolvem a urbanização, tendo como pano de fundo sua historicidade, foi de suma importância na concepção do autor, pois, nos dias atuais, se amoldam com perfeição a quase tudo aquilo que foi narrado em seu livro o Direito á Cidade, ora estudado.

Para Levebvre, existe a necessidade de aprofundamento dos estudos, mas que fica evidente que a industrialização é necessária, porém, menos capitalista e mais humanitária.

6. REFERÊNCIAS

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. 5. ed. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São              Paulo:Centauro Editora, 2011.


[1] Estudante do Curso de Direito do Centro Universitário Leão Sampaio; Avenida Maria Letícia Leite        Pereira, s/n - Lagoa Seca, Juazeiro do Norte - CE, 63040-405.e-mail:  [email protected];        turno noite.

[2] Estudante do Curso de Direito do Centro Universitário Leão Sampaio; Avenida Maria Letícia Leite        Pereira; s/n - Lagoa Sec; Juazeiro do Norte - CE, 63040-405.; e-mail:               [email protected];                  turno      manhã.

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre os autores
Imagem do autor José Wilson de Melo
José Wilson de Melo

Jornalista e Advogado em Juazeiro do Norte,Ceará.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!