Há poucos dias a mídia noticiou freneticamente a votação do Plenário do Supremo Tribunal Federal que decidia a situação política do Mandato do Senador Aécio Neves. O Resultado indignou à população que a classificou como impunidade. Será? Vejamos a seguir.

Há poucos dias a mídia noticiou freneticamente a votação do Plenário do Supremo Tribunal Federal que decidia a situação política do Mandato do Senador Aécio Neves. Depois de longos e calorosos debates decidiu-se que o Senado deveria votar e decidir a respeito da manutenção ou suspensão de seu afastamento. Com isso o Senado votou e suspendeu o afastamento ao autorizar que o senador retomasse suas atividades políticas.

ENTENDENDO O CASO

Em Setembro a Primeira Turma do STF apreciou pedido de prisão e afastamento do Senador Aécio Neves negando aquela e deferindo esse, impondo ainda seu recolhimento noturno residencial e entrega do passaporte. Depois de intensa movimentação processual o caso foi ao Plenário que decidiu por 6 a 5 votos que medidas cautelares dessa natureza poderão ser aplicadas sob autorização do Senado Federal.

O desfecho dado pelo caso pelo Senado Federal acima narrado foi visto pela maioria da população como impunidade. Será?

CONSTITUCIONALIDADE OU IMPUNIDADE

Longe de se discutir a respeito da decisão do Senado Federal e a nuvem de comentários que o ronda a respeito das barganhas por trocas de favores que culminaram na absolvição de Aécio Neves, o que se busca a seguir é o entendimento dos fatos e o que a Legislação Constitucional determina sobre o caso.

A maioria da população com o mínimo grau de instrução sabe que existe uma Constituição Federal que rege a legislação pátria. Porém, dessa apenas a parcela jurista, e não absoluta, conhece suas disposições.

Textos bastante adotados pelos defensores de direitos e garantias fundamentais são até bem conhecidos. O que não se conhece é que a Carta Magna não se resume a esses. Nela também é regulamentada a organização dos poderes, entre outros.

No Título IV, no capítulo I mais precisamente, são previstas todas as atribuições do Congresso Nacional, da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. A regulamentação desse Titulo serve para estabelecer qual a função e modo de agir de cada um dos Poderes, de modo que nenhum deles ultrapasse seus limites ou interfira nas atribuições dos outros. É a garantia de que sejam respeitadas a autonomia de cada um.

O artigo 52, II da CF/88 prevê como competência privativa do Senado Federal processar e julgar Ministros do Supremo Tribunal Federal e outros descritos nesse inciso. Vê-se, portanto, que essa Casa possui legitimidade para julgar ao membros julgadores do STF.

O artigo 102, que pertence ao Capítulo III, Seção II, onde estão elencadas as atribuições do Supremo Tribunal Federal, em seu inciso I, alínea b, define como competência desse processar e julgar infrações penais comuns e crimes de responsabilidade que cometam membros do Congresso Nacional, entre outros.

Até aqui vemos uma gritante impunidade quando o STF deixou de decidir pelo definitivo afastamento do senador Aécio Neves de sua atividade parlamentar, e confirmação de toda a medida cautelar a ele imposta. Não fosse pela redação do artigo 53 da nossa tão amada e Carta Magna.

O §3º que define ser atribuição da Casa à qual pertence o Senador ou Deputado denunciado, por voto da maioria de seus membros decidir sobre a suspensão ou não até a decisão final, sustar o andamento da ação.

Isso quer dizer que o processo que o STF deverá processar e julgar ficará suspenso durante o mandado do Senador ou Deputado. Mas e se o Senador for reeleito? O §5º prevê a suspensão do prazo prescricional enquanto durar seu mandato. Isso quer dizer que o Senador ou Deputado poderá ter 10 mandatos consecutivos, mas o dia que esse se findar, o ex - parlamentar será devidamente processado e julgado pelo crime cometido.

Conclui-se, portanto, ainda que com indignação, que o caso do Senador Aécio Neves não foi a estampa da impunidade, mas sim, o cumprimento da nossa Constituição Federal. Isso não quer dizer que não seja um meio de se afastar a aplicação da justiça nos parâmetros que a sociedade gostaria. Se pensamos em ver acontecimentos diferentes desses é papel dos brasileiros escolher legisladores que repensem nossa legislação pátria de modo a não obrigar a cada um ver casos que atendem à Constitucionalidade serem sacramentados com a figura da impunidade fática.

Escrito por Grazziely Barros do Prado, advogada, militante na área do Direito Civil e do Consumidor, ministrante de cursos jurídicos ministrados por seu Escritório. Site dopradoadv.wix.com/dopradoadvocacia



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso