Este artigo foi realizado como atividade complementar de nota na disciplina Processo Penal II, tem como objetivo demonstrar as formas e procedimentos do Tribunal do Júri no Brasil.

TRIBUNAL DO JÚRI NO BRASIL: FORMAS E PROCEDIMENTOS

                                                                                                             WeslleyThainey[1]                                                                                                                                           Artur Muller[2 

                                                                                                 Ricardo Alencar[3]                                                                                                                              

 

 

 

                                                        Resumo

Este artigo foi realizado como atividade complementar de nota na disciplina Processo Penal II, tem como objetivo demonstrar as formas e procedimentos do Tribunal do Júri que é um órgão especial do Poder Judiciário de primeira instância, pertencente a justiça comum Estadual ou Federal, formado por um juiz, presidente, e por 25 jurados, dos quais 7 compõem o Conselho de Sentença, tendo como competência mínima para o processo e julgamento dos crimes dolosos contra vida, com soberania nas suas decisões, tomadas de maneira sigilosa e com base no sistema da íntima convicção.

                                                    Abstract

This article was carried out as a complementary activity of note in the discipline Criminal Procedure II, aims to demonstrate the forms and procedures of the Jury Court is a special body of the Judicial Branch of first instance, belonging to the Common State or Federal Justice, formed by a judge , And 25 jurors, of which 7 are members of the Judgment Council, have the minimum competence to prosecute and prosecute felonious crimes against life, with sovereignty in their decisions, taken in a secretive manner and based on the system of intimate conviction.

1. Introdução

De acordo com o art. 5º, XXXVIII, da Constituição Federal, reconhece a instituição do júri, sendo assegurados os seguintes princípios: a plenitude de defesa; o sigilo das votações; a soberania dos veredictos; a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida;

Nesse sentido, a figura do tribunal do júri é trazer essencialmente uma garantia, proteger os direitos de quem ali estar para ser julgado perante uma parcela sociedade por um crime que deveras tenha cometido.

Vejamos o que Rodrigo Faucz Pereira e Silva

Nesta seara, a instituição do júri figura essencialmente como uma garantia, e, secundariamente, como um direito, uma vez que por meio do Tribunal do Júri, busca-se assegurar e proteger a fruição de direitos meramente declaratórios. Faz-se, portanto, necessário à integral dignidade da pessoa humana na vida social. Muitos doutrinadores o definem, ainda, como cláusula pétrea, neste sentido, Rodrigo Faucz Pereira e Silva[11]

2. Desenvolvimento

2.1 Plenitude de Defesa

É algo que vai além da Ampla defesa, defesa técnica, argumentos jurídicos e direito de defesa e direito de audiência. É uma defesa vulgar com argumento extrajurídico, no uso de razões de ordem social, emocional, de política criminal.

Cabe ao juiz presidente fiscalizar a plenitude dessa defesa, assegurando ao acusado que o mesmo seja considerado indefeso. E com isso evitando a dissolução do conselho de sentença.

 

Desta forma, vejamos a inteligência do art. 497 do CPP:

Art. 497.  São atribuições do juiz presidente do Tribunal do Júri, além de outras expressamente referidas neste Código:

V – nomear defensor ao acusado, quando considerá-lo indefeso, podendo, neste caso, dissolver o Conselho e designar novo dia para o julgamento, com a nomeação ou a constituição de novo defensor;

2.2 Soberania dos veredictos

A decisão do Conselho de Sentença é soberana e não pode ser modificada em grau de recurso, o TJ pode anular o julgamento, mas não pode modificar a sentença, enviando para um novo Conselho de Sentença.

§ 3o  Se a apelação se fundar no no III, d, deste artigo, e o tribunal ad quem se convencer de que a decisão dos jurados é manifestamente contrária à prova dos autos, dar-lhe-á provimento para sujeitar o réu a novo julgamento; não se admite, porém, pelo mesmo motivo, segunda apelação. 

           

Nenhum princípio é absoluto, existe uma EXCEÇÃO a este princípio: é a Revisão Criminal que é a ação que visa desconstituir uma sentença que transitou em julgado, é de competência do TJ que pode modificar a sentença, só pode ser usada se for favorável ao Réu. Um dos motivos do recurso é uma nova prova.

2.3 Competência para julgar os crimes dolosos contra a vida (tentados/consumados) e conexos

As formas de homicídios previstos no art. 121, do Código Penal, Induzimento, instigação ou auxílio a suicídio, no art. 122, - Infanticídio, no art. 123, CP; abortos, e nos arts. 124, 125 e 126, CP, todos não são de competência do júri.

Contudo o ato infracional, nos crimes dolosos contra vida praticados por adolescentes, não é de competência do júri, é de competência do Juizado da Infância e da Juventude; Homicídio Culposo, de competência da Vara Comum; Genocídio, previsto na lei 2889/56, considerado um crime contra vida, existência de grupo nacional, étnico, racial ou religioso, deve ser julgado por juiz singular.

Todavia ocorrendo homicídio, deverá o agente responder pelos crimes de homicídio em concurso formal impróprio com o delito de genocídio, nesse caso serão julgados pelo Tribunal de Júri.

O foro por prerrogativa de função previsto na Constituição Federal: Constituição Federal: exemplos daqueles que tem prerrogativa de foro, presidente, deputado federal, governador. Sendo que na Constituição estadual trás o vereador, neste caso usa a súmula 721, STF, A competência constitucional do Tribunal do Júri prevalece sobre o foro por prerrogativa de função estabelecido exclusivamente pela Constituição estadual.

3. Conclusão

No contexto geral, tudo acima relatado fica claro que o único intuito do Tribunal do júri é representar a sociedade, que em sua grande maioria e talvez possa arriscar a dizer que é sempre a maior vítima dos delitos praticados, principalmente no que se diz respeito ao tirar a vida de outro ser humano.

Contudo, observa-se que apesar de na grande maioria das vezes os jurados serem pessoas leigas, a decidirem pela culpa ou não do réu, a fase da dosimetria sempre fica a cargo do Magistrado, pessoa incumbida poder dever do Estado de punir.

REFERÊNCIAS

http://www.mpgo.mp.br/portal/arquivos/2013/04/29/09_12_21_27_o_novo_tribunal_do_juri___a_reforma_legislativa_de_2008_sob_a_otica_da_doutrina_e_da_jurisprudencia.pdf

https://www.passeidireto.com/arquivo/18999102/direito-processual-penal-ii---prof-carlos-eduardo-oliveira-conti/4

https://jus.com.br/artigos/11596/o-novo-procedimento-dos-crimes-dolosos-contra-a-vida-lei-n-11-689-08

https://tuliozuccaadvogados.jusbrasil.com.br/artigos/152001221/tribunal-do-juri


[1] Weslley Thainey Vieira de Oliveira, Graduando no Curso de Direito na Faculdade Paraíso do Ceará – FAP/CE.

[2] Artur Muller dos Santos, Graduando no Curso de Direito na Faculdade Paraíso do Ceará – FAP/CE.

[3] Ricardo Alencar Militão, Graduando no Curso de Direito na Faculdade Paraíso do Ceará – FAP/CE.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso